Arquivo da tag: internacional

Já está disponível a edição 109 do Jornal UFLA – acesse a versão digital

A Diretoria de Comunicação (DCOM) da Universidade Federal de Lavras (UFLA) já disponibilizou a versão digital da primeira edição do Jornal UFLA deste ano. Acesse o conteúdo pelo link: https://bit.ly/JornalUFLA 

110 anos não cabem em poucas páginas

Por Ana Eliza Alvim

A UFLA chega, em 2018, aos seus 110 anos, com um saldo de centenas de boas histórias para contar, frutos de práticas e iniciativas de toda a comunidade acadêmica. Histórias que não caberiam nem em milhares de edições do Jornal UFLA. Mas esta edição traz temas que, de alguma forma, representam o conjunto das realizações que fazem do passado um motivo de orgulho e do futuro uma promessa otimista. Apesar de enfrentar obstáculos e desafios que estão presentes em qualquer organização pública, a UFLA é movida e marcada por suas conquistas, capazes de inspirar em servidores, estudantes e parceiros o entusiasmo, o desejo e a crença em dias ainda melhores.

É de uma pequenina parte dessas conquistas que o jornal deste trimestre trata. Pequenina parte, mas bastante representativa das tantas histórias que não cabem nestas páginas. São matérias que demonstram o quanto as ações institucionais trazem retorno para a sociedade, seja por meio do impulso à economia regional, com uma comunidade acadêmica crescente, seja por meio de um projeto de eficiência energética que traz reflexos positivos tanto para a gestão do recurso público quanto para as questões ambientais. É também uma atuação que dá ao País o maior cadastro geoambiental do mundo, viabilizando a promoção da restauração de áreas de mata degradadas, permitindo planejamento territorial e fornecendo informações para o controle social na área ambiental.

Projetos de grande magnitude se unem àqueles que nascem para combater dificuldades sociais muitas vezes ocultas sob o ritmo acelerado do dia a dia, como é o caso do Projeto Asas, que, com ações locais, lança bases para a transformação de paradigmas culturais e para garantia de maior acessibilidade aos surdos no município. A história da UFLA aqui representada também dá mostras da grandiosidade de seu passado, relembrado as memórias da maior feira de café do País, que teve na UFLA o marco de sua gênese, e trazendo as histórias de ex-moradores da moradia estudantil – conhecida como “Brejão”-, que se reuniram e deram o testemunho de que o já vivido é digno de comemoração.

Para finalizar, há textos aqui que sugerem que o futuro tem tudo para chegar efervescente. Os 17 mil jovens que estiveram na Universidade durante o UFLA de Portas Abertas representam os sonhos que a instituição mobiliza  – dos estudantes que por aqui ainda passarão e vão protagonizar novas histórias. O futuro está também na internacionalização dos programas de pós-graduação, que em pouco tempo podem configurar um novo cenário para a geração de pesquisas e para a qualidade da formação dos estudantes, com reflexos também para a cidade. O porvir de maior democratização do acesso à ciência foi anunciado em um evento – o Pint of Science – que apenas plantou suas sementes em Lavras, e tende a crescer.

É certo que o sucesso de muitas das ações desenvolvidas até aqui dependeram de fatores externos imprescindíveis ao funcionamento da Universidade, e é certo que a continuidade rumo a esse futuro de boas expectativas dependerá também desses fatores. De toda forma, a certeza que fica é de que, no que depender da comunidade UFLA, os próximos 110 anos farão jus a seus antecessores.

 

Pesquisa da UFLA é premiada em evento ao desmistificar movimento antivacinas

Com o alerta aceso para a queda dos índices de vacinação no Brasil e no mundo, pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA) desmistificaram um fenômeno sem base científica, mas que se populariza cada dia mais e ameaça a saúde:  o movimento antivacinas.

O estudo, realizado por estudantes de graduação de Medicina, sob orientação da professora do Departamento da Saúde (DSA) Cynthia Silva, foi apresentado recentemente pela estudante Júlia Rezende Ribeiro no Congresso Mineiro de Pediatria, onde recebeu o prêmio Ennio Leão. Desenvolvido com apoio da Liga Acadêmica da Saúde da Mulher e da Criança (Lasamc/UFLA), a pesquisa foi elaborada a partir de 22 artigos sobre o tema publicados em revistas científicas nacionais e internacionais, notas da Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Imunizações.  

Júlia explica que, contrário ao que prega os partidários da não imunização, pesquisas científicas confirmam as conquistas da vacinação na prevenção de várias doenças e redução da mortalidade.  “Graças às vacinas, doenças sérias e altamente contagiosas foram quase erradicadas. Algumas, como a varíola, praticamente não existem mais”, explica.

De acordo com Júlia , há diversos fatores que podem estar por trás do crescimento do movimento antivacinas. Um deles é o esquecimento de doenças sérias e fatais que foram controladas no passado pela imunização da população. “Algumas quase não são mais vistas hoje. Rubéola e a poliomielite, por exemplo, foram erradicadas no Brasil. Então, parte da população, principalmente aqueles que vivem em melhores condições socioeconômicas e de saúde, esquece dos benefícios da vacinação e enfoca apenas nos efeitos adversos”, critica.

Outro motivo da queda na vacinação é a disseminação de informações na internet. As redes sociais são um dos principais meios de propagação das ideias do movimento antivacinas, muitas vezes, atrelados a site e blogs com conteúdo de baixa credibilidade. “A população busca grande parte das informações médicas na internet, o que faz o movimento ganhar força entre os leigos no assunto. Por exemplo, pelo menos 13 mil pessoas integram um dos grupos fechados no Facebook sobre o tema”, informa.

Consequentemente, temerosos, muitos pais se recusam em vacinar seus filhos. As justificativas vão desde o medo das reações adversas da vacina, à crença de que a imunização adquirida com a doença seria melhor do que a adquirida com a imunização; além de que as políticas de vacinação são autoritárias e que as vacinas são fabricadas para gerar lucro para a indústria farmacêutica. 

No Brasil

Nos últimos anos, o movimento antivacinas no Brasil vem arrebanhado seguidores e explica o porquê da queda da cobertura de vacinação para doenças como caxumba, sarampo e rubéola ano a ano. Dados apurados pela estudante da UFLA apontaram redução nas taxas de vacinação em muitos dos estados brasileiros. “A taxa de imunização das camadas mais ricas chega a ser menor que entre os mais pobres”, conta a estudante de Medicina.

A tendência preocupa autoridades públicas e profissionais da saúde por causar risco de surtos e epidemias de doenças fatais.   “Quando uma pessoa deixa de ser vacinada, cria-se um grupo de pessoas suscetíveis a contrair a doença. Não é caso apenas de escolha pessoal, vira problema de saúde pública. Quem prefere deixar de se vacinar, coloca em risco aqueles que não podem ser imunizados, como pessoas com doenças imunossupressoras, crianças transplantadas e alérgicos a componentes das vacinas”, esclarece Júlia.

Foi o que aconteceu no Ceará e em Pernambuco entre 2013 e 2015. Por cerca de dez anos, o Brasil não tinha um único caso de sarampo autóctone (de origem local). Os poucos episódios decorriam de pessoas que vinham do exterior. Mas, em 2013, houve uma queda na vacinação de sarampo, seguida de um surto que se espalhou entre os dois estados.

O Brasil é reconhecido no mundo inteiro por seu programa de vacinação, que disponibiliza vacinas gratuitamente à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Criado em 1973, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) foi reforçado com a Constituição Federal de 1988, e, desde essa época, a cobertura das vacinas sem custos subiu de quatro para 27 tipos oferecidos. 

O Estatuto da Criança e do Adolescente ainda determina que os pais vacinem seus filhos de acordo com a faixa etária. “O problema é que o País não teve uma legislação firme. Se ninguém denunciar quem escolheu não se vacinar, a pessoa não é punida. É da autonomia de cada um”, avalia.

Movimento contagioso

O movimento antivacinas ganhou força no mundo a partir de 1997, quando o médico inglês Andrew Wakefield publicou um estudo que relacionava a vacina Tríplice Viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) ao autismo.

Vários estudiosos refizeram pesquisas científicas e nunca encontraram ligação entre essa vacina e o autismo. “Na verdade, foi provado por uma comissão de ética que o pesquisador fraudou dados de seu estudo”, lembra Júlia. Wakefield teve sua licença médica cassada e o estudo foi retirado das publicações.

No entanto, apesar do descrédito do estudo, a teoria se espalhou, sobretudo, na internet entre pais receosos de que a vacina pudesse causar problemas a seus filhos.

No Brasil, a onda antivacinas também ganhou visibilidade em 2014 quando, após vacinação contra HPV, algumas adolescentes associaram a imunização à paralisia dos membros inferiores. “Após estudos, não foi provada nenhuma relação entre os eventos de paralisia e a vacinação”, ressalta Júlia Rezende Ribeiro.

Pollyanna Dias, jornalista- bolsista Dcom/Fapemig  
Edição do Vídeo: Mayara Toyama – bolsista Dcom/Fapemig  

Orçamento participativo em Portugal: Professor da UFLA apresenta projeto para transformar Coimbra em “Cidade Azul”

O professor está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

 O professor do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) José Roberto Pereira inscreveu uma proposta no Programa de Orçamento Participativo de Coimbra, em Portugal. Dos 25 projetos concorrentes, 19 foram pré-selecionados e estão sob votação pela população local. Entre eles está o de autoria do professor da UFLA, que tem o objetivo de elevar Coimbra à categoria de Cidade Azul, por meio do selo concedido pela Blue Community, mesma organização que fez da UFLA a segunda universidade do mundo a ganhar o título de “Blue University”.

Os projetos que concorrem a uma vaga no orçamento participativo de Coimbra estão sob votação online, por meio da qual os habitantes locais podem se manifestar mediante autenticação do número do cartão de cidadão português. José Roberto fez em 12/6 a apresentação oral do projeto na Câmara Municipal de Coimbra (assista à apresentação). A divulgação e execução dos projetos vencedores ocorrerá a partir de 4/7. O aprovado receberá recursos para implementação da ideia.

As propostas candidatadas deveriam ter como prazo máximo de execução doze meses e um custo total igual ou inferior a 50 mil Euros. O projeto Cidade Azul pleiteia   o valor de 30 mil Euros e prevê realização de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) com alguns grupos de pessoas; realização de seminários, palestras e workshop com convidados estrangeiros; mapeamento dos pontos onde serão disponibilizadas as fontes de água ou bebedouros públicos no centro histórico; obtenção do selo azul junto ao Conselho dos Canadenses e divulgação internacional de Coimbra como cidade azul.

Sobre o movimento

Cidade Azul é um movimento global iniciado pelo Conselho dos Canadenses (Council of Canadians) para o uso justo e seguro da água, promovendo o trabalho de coalizões locais em todo o mundo. A “Cidade Azul” é aquela que adota estas 3 diretrizes comuns para o uso da água: 1- Que a água seja considerada um direito humano; 2- Que a água seja considerada um bem público sobre controle democrático; 3 – Que a “comunidade azul’ não utilizará água engarrafada em suas repartições públicas ou em eventos públicos, encorajando, sempre que possível, o uso da água distribuído pela empresa pública da localidade.

A estes três princípios segue-se uma igual distribuição da água e de seu tratamento responsável de forma a preservá-la para a natureza e as gerações futuras. Participar da Comunidade Azul significa adotar uma política ampla de redução do uso de garrafas plásticas e com isso reduzir o volume de lixo e poluição do meio ambiente. Várias cidades já fazem parte da Comunidade Azul, incluindo Paris, Berna, Berlim,  Cambuquira (Brasil) e  vários municípios do Canadá. Na avaliação do professor José Roberto, Coimbra já conta com uma excelente infraestrutura de saneamento e de qualidade da água, mas não adotou uma política pública da água como direito humano e para redução da venda de água engarrafada. “Assim, esta proposta ganha relevância ao tratar de um bem comum e de interesse público”, defende.

A pesquisa de pós-doutorado

José Roberto está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. A pesquisa que desenvolve é intitulada “Gestão social da água mineral: uma análise comparativa entre Brasil e Portugal”. O objetivo do estudo é compreender como a água mineral, um bem público, é gerenciada no âmbito dos municípios de Cambuquira (Minas Gerais, Brasil) e em um município de Portugal, levando-se em conta a configuração institucional, as esferas públicas que se formam em torno desse bem público e os interesses representativos do Estado, da sociedade civil e do mercado por meio do Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE), como método de diagnóstico para elaboração de projetos de extensão universitária.

O diagnóstico visa a obter informações e estabelecer o ponto de partida para um processo dialógico permanente com a população e com essas organizações no sentido de elaborar projetos de extensão universitária adequados à realidade local. A pesquisa busca, dessa forma, incrementar conhecimentos científicos e tecnológicos em termos de gestão social da água mineral no Brasil e em Portugal, desenvolver e aperfeiçoar o método de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) como tecnologia social e formar pessoas na universidade e na sociedade que possam aplicar seus conhecimentos em prol da construção do bem comum e do interesse público no que diz respeito à gestão social da água mineral.

Contribuição no texto: Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

Expediente nos dias dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo

A Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas (PRGDP) informa o horário de expediente da Universidade Federal de Lavras (UFLA), em caráter excepcional,  nos dias dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol, na Copa do Mundo FIFA 2018, de acordo com a portaria nº 174, de 21 de junho de 2018, do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

Conforme disposto na referida portaria, ficou estabelecido que:

I – nos dias em que os jogos se realizarem pela manhã, o expediente terá início a partir das 14h00 (horário de Brasília); e

II – nos dias em que os jogos se realizarem à tarde, o expediente se encerrará às 13h00 (horário de Brasília).

Parágrafo único. As horas não trabalhadas, em razão dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol, serão objeto de compensação, nos termos do inciso II do art. 44 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, até o dia 31 de outubro de 2018.

Art. 2º Caberá aos dirigentes dos órgãos e entidades, nas respectivas áreas de competência, a integral preservação e funcionamento dos serviços considerados essenciais.

Art. 3º Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional permanecerão em funcionamento nos horários de realização dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo FIFA 2018, a fim de possibilitar aos agentes públicos a realização de suas atividades.

Orientações com relação à graduação:

Pesquisador da UFLA trata de comércio direto entre cafeicultores e torrefadores/cafeterias

O agronegócio café apresenta diversos agentes e mecanismos que permeiam sua cadeia produtiva. Um deles, surgido recentemente, é o Direct Trade (Comércio Direto), que pode ser entendido como um modelo de negociação entre cafeicultor e torrefador/cafeterias, voltado mais especificamente à comercialização de cafés especiais, reduzindo agentes intermediários no processo.

Procurando aprofundar o tema, o pesquisador do Centro de Inteligência em Mercados (CIM), vinculado à Agência de Inovação do Café (InovaCafé) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Nilmar Diogo Reis, desenvolveu o estudo “O Direct Trade no agronegócio café: uma perspectiva de seus agentes”, objeto de dissertação de mestrado defendida em fevereiro de 2018, no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UFLA), sob orientação do professor Luiz Gonzaga de Castro Junior.  

Segundo Reis, o modelo do Direct Trade tem demonstrado substancial tendência de expansão – no Brasil e no mundo – no comércio de cafés de qualidade superior. “No entanto, falta um norteamento quanto à definição de quais são as premissas para atuação no segmento, seja da parte do cafeicultor, das torrefadoras e/ou das cafeterias, e até mesmo do intermediador estratégico, no caso as exportadoras, o que dificulta a comercialização”, ressaltou. Assim, a proposta do trabalho foi analisar, por meio da teoria da Economia dos Custos de Transação (ECT), quais premissas levam à atuação via Direct Trade.  

A pesquisa procurou analisar as características dos agentes, o modo que realizam suas transações, bem como o ambiente institucional em que ocorre a comercialização dos cafés especiais, propondo medidas que minimizem a ocorrência de custos transacionais elevados. “O Direct Trade permite uma estrutura de governança mais enxuta do que a cadeia do agronegócio café tradicional. Ele também reduz a possibilidade de ações oportunistas, já que a assimetria de informação tende a ser pequena, permitindo uma relação bilateral eficiente e ampliando a racionalidade dos agentes quanto às possibilidades de ganhos”, explicou.  

Pesquisa

Além de pesquisas documentais e bibliográficas, o trabalho contou com entrevistas presenciais com produtores Direct Trade da mesorregião do Sul de Minas, além de torrefadoras e cafeterias da mesma região e da Costa Leste do Estados Unidos (Nova Iorque). A intenção foi detectar, in loco, os comportamentos dos agentes e as relações frente a esse novo modelo de negócio.  

Como uma das constatações da pesquisa, foi possível observar que grande parte das aquisições feitas pelo Direct Trade não exige algum tipo de certificação (como FairTrade ou Rainforest Alliance), pois priorizam fatores como confiança, relação mútua entre os agentes, contatos a longo prazo, entre outros. Outra constatação está ligada ao desconhecimento de parte dos produtores em relação à qualidade e ao potencial de ganho de seus cafés. “Isso favorece ações oportunistas de agentes que complexificam as etapas de comercialização, diminuindo a lucratividade dos produtores”, pontuou.  

A pesquisa identificou, ainda, que mesmo sem a formalização por meio de contratos entre cafeicultores e torrefadoras e/ou cafeterias, foi possível obter altos valores pagos à saca de cafés especiais, o que têm robustecido a expansão da produção e venda via Direct Trade tanto no mercado interno como no exterior.    

Ascom Inovacafé

UFLA na mídia: curso de aperfeiçoamento em Cultura do Algodão é divulgado no Jornal da EPTV

Teve início na Universidade Federal de Lavras (UFLA) a terceira edição do Curso de Aperfeiçoamento “Capacitação e Transferência de Tecnologia na Cultura do Algodão” para países africanos. O Jornal da EPTV/Sul de Minas divulgou a visita que os 33 participantes – profissionais vindos do Malawi, Moçambique, Quênia, Tanzânia e Zimbádue – realizaram em Pouso Alegre e Monte Sião na última semana. Confira aqui a matéria. 

A capacitação é uma iniciativa da UFLA e da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE), com o apoio do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA) e da Associação Mineira dos Produtores de Algodão (AMIPA). Durante 90 dias, os participantes vão conhecer todas as etapas de produção do algodão, por meio de aulas teóricas e práticas, além de técnicas gerais na área de produção agrícola. O objetivo é impulsionar a geração de empregos e o aumento de renda, com consequente melhoria na qualidade de vida dos agricultores africanos.

 

UFLA na mídia: pesquisa sobre formas de recuperação de ambientes degradados em Mariana é destaque no G1 Sul de Minas

Uma pesquisa coordenada pela professora Soraya Alvarenga Botelho, do Departamento de Ciências Florestais da Universidade Federal de Lavras (DCF/UFLA), avalia se as espécies nativas da região de Mariana (MG) foram afetadas com o rompimento da barragem do Fundão, buscando saber se essas serão capazes de germinar, crescer e sobreviver adequadamente sobre o material constituído pela lama.

Apesar de a pesquisa ainda não ter sido concluída, alguns resultados já podem ser constatados. Segundo Soraya, os experimentos indicam que, a longo prazo, será possível a recuperação da área atingida pelos rejeitos em Mariana.

Confira as matérias completas em:

Dcom: https://bit.ly/2sz1zu0

G1 Sul de Minas: https://glo.bo/2MjSFbc

UFLA na Mídia: Pesquisa desenvolvida na UFLA é destaque no G1 e Jornal da EPTV

Pesquisadoras do Departamento de Ciências Florestais da UFLA, em parceria com o professor David Stahle, da Universidade do Arkansas (University of Arkansas), dos Estados Unidos, e com o pesquisador Jochen Schöngart (INPA, Brasil), iniciam em 2015, pesquisas a partir de anéis de árvores da Amazônia, com o objetivo de obter um mapeamento histórico jamais visto do clima da floresta.

A pesquisa desenvolvida pode ajudar a entender a influência do clima na região Norte, pela Floresta Amazônica, no Sul de Minas e outras partes do país. O estudo foi destaque nos jornais da EPTV (20/6) e G1 Sul de Minas (20/6). 

Confira as matérias completas em:

Dcom: https://bit.ly/2xOSDFZ

G1 Sul de Minas: https://glo.bo/2K2injC

Jornal da EPTV: https://bit.ly/2I76047

Ana Carolina, estagiária Dcom/UFLA

UFLA realiza homenagem aos 100 anos da Universidade de Wageningen

Estiveram presentes professores e estudantes da UFLA de distintas áreas

Professores e estudantes da Universidade Federal de Lavras (UFLA) realizaram o plantio de uma muda de pau-brasil na manhã desta quarta-feira (20/6) em comemoração aos 100 anos da Wageningen University and Research (WUR), na Holanda. Essa ação ocorreu em diferentes instituições parceiras da WUR, como uma forma de celebrar esse centenário.

A relação de cooperação acadêmica entre a Universidade de Wageningen e a UFLA ocorre há mais de 25 anos. Uma das primeiras parcerias internacionais da UFLA e uma das mais duradouras. Toda essa relação teve início com o professor José da Cruz Machado, do Departamento de Fitopatologia, após realizar o seu pós-doutorado na WUR.

Desde então, mais de 50 professores e estudantes da UFLA tiveram a oportunidade de estudar e realizar pesquisas na Universidade de Wageningen. “Esse plantio demonstra o nosso reconhecimento por aquela instituição que tão bem nos acolheu em um período de nossas vidas”, comentou o professor José Marcio Rocha Faria, do Departamento de Ciências Florestais, idealizador da ação.

Professor José Marcio

Além disso, a UFLA já recebeu mais de 15 estudantes da Universidade de Wageningen. “Tivemos dois estudantes da WUR que vieram para ficar um curto período conosco. Mas, gostaram tanto que resolveram estender o prazo, e hoje já estão finalizando o doutorado no Programa de Pós-Graduação em Microbiologia”, comentou o diretor de relações internacionais da UFLA, professor Antônio Chalfun Júnior, que também realizou seu doutorado na WUR.

O plantio foi realizado pelo professor José Marcio, o qual destacou a experiência que teve na Universidade de Wageningen, por quatro anos. “Nos agradecimentos da minha tese de doutorado, cheguei a escrever que na minha próxima encarnação desejo nascer na Holanda”, brincou. “Estar lá, foi uma experiência única. Agora, poderemos sempre nos lembrar desse momento ao ver essa árvore crescendo”.

Estudantes da UFLA estão entre os 50 maiores jovens liberais do Brasil

Gilberto Bergamin e Bárbara Dias

Os estudantes da Universidade Federal de Lavras (UFLA) Gilberto Bergamin e Bárbara Dias estão entre os 50 maiores jovens liberais do Brasil, segundo a lista dos TOP 50 líderes do Students for Liberty Brasil (SFLB). Os estudantes são membros do Clube Libertas, grupo liberal da Universidade fundado em 2016.

Segundo Gilberto Bergamin, fundador do Clube Libertas, atual diretor geral e vice-coordenador estadual do SFLB “o destaque de dois membros representa um reconhecimento nacional do desenvolvimento de tantos outros por trás do Clube. Desde 2016, acompanhamos a crescente do liberalismo na UFLA alinhado aos frutos de um trabalho sério’’. Também de acordo com Bárbara Dias, conselheira da Diretoria de Cines e Documentários e coordenadora local sênior do SFLB “é indescritível a sensação de saber que, juntamente do meu amigo e vice coordenador estadual, meu nome está entre as TOP50 lideranças do País. As expectativas para o evento são altas e será uma oportunidade incrível de crescimento profissional”.

Os estudantes contemplados ganharão um treinamento em São Paulo, entre os dias 11 e 14/8, com todas as despesas pagas, incluindo passagem aérea de ida e volta, alimentação e hospedagem. Os cursos oferecidos serão ministrados por grandes nomes do empreendedorismo brasileiro, como Leandro Narloch, jornalista e best-seller nacional; Raphael Lima, dono do canal Ideias Radicais; Felipe Camozzato, fundador da Banda Loka Liberal; Helio Beltrão, presidente e fundador do Instituto Mises Brasil, e Raduan Melo, fundador da PWR Gestão.

Ana Carolina, estagiária Dcom/UFLA.