Arquivo da tag: pesquisa e inovação

Orçamento participativo em Portugal: Professor da UFLA apresenta projeto para transformar Coimbra em “Cidade Azul”

O professor está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

 O professor do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) José Roberto Pereira inscreveu uma proposta no Programa de Orçamento Participativo de Coimbra, em Portugal. Dos 25 projetos concorrentes, 19 foram pré-selecionados e estão sob votação pela população local. Entre eles está o de autoria do professor da UFLA, que tem o objetivo de elevar Coimbra à categoria de Cidade Azul, por meio do selo concedido pela Blue Community, mesma organização que fez da UFLA a segunda universidade do mundo a ganhar o título de “Blue University”.

Os projetos que concorrem a uma vaga no orçamento participativo de Coimbra estão sob votação online, por meio da qual os habitantes locais podem se manifestar mediante autenticação do número do cartão de cidadão português. José Roberto fez em 12/6 a apresentação oral do projeto na Câmara Municipal de Coimbra (assista à apresentação). A divulgação e execução dos projetos vencedores ocorrerá a partir de 4/7. O aprovado receberá recursos para implementação da ideia.

As propostas candidatadas deveriam ter como prazo máximo de execução doze meses e um custo total igual ou inferior a 50 mil Euros. O projeto Cidade Azul pleiteia   o valor de 30 mil Euros e prevê realização de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) com alguns grupos de pessoas; realização de seminários, palestras e workshop com convidados estrangeiros; mapeamento dos pontos onde serão disponibilizadas as fontes de água ou bebedouros públicos no centro histórico; obtenção do selo azul junto ao Conselho dos Canadenses e divulgação internacional de Coimbra como cidade azul.

Sobre o movimento

Cidade Azul é um movimento global iniciado pelo Conselho dos Canadenses (Council of Canadians) para o uso justo e seguro da água, promovendo o trabalho de coalizões locais em todo o mundo. A “Cidade Azul” é aquela que adota estas 3 diretrizes comuns para o uso da água: 1- Que a água seja considerada um direito humano; 2- Que a água seja considerada um bem público sobre controle democrático; 3 – Que a “comunidade azul’ não utilizará água engarrafada em suas repartições públicas ou em eventos públicos, encorajando, sempre que possível, o uso da água distribuído pela empresa pública da localidade.

A estes três princípios segue-se uma igual distribuição da água e de seu tratamento responsável de forma a preservá-la para a natureza e as gerações futuras. Participar da Comunidade Azul significa adotar uma política ampla de redução do uso de garrafas plásticas e com isso reduzir o volume de lixo e poluição do meio ambiente. Várias cidades já fazem parte da Comunidade Azul, incluindo Paris, Berna, Berlim,  Cambuquira (Brasil) e  vários municípios do Canadá. Na avaliação do professor José Roberto, Coimbra já conta com uma excelente infraestrutura de saneamento e de qualidade da água, mas não adotou uma política pública da água como direito humano e para redução da venda de água engarrafada. “Assim, esta proposta ganha relevância ao tratar de um bem comum e de interesse público”, defende.

A pesquisa de pós-doutorado

José Roberto está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. A pesquisa que desenvolve é intitulada “Gestão social da água mineral: uma análise comparativa entre Brasil e Portugal”. O objetivo do estudo é compreender como a água mineral, um bem público, é gerenciada no âmbito dos municípios de Cambuquira (Minas Gerais, Brasil) e em um município de Portugal, levando-se em conta a configuração institucional, as esferas públicas que se formam em torno desse bem público e os interesses representativos do Estado, da sociedade civil e do mercado por meio do Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE), como método de diagnóstico para elaboração de projetos de extensão universitária.

O diagnóstico visa a obter informações e estabelecer o ponto de partida para um processo dialógico permanente com a população e com essas organizações no sentido de elaborar projetos de extensão universitária adequados à realidade local. A pesquisa busca, dessa forma, incrementar conhecimentos científicos e tecnológicos em termos de gestão social da água mineral no Brasil e em Portugal, desenvolver e aperfeiçoar o método de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) como tecnologia social e formar pessoas na universidade e na sociedade que possam aplicar seus conhecimentos em prol da construção do bem comum e do interesse público no que diz respeito à gestão social da água mineral.

Contribuição no texto: Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

Estudo utiliza redes complexas para simular eleições simples

 

Todos os dias ao acessar a rede mundial de computadores compartilhamos milhares de informações. Utilizamos a internet para trabalhar, estudar ou como entretenimento, sem, muitas vezes, pensar nos múltiplos fatores que fazem com que nos conectemos uns aos outros. Diversas teorias estudam os sistemas que compõem o nosso mundo virtual, uma delas é a das redes complexas.

Essa teoria avalia como as coisas se conectam e podem ser usadas em diversas redes, como, por exemplo, as sociais: “Redes complexas é uma ferramenta utilizada para modelar sistemas reais. No facebook, por exemplo, os nós dessa rede representariam as pessoas e as ligações entre esses nós seriam representadas pelos links de amizade nessa rede social”, explica a professora do Departamento de Física da Universidade Federal de Lavras (DFI/UFLA) Angélica Sousa da Mata.

Esses sistemas complexos começaram a ganhar mais interesse dos físicos no final do século XX; com os avanços das pesquisas, muitas ferramentas já foram incorporadas ao nosso dia a dia, como ilustra o especialista em Física Estatística Fabiano Lemes Ribeiro, também do DFI/UFLA. “Essa ideia de redes complexas é muito utilizada principalmente por empresas para tentar vender produtos. Quando você tem plataformas como o facebook que colhe dados de milhões de pessoas diariamente a cada segundo, as empresas utilizam essas informações para tentar traçar o perfil do consumidor e, consequentemente, conseguir vender o seu produto”. 

Como as redes complexas é uma ferramenta que pode ser utilizada para modelar várias situações, uma pesquisa de mestrado está avaliando alguns fenômenos que surgem nessa rede por meio de um processo  eleitoral. A pesquisa “Efeitos da topologia da rede em dinâmicas sociais” é conduzida por Gabriel Gomides Piva, e está em fase de conclusão. O mestrando utilizou um modelo votante simples, considerando dois candidatos A e B. “ Eu avaliei como ocorre o processo de formação de opinião em uma população, devido à interação entre as pessoas na rede, levando em consideração algumas características que poderiam representar fatores, como afinidade entre as pessoas, a influência da mídia ou ainda a propagação de informações por meio das redes sociais. Nesse modelo simples, as pessoas podem mudar de opinião de acordo com a opinião de seus contatos, e o estado de equilíbrio é atingido quando todas passam a  ter  a mesma opinião, isto é, chegam
a um  consenso”.

O objetivo do estudo, conforme esclarece o professor Fabiano, foi identificar os padrões nas tomadas de decisões dos eleitores, como, por exemplo: como os amigos de um eleitor influencia na tomada de decisões, ou como a mídia com suas propagandas influencia esse eleitor. Apesar de o modelo utilizado por Gabriel ser uma versão simplificada de uma eleição real, não prevendo de fato o resultado das eleições, Angélica diz que é possível torná-lo mais real com a utilização de outras ferramentas. “Poderiam ser usadas técnicas computacionais que envolvem inteligência artificial ou aprendizado de máquinas que poderiam pegar dados das eleições anteriores e, assim, construiriam um algoritmo que poderia prever um certo padrão. Aí, sim, poderíamos ter uma previsão mais concreta de uma eleição”.

O modelo do votante em redes complexas utilizado por Gabriel não é novidade; porém, sua pesquisa é de grande contribuição acadêmica de acordo com os orientadores. “Mesmo trabalhando com redes simuladas no computador, essas redes possuem características mais próximas das redes sociais reais”, diz Angélica.  Os resultados das análises dos dados mostraram aos pesquisadores que quando se leva em consideração também a distância geográfica entre as pessoas que se relacionam, a distribuição de conectividade da rede é alterada, gerando um comportamento diferente para a relação entre o tempo de consenso e o tamanho da rede.

As redes sociais deverão ser uma das ferramentas mais utilizadas nas eleições de 2018, oferecendo aos candidatos um mecanismo poderoso para atingir seus eleitores. Segundo o relatório Reuters Digital News Report de 2016, 51% das pessoas dizem que usam mídias sociais como uma fonte de notícias por semana, dos quais 12% da amostra aponta as mídias sociais como principal fonte de notícia. Outro dado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE):  94,2% dos brasileiros usam internet para trocar mensagens de texto, voz ou imagens por aplicativos diferentes de e-mail. A grande rede mundial de computadores está presente em 48,1 milhões de residências, que representam 69,3% dos domicílios (Pnad Contínua – TIC 2016).

Reportagem e imagens:  Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo:  Mayara Toyama, bolsista Fapemig/Dcom

Esquenta Ciufla começa no dia 5/7

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) realiza o Esquenta Ciufla 2018 nos dias  5 e 9 de julho e  28 de agosto.  As inscrições estão sendo feitas pelo site do Sistema Integrado de Gestão (SIG). O evento é uma preparação para o Congresso de Iniciação Científica (Ciufla), realizado anualmente na universidade, com o objetivo de divulgar os resultados das pesquisas desenvolvidas pelos alunos de graduação da instituição.

No primeiro dia desta edição (5/7), o evento apresentará a oficina de redação de resumos, ministrada pela professora Helena Maria Ferreira,   às 17h45, no Salão de Convenções. 

Já no dia 9/7, a programação contará com oficina de redação científica com o professor Luciano José Pereira, às 18h, no anfiteatro Magno Patto Ramalho – Departamento de Biologia (DBI).

E, no dia 28/8 haverá a oficina de Elaboração de Pitch,  com a jornalista da Diretoria de Comunicação (Decom/UFLA), Samara Avelar,  às 18h, no anfiteatro do Departamento de Ciências Humanas (DCH).

Ana Carolina Rocha, estagiária Dcom/UFLA

 

Pesquisadora da UFLA realiza avaliação genética de três raças de touros

Saber qual animal apresenta melhor adaptação ao clima brasileiro, é um dos fatores avaliados por uma pesquisa realizada pelo Departamento de Zootecnia (DZO/UFLA), em um projeto de extensão que teve início em 2012. O Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnologia (Gmab), em parceria com a Casa Branca Agropastoril Ltda., realiza avaliação genética de touros de três raças: Angus, Simental e Brahman.

Desde o início dos trabalhos, os dados são coletados na fazenda Santa Ester, em Silvianópolis, Minas Gerais. Cerca de 600 animais foram analisados quanto a quatro grupos de características, sendo elas: desempenho, morfologia, carcaça e adaptabilidade. O objetivo da pesquisa é identificar quais genes são responsáveis pelas características de interesse. A coordenadora do Gmab, a pesquisadora Sarah Laguna Conceição Meirelles, explica que para realizar as provas de desempenho – um teste individual para identificar os animais geneticamente superiores – os touros são colocados dentro de um mesmo sistema de semiconfinamento durante cerca de 112 dias. Nesse período, os animais ficam no mesmo tipo de instalação, com alimentação e manejo iguais. “O desempenho de um animal é derivado da somatória de fatores genéticos, como a qualidade genética e de fatores ambientais; por isso, nessas provas nós retiramos o fator ambiental. Assim, o animal que tem ao final da prova o melhor desempenho para certas características é melhor geneticamente em relação a essas características. ”

Nas raças Angus e Simental, que são bovinos de origem europeia, o primeiro atributo avaliado pela equipe do Gmab é a adaptabilidade: para isso, são medidas a frequência respiratória, a temperatura do pelame, a temperatura retal e comprimento dos pelos. “Um animal que é mais adaptável ao nosso clima, consequentemente vai ter um melhor desempenho nessas provas, comparado a algum outro,” comenta o estudante de graduação Tiago Felipe Silva. No desempenho, as três raças: Angus, Simental e Brahman são observadas quanto ao ganho de peso diário e o peso final padronizado, considerando que todas as pesagens são efetuadas após jejum completo de, no mínimo, de 12 horas.

Na parte de morfologia, profissionais devidamente treinados julgam os aprumos, a musculosidade, a reprodução e o equilíbrio através de escores visuais. Já em relação à qualidade de carcaça, as características: área de olho de lombo, espessura de gordura subcutânea, espessura de gordura na picanha e porcentagem de gordura intramuscular são avaliadas somente no final da prova, através de uma ultrassonografia feita por um técnico credenciado na Associação de Técnicos de Ultrassom do Brasil (Atubra). Ao final das avaliações, cada animal recebe um índice e aquele com o maior é superior geneticamente.

Com os dados obtidos, é possível desenvolver diversas pesquisas de graduação e pós-graduação. Além disso, os estudantes ganham experiência ao fazer essas avaliações genéticas, tendo um contato maior com os produtores e funcionários de uma grande empresa. Já a fazenda ganha uma avaliação de sua genética, com um grande número de características, agregando valor de mercado aos seus animais avaliados.

 

Para este ano, dando continuidade do projeto, a expectativa, de acordo com a pesquisadora da UFLA, é conseguir identificar e mensurar o consumo individual de cada animal para fazer estudos sobre a eficiência alimentar através de cochos eletrônicos. “O bovino de corte mais eficiente é aquele que irá ingerir menos quantidade de alimento e transformar isso em mais carne e é isso que pretendemos avaliar agora”, diz a professora Sarah. A busca por genes relacionados com as características avaliadas nas provas de desempenho também terá início em 2018. Alunos de pós-graduação sob orientação da docente iniciarão pesquisas de associação genômica ampla (GWAS), podendo, assim, identificar regiões do genoma ou genes que influenciam mais essas características. Após essa identificação, será possível estudar as vias metabólicas desses genes para entender melhor como os animais, por exemplo, se adaptam mais ao nosso clima.

A pesquisadora acredita que, num futuro próximo, talvez seja possível selecionar reprodutores baseando-se na composição dos genes dos animais, e não somente por meio de fenótipos de frequência respiratória e outros avaliados nas provas, aumentando acurácia de predição do valor genético desses animais.

 

Reportagem e imagens:  Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo:  Mayara Toyama, bolsista Fapemig/Dcom

Pesquisador da UFLA trata de comércio direto entre cafeicultores e torrefadores/cafeterias

O agronegócio café apresenta diversos agentes e mecanismos que permeiam sua cadeia produtiva. Um deles, surgido recentemente, é o Direct Trade (Comércio Direto), que pode ser entendido como um modelo de negociação entre cafeicultor e torrefador/cafeterias, voltado mais especificamente à comercialização de cafés especiais, reduzindo agentes intermediários no processo.

Procurando aprofundar o tema, o pesquisador do Centro de Inteligência em Mercados (CIM), vinculado à Agência de Inovação do Café (InovaCafé) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Nilmar Diogo Reis, desenvolveu o estudo “O Direct Trade no agronegócio café: uma perspectiva de seus agentes”, objeto de dissertação de mestrado defendida em fevereiro de 2018, no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UFLA), sob orientação do professor Luiz Gonzaga de Castro Junior.  

Segundo Reis, o modelo do Direct Trade tem demonstrado substancial tendência de expansão – no Brasil e no mundo – no comércio de cafés de qualidade superior. “No entanto, falta um norteamento quanto à definição de quais são as premissas para atuação no segmento, seja da parte do cafeicultor, das torrefadoras e/ou das cafeterias, e até mesmo do intermediador estratégico, no caso as exportadoras, o que dificulta a comercialização”, ressaltou. Assim, a proposta do trabalho foi analisar, por meio da teoria da Economia dos Custos de Transação (ECT), quais premissas levam à atuação via Direct Trade.  

A pesquisa procurou analisar as características dos agentes, o modo que realizam suas transações, bem como o ambiente institucional em que ocorre a comercialização dos cafés especiais, propondo medidas que minimizem a ocorrência de custos transacionais elevados. “O Direct Trade permite uma estrutura de governança mais enxuta do que a cadeia do agronegócio café tradicional. Ele também reduz a possibilidade de ações oportunistas, já que a assimetria de informação tende a ser pequena, permitindo uma relação bilateral eficiente e ampliando a racionalidade dos agentes quanto às possibilidades de ganhos”, explicou.  

Pesquisa

Além de pesquisas documentais e bibliográficas, o trabalho contou com entrevistas presenciais com produtores Direct Trade da mesorregião do Sul de Minas, além de torrefadoras e cafeterias da mesma região e da Costa Leste do Estados Unidos (Nova Iorque). A intenção foi detectar, in loco, os comportamentos dos agentes e as relações frente a esse novo modelo de negócio.  

Como uma das constatações da pesquisa, foi possível observar que grande parte das aquisições feitas pelo Direct Trade não exige algum tipo de certificação (como FairTrade ou Rainforest Alliance), pois priorizam fatores como confiança, relação mútua entre os agentes, contatos a longo prazo, entre outros. Outra constatação está ligada ao desconhecimento de parte dos produtores em relação à qualidade e ao potencial de ganho de seus cafés. “Isso favorece ações oportunistas de agentes que complexificam as etapas de comercialização, diminuindo a lucratividade dos produtores”, pontuou.  

A pesquisa identificou, ainda, que mesmo sem a formalização por meio de contratos entre cafeicultores e torrefadoras e/ou cafeterias, foi possível obter altos valores pagos à saca de cafés especiais, o que têm robustecido a expansão da produção e venda via Direct Trade tanto no mercado interno como no exterior.    

Ascom Inovacafé

Pós-Graduação em Fisiologia Vegetal completa 30 anos de atuação

No campo da Biologia, a fisiologia vegetal é o estudo dos fenômenos vitais que ocorrem nas plantas baseados em processos físicos e químicos, uma área em crescente expansão no Brasil. Na Universidade Federal de Lavras (UFLA), a fisiologia vegetal começou como disciplina nos cursos de graduação na década de 1970 e, posteriormente, em 1975, foi incorporada aos programas de pós-graduação, no curso de Fitotecnia. A  primeira dissertação defendida nesse curso foi em novembro de 1976 e teve como temática a “Fisiologia em cafeeiro”, sob o título “Efeito de dosagens e número de aplicações de Cycocel, Ethrel e Ácido Giberélico na formação de mudas de cafeeiro Coffea arabica L. var. Mundo Novo”, de autoria de Marcio Bastos Gomide, sob a orientação de Sarasvate Hostalacio, ambos docentes do setor de Fisiologia Vegetal do Departamento de Biologia.

A ciência ganhou ainda mais relevância com a criação do Programa de Pós-Graduação em Fisiologia Vegetal (PPGFV), em março de 1988. Na época, os professores Luiz Edson Mota de Oliveira e Amauri Alves de Alvarenga, com apoio dos professores João Marcio Carvalho Rios, Sarasvate Hostalacio e  Marcio Bastos Gomide, do Departamento de Biologia e de diversos docentes de outros departamentos da ainda Escola Superior de Agricultura de Lavras (ESAL), empenharam-se  para criar o mestrado. “O que nos levou a criar esse programa foi o fato de que essa área era carente no Brasil. Nossa preocupação era de formar recursos humanos, para fomentar as pesquisas em Fisiologia Vegetal”, explica o professor Amauri.    

A infraestrutura física da parte inicial do setor foi fruto de um projeto de pesquisa interdisciplinar que envolveu estudos de matas ciliares e revegetação de áreas marginais de reservatórios hidrelétricos, financiado através de um convênio entre a UFLA e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Conforme crescia, o curso se destacava nas qualificações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) “Já nas primeiras avaliações, nós já estávamos entre os melhores conceitos do Brasil”, enfatiza Luiz Edson.

Em 2000, teve início o curso de doutorado no PPGFV. Ao longo dos seus 30 anos, foram titulados 236 mestres e 100 doutores em Fisiologia Vegetal, além de dezenas de estudantes de iniciação científica. A maioria dos   egressos do programa se espalhou por diversas instituições de ensino e pesquisa do país. Atualmente, a pós-graduação em Fisiologia Vegetal é coordenada pelo professor João Paulo Barbosa, que explica a contribuição do Programa para a internacionalização da UFLA. “Entre nossos titulados, temos um percentual bem significativo de alunos estrangeiros e de doutores que fizeram o doutorado sanduíche, ou tiveram na sua formação orientadores estrangeiros”. Essa participação de estrangeiros é de grande importância, pois destaca a visibilidade da Universidade no cenário internacional. De acordo com o levantamento do setor, das 100 teses de doutorado, 18 tiveram pelo menos um membro estrangeiro compondo a banca, num total de 23 membros estrangeiros e 36 teses foram redigidas parte ou integralmente em inglês. Uma tese recebeu menção honrosa no Prêmio Capes de teses em 2015. Para o futuro, a expectativa, segundo o professor João Paulo, é de “continuar com a formação de qualidade, prestando um bom serviço para a sociedade”.

Reportagem e imagens:  Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo:  Mayara Toyama, bolsista Fapemig/Dcom

PRP divulga resultado de edital do Programa de Apoio à Formação de Redes de Pesquisa em Áreas Estratégicas

A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Lavras (PRP/UFLA) divulgou o resultado do edital PRP 04/2018, referente ao Programa de Apoio à Formação de Redes de Pesquisa em Áreas Estratégicas. A proposta classificada em primeiro lugar é coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia (DEG) Adriano Viana Ensinas, com participação de pesquisadores, estudantes e técnicos administrativos DEG, do Núcleo de Estudos em Empreendedorismo ligado ao Departamento de Administração e Economia (Neemp/DAE) e da Agência de Inovação do Café (Inovacafé). Trata-se de um projeto que prevê o estudo de novas arquiteturas de construção, uso e manutenção de máquinas de café expresso do tipo automatizadas, focadas na venda em larga escala e qualidade de preparo da bebida.

A seleção das propostas foi feita por uma comissão nomeada pela PRP por meio da Portaria nº 002, de 14 de maio de 2018. De acordo com o pró-reitor de Pesquisa, professor Teodorico Ramalho, a análise foi um desafio, já que todas as propostas demonstraram muita maturidade científica e transversalidade entre as diferentes áreas do conhecimento. “A PRP, mais uma vez, agradece a participação e contribuição de todos os grupos de pesquisa proponentes. De fato, parabenizamos todas as equipes envolvidas pelas inovadoras soluções propostas para o desafio apresentado.”

De acordo com o edital, o projeto selecionado receberá apoio financeiro no valor de 30 mil reais.

Programa de Apoio à Formação de Redes de Pesquisa em Áreas Estratégicas

Com o Programa, inédito na instituição, a Direção Executiva da UFLA busca contribuir para o desenvolvimento de estudos científicos considerados estratégicos, que apresentem soluções e novas tecnologias para problemas atuais, sob esforços coordenados de forma multidisciplinar, envolvendo diferentes áreas do conhecimento. São também objetivos do Programa a inserção de novos pesquisadores em grupos de pesquisa já consolidados; a formação de novos grupos de pesquisa e o estímulo ao surgimento de redes colaborativas entre professores da UFLA.

A linha temática definida para esta edição do Programa – “Consumo de café em instituições públicas: sustentabilidade e qualidade no método de preparo de café em larga escala” – buscou estimular o desenvolvimento de um método ou tecnologia de preparo de café capaz de solucionar o desafio hoje vivido por instituições públicas que têm alto consumo da bebida. As tecnologias atualmente disponíveis exigem investimentos financeiros altos ou mesmo não atendem ao quesito sustentabilidade – como é o caso do café em cápsulas, que tem utilização questionada em função de as cápsulas não serem biodegradáveis e serem de difícil reciclagem. É, então, necessário conciliar preservação da qualidade do café durante o preparo, sustentabilidade e baixo custo. Ao final do prazo de execução do projeto selecionado, espera-se chegar a uma solução, inclusive com possibilidade de geração de patente.

O pró-reitor de Pesquisa explica que a escolha do tema para este primeiro edital baseou-se na extensa trajetória de tradição da UFLA na pesquisa com café, o que garante à instituição e seus pesquisadores competência especializada para avançar com a geração de tecnologias. “A intenção, pelo Programa, é que um novo edital seja publicado anualmente, lançando novas temáticas estratégicas. Há apenas a dependência da disponibilidade de recursos”, diz.

O Programa de Apoio à Formação de Redes de Pesquisa em Áreas Estratégicas, de acordo com a PRP, além de editais temáticos, deverá incluir a realização de workshops na Universidade, também para discutir temáticas complexas, com envolvimento de equipes de diferentes áreas dedicadas aos temas.

Estudo promove a reconstrução do clima da Amazônia a partir de anéis de crescimento de árvores

Professora Ana Carolina (DCF) e doutoranda Daniela

As florestas abrigam inúmeras espécies de animais e plantas, que contribuem para uma diversidade de pesquisas. No início do século passado, pesquisadores começaram a traçar um método científico para estabelecer a idade de uma árvore, através dos anéis de crescimento presentes em seu tronco. Esse estudo é chamado de Dendrocronologia, uma ciência em expansão, já que os estudos em florestas tropicais começaram há pouco mais de 30 anos. Na UFLA, pesquisadoras do Departamento de Ciências Florestais, em parceria com o professor David Stahle, da Universidade do Arkansas (University of Arkansas), dos Estados Unidos, e com o pesquisador Jochen Schöngart (INPA, Brasil), iniciaram em 2015, pesquisas a partir de anéis de árvores da Amazônia, com o objetivo de obter um mapeamento histórico jamais visto do clima da floresta.

Conforme explica a professora do Departamento de Ciências Florestais da UFLA Ana Carolina Maioli C. Barbosa, as plantas respondem a estímulos externos; por isso, quando as condições ambientais são adversas, a parte metabólica para e elas entram em dormência, tudo isso fica registrado anualmente em seus anéis de crescimento. “ A largura de um anel para outro é maior quando choveu muito naquele ano, e isso significa que a planta cresceu. Se o espaço entre um anel e outro é estreito quer dizer que ali houve um período de seca”, ilustra a doutoranda Daniela Granato de Souza, que coletou as amostras das árvores na Floresta Estadual do Paru, localizada no Estado do Pará. A exploração econômica sustentável dessa floresta é controlada pelo governo federal, e através de parcerias com empresas privadas, as amostras de discos completos que estão na UFLA puderam ser coletadas.

A dificuldade da dendrocronologia tropical se deve ao fato de a floresta abrigar muitas espécies de árvores com anatomias diferentes; por isso, trabalhos mais aplicados com relação ao crescimento dos anéis surgiram somente por volta do ano 2000. Para esses estudos realizados na universidade, o Cedro foi escolhido pelas pesquisadoras por ser uma espécie diretamente afetada pelas chuvas; além disso, sua disponibilidade no Brasil é ampla, podendo ser encontrado na Amazônia, Mata Atlântica, no Cerrado e na Caatinga. Foram coletadas cerca de 100 amostras de Cedro, das quais 60% foram aproveitadas para as gerar os dados que as pesquisadoras precisavam.

Segundo a orientadora do estudo professora Ana Carolina, os primeiros resultados da pesquisa mostraram-se promissores, já que o registro da variabilidade climática da Amazônia poderá ser usado para saber o histórico do clima e o que esperar das mudanças climáticas futuras “ A gente mostrou com esse trabalho que tivemos eventos de extremos climáticos que não estão registrados nos dados instrumentais, porque são de épocas anteriores aos dados disponíveis. ”

O primeiro artigo do projeto intitulado Tree rings and rainfall in the equatorial Amazon foi publicado em abril deste ano na Climate Dynamics. Os resultados obtidos no estudo dessas árvores da bacia Amazônia foram publicados no banco mundial de dados paleoclimáticos e podem ser acessados por pesquisadores de qualquer lugar do mundo. De acordo com a professora, muitos outros estudos ainda serão possíveis “As amostras que coletamos poderão ser utilizadas, por exemplo, para verificar a calibração da curva de carbono, e ainda para estudos sobre isótopos estáveis, que podem ainda fornecer outras informações climáticas dessa região. ”

Reportagem: Karina Mascarenhas- jornalista, bolsista Dcom/Fapemig

 

UFLA na mídia: professor fala ao Canal Rural sobre bagaço de cana como complemento à dieta de grão inteiro em ruminantes

O programa Giro do Boi, Canal Rural, entrevistou nesta segunda-feira (4/6) o professor do Departamento de Zootecnia (DZO) Márcio Machado Ladeira. Ele falou de pesquisas desenvolvidas na Universidade Federal de Lavras (UFLA) sobre o uso de dietas com grão de milho inteiro em confinamentos de bovinos de corte. Em um dos estudos, ficou demonstrado que o bagaço de cana pode melhorar o desempenho daqueles animais que recebem a dieta de grão inteiro nos confinamentos.

De acordo com o professor Márcio, a alternativa é indicada para os casos em que os produtores conseguem o milho a um preço acessível. A dieta de grão inteiro elimina a necessidade de processamento e mantém uma boa eficiência alimentar dos animais. Nesse caso, acrescentar o bagaço de cana como fonte de fibra permite aumentar também o ganho de peso. O bagaço de cana pode substituir 6% da quantidade de grão inteiro utilizada nas dietas. A pesquisa desenvolvida na UFLA envolve também acompanhamento de outros parâmetros, como avaliação da digestibilidade do amido e atividade da amilase pancreática pelos animais de diferentes raças (zebuínas, taurinas e cruzamentos), bem como nutrigenômica, qualidade da carne, entre outros.

Assista à entrevista

 

Dia Nacional do café: mais de cem profissionais da UFLA estão envolvidos em pesquisas da cafeicultura

A forte relação do café com a UFLA teve início em 1950. De lá para cá, muitos nomes importantes fizeram da Instituição uma das mais renomadas em pesquisas voltadas para a cafeicultura.

O café ocupou o quinto lugar no ranking das exportações do agronegócio brasileiro em 2017, de acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil. Minas Gerais é o maior estado produtor de café do País, correspondendo a 54,3% da produção nacional em 2017, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Por essas e outras razões, na Universidade Federal de Lavras (UFLA), o produto ganhou um setor próprio dentro do Departamento de Agricultura (DAG), que originou a atual Agência de Inovação do Café – InovaCafé.

O professor Rubens José Guimarães, representante da UFLA no Consórcio Pesquisa Café e um dos editores executivos da Revista Científica Coffee Science, explica que as pesquisas realizadas na UFLA, em parceria com diversas instituições, são suporte para os cafeicultores e suas famílias, principalmente devido às mudanças climáticas registradas atualmente.“ O produtor busca a solução, o apoio e a ajuda na universidade para sanar suas dúvidas e produzir, cada vez mais, com um custo menor e de maneira mais sustentável”.

Pensando nisso, ao longo do semestre, a Diretoria de Comunicação (DCOM) da UFLA vai trazer reportagens especiais sobre como o café está presente nos diversos departamentos da universidade.

 

Karina Mascarenhas- jornalista, bolsista Dcom/Fapemig.