Constelações indígenas são tema de pesquisa de TCC de estudante da UFLA

Não foram apenas os gregos que observaram o céu e identificaram constelações; ao contrário, diversas culturas enxergaram nas estrelas diferentes formas, e se guiaram por elas seguindo princípios astronômicos. Assim também ocorreu com os povos indígenas brasileiros que, de acordo com pesquisa realizada pela estudante Cibelly Pereira Ferreira (Ciências Biológicas), conseguiram medir o tempo e se orientar baseando-se nas estrelas.

“Há aproximadamente 30 constelações indígenas descritas. Um trabalho pioneiro nesse sentido foi feito em 1612, pelo missionário francês Claude d’Abbeville, que passou um período entre os Tupinambás”, conta. Dessas, duas destacam-se, inclusive no trabalho desenvolvido pela estudante: as constelações da Ema e do Homem Velho.

 “São constelações fáceis de serem vistas, mas de grande complexidade, formadas inclusive pelas regiões claras e escuras da Via Láctea”, explica Cibelly. A aparição da Ema marca a chegada do inverno e das estações secas no Brasil, enquanto o Homem Velho torna-se visível no verão, marcando a época das chuvas. Observando isso, os povos indígenas previam o clima e planejavam-se com relação às atividades de cultivo.

Acredita-se também que os indígenas observaram o movimento dos planetas e a influência das fases da lua sobre o comportamento dos animais, por exemplo. Ainda, desenvolveram relógios solares. As constelações Tupinambás se assemelharam a de outras tribos, como a dos Guaranis, mesmo com a distância geográfica e diferenças culturais entre os povos. 

O trabalho é orientado pelos docentes Karen Luz e Jose Nogales, ambos do Departamento de Física da UFLA (DFI). Para a estudante, há grande importância em resgatar e divulgar a cultura indígena: “Esquecemos, às vezes, a cultura que havia no Brasil, bonita e profunda. Então, é necessário que se estude e se saiba mais sobre o que havia aqui. Esse conhecimento, tão vasto e bonito, deve ser passado para os nossos filhos, para que a nossa cultura e identidade não seja perdida ao longo do tempo”.

Núcleo de Divulgação Científica