Confira a nova programação da 3ª Semana de Planejamento e Formação Docente

A Pró-Reitoria de Graduação (PRG), por intermédio da Diretoria de Avaliação e Desenvolvimento de Ensino (Dade) e com apoio da Diretoria de Educação a Distância (Dired) realizará entre os dias 12 e 15 de março a 3ª Semana de Planejamento e Formação Docente, com o tema “Refletindo sobre a nossa Graduação: desafios e possibilidades para inovação”. As inscrições devem ser realizadas no Sistema Integrado de Gestão (SIG). 

O evento dá seguimento às ações de planejamento e formação continuada dos docentes da UFLA e visa promover reflexões sobre os desafios e as possibilidades de inovação dos cursos de graduação, além de proporcionar um espaço de troca de experiências sobre currículo e projeto pedagógico,

A Semana envolverá discussões de diversas temáticas, como processos avaliativos (internos e externos); Enade e os novos instrumentos de avaliação de cursos de graduação; planejamento docente; inovação curricular e Projetos Pedagógicos; realização de oficinas diversas, entre outros.

Confira aqui a programação da Semana de Planejamento e Formação Docente 

Professora da UFLA fala sobre a relação entre o salmão e o ômega 3

Presente na mesa de muitos brasileiros, principalmente nesta época, o peixe é um aliado na busca por uma alimentação saudável.  Segundo publicações especializadas, a estimativa para 2018 é de que as vendas de peixes e frutos do mar na quaresma cheguem a crescer 50% em relação ao ano passado. A coordenadora do Núcleo de Estudos em Aquacultura (NAQUA), da Universidade Federal de Lavras (UFLA), professora Priscila Vieira e Rosa, explica que o consumo tem crescido no Brasil: “Temos uma conscientização maior do consumidor nos últimos anos de ter uma alimentação mais saudável e também um incentivo maior ao consumo por meio do extinto Ministério de Pesca e Aquicultura, que realizou várias campanhas para aumentar o consumo de pescado. Vale ressaltar que o consumo per capta ano no Brasil gira em torno de 11kg/habitante/ano, aquém do preconizado de OMS, que é de 15 kg/habitante/ano e muito abaixo do consumo Europeu, que gira em torno de 22 kg/habitante/ano. ”

Ainda de acordo com a especialista, o aumento do consumo do pescado é extremamente importante, já que o peixe tem um alto teor nutritivo: “O peixe é fonte de proteínas, minerais, vitaminas e principalmente de lipídeos. O perfil lipídico dos peixes se diferencia dos outros produtos de origem animal, pois tem uma proporção maior de ácidos graxos insaturados, que promovem uma melhor digestão, sendo esse um benefício adicional à saúde. Além disso, alguns peixes têm uma grande concentração de ácidos graxos essenciais da série ômega 3, uma característica exclusiva do pescado. O ômega 3 atua no metabolismo e na fisiologia do nosso organismo, e deve ser um complemento à alimentação humana.”

Um dos peixes mais apreciados pelos brasileiros, incluindo os mineiros, é o salmão. Um estudo da Diretoria da Aquicultura e Pesca da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento mostrou que o salmão, seguido da merluza e do bacalhau, são os peixes importados de maior preferência em Minas Gerais. Já a tilápia é a principal espécie consumida no estado. O grande sucesso do salmão na mesa dos consumidores é devido às recomendações desse peixe como fornecedor de ômega 3, que possui uma grande concentração de ácidos graxos da série n-3 e principalmente pela expansão de pratos japoneses, que geralmente são preparados com essa espécie.

Mas será que o salmão possui realmente tanto ômega 3 quanto dizem? A professora Priscila explica: “ A deposição dos ácidos graxos no corpo é reflexo da composição dos ácidos graxos dos alimentos que o peixe ingere, ou seja, se ele tem na ração ômega 3, ele vai depositá-los na carcaça. Em rações para peixes carnívoros, como é o caso do salmão, até 10 anos atrás, utilizava-se na ração a farinha e/ou óleo de peixe na sua formulação. Consequentemente, ele depositava os ácidos graxos ômega 3 na carcaça. Como a farinha ou o óleo de peixe é caro, além de ser uma fonte finita, os nutricionistas de peixes trabalharam para substituí-los por fontes vegetais, como a soja e o milho, e como essas fontes são ricas em ácidos graxos ômega 6, as concentrações de ácidos graxos ômega 6 aumentaram e de ômega 3 reduziram praticamente à metade; por isso, essa recomendação da ingestão de ômega 3 baseada no consumo do salmão deve ser revista, explica Priscila.

Atualmente, a maior parte do salmão que consumimos é criada em cativeiros, principalmente no Chile, Canadá, Estados Unidos e norte da Europa. O salmão selvagem é proveniente do Alasca e da Rússia. A professora explica que, no caso do salmão selvagem, a captura só é permitida após o período reprodutivo, quando as reservas de gordura do peixe estão reduzidas e, consequentemente a concentração dos ácidos graxos ômega 3 é mais baixa.

Uma outra dúvida que muita gente tem é com relação à cor do salmão. “Em ambiente natural, o salmão consome alimentos que possuem pigmentantes e o depositam na carne. Já no salmão de cativeiro, nós colocamos pigmentante, o mesmo utilizado na avicultura, e ele vai depositar essa cor, que não faz nenhum mal para a saúde”, enfatiza a especialista.

A pesquisadora destaca que no Brasil não há a produção de salmão, mas há muitos peixes tropicais de água doce disponíveis no território nacional que possuem a capacidade de converter os ácidos graxos ômega 3, precursores com 18 carbonos, presentes em alguns óleos vegetais, como a linhaça, por exemplo, nos ácidos graxos fisiologicamente essenciais ômega 3, como o ácido eicosapentaenoico (EPA) e ácido docosaexaenoico (DHA) e depositar na carcaça. “Essa é uma das linhas de pesquisa que são estudadas na UFLA. Nosso objetivo é colocar no mercado brasileiro uma opção de pescado, como a tilápia e o tambaqui, com uma concentração maior de EPA e DHA e com alto teor de ômega 3”, enfatiza.

Consumo na quaresma

De acordo com o proprietário de uma peixaria em Lavras, a venda de peixes na quaresma aumentam cerca de 30%, chegando a dobrar na Semana Santa. A espécie mais procurada é a Tilápia, principalmente como filé, seguido do Salmão e da Sardinha. Por semana, são comercializados no local (atacado e varejo), em média, 350 quilos de salmão vindos do Chile. Por ser importado, o preço varia conforme a cotação do dólar.

 

 

Imagens e Texto Karina Mascarenhas, jornalista- bolsista Fapemig/Dcom.

Edição: Mayara Toyama – bolsista Fapemig/Dcom.

DAE recebe visita de professora da Purdue University

Nessa segunda-feira (26/2), o Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) recebeu a visita da professora Ariana Torres Bravo, do Departament of Agricultural Economics and Horticulture – Purdue University de Indiana, EUA, acompanhada da ex-aluna da UFLA e Purdue Fabiana Cardoso.

Em reunião, realizada na sala da chefia do DAE, com a participação do chefe do Departamento, professor Renato Fontes, do subchefe, professor Antônio Carlos e os professores Paulo Henrique Leme, Thiago Assis e Luis Henrique Vilas Boas, juntamente com o Diretor de Relações Internacionais (DRI/UFLA) professor Antônio Chalfun, foram apresentados os trabalhos e as linhas de pesquisa do Departamento que resultaram em diversas possibilidades de intercâmbio entre as Instituições, em pesquisas em conjunto, apoio mútuo em projetos e recebimento de estudantes de graduação e pós graduação, além do intercâmbio entre professores.

O professor Chalfun informou que a UFLA já possui uma interação oficial com Purdue, o que facilita esta nova integração, ressaltando a importância da internacionalização que é ponto estratégico para a Universidade.  

A professora Ariana Torres, ressaltou que está no Brasil em busca de parcerias e que a UFLA sempre foi muito bem representada por sua comunidade acadêmica presente em Purdue. Atualmente, ela deseja ter maior interação na área da economia agrícola.

O professor Renato Fontes ressaltou a importância da UFLA no desenvolvimento do agronegócio nacional e internacional e ressaltou a importância dessa interação entre as universidades, que possibilita ganhos sinérgicos para ambas.

Inscrições para o cursinho pré-vestibular gratuito (Pré-Uni) irão de 5 a 23 de março de 2018

As inscrições para o cursinho pré-vestibular da UFLA, o Pré-Uni, estarão abertas durante o mês de março – do dia 5 ao dia 23. Para participar da seleção, o candidato deve comparecer à Secretaria do Pré-Uni, no prédio do Centro de Treinamento, no Campus Histórico da UFLA, das 18h30 às 22h30, portando cópia (xerox) dos documentos de identidade, CPF e comprovante de residência atualizado (até três meses de validade).

Poderão participar candidatos em situação de vulnerabilidade socioeconômica, que já tenham concluído ou estejam terminando em 2018 o 3º ano do ensino médio em escolas públicas e sejam residentes em Lavras.

O Pré-Uni é um cursinho pré-vestibular gratuito, fruto de parceria entre a UFLA (por meio da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura – Proec) com a Prefeitura Municipal de Lavras. O curso tem como objetivo preparar jovens e adultos para o ingresso no ensino superior, com aulas ministradas por graduandos e pós-graduandos da UFLA, no câmpus universitário.

As aulas (de Português, Redação, Matemática, Química, Física, Biologia, História e Geografia) serão ministradas no período da noite. A data prevista para o início das aulas é 7 de maio e o término, 1º de novembro.

Mais informações sobre o Pré-Uni: (35) 3829-1590 ou pelo e-mail: preuni@proec.ufla.br.

O Pré-Uni também está recebendo currículos de estudantes interessados em ministrar aulas. Saiba mais aqui.

 

Fórum Sul Mineiro de Educação Infantil inicia atividades em 2018 – UFLA sediará próximo encontro

No dia 22/2, foi realizado o primeiro encontro de 2018 do Fórum Sul Mineiro de Educação Infantil (FSMEI), coordenado pela professora do Departamento de Educação da UFLA (DED), Cláudia Ribeiro. O evento ocorreu em Nepomunceno, contando com a participação de representantes das cidades de Santana do Jacaré, Lavras, Boa Esperança, Alpinópolis, Coqueiral, Paraguaçu, Três Corações, Campanha, Santo Antônio do Amparo, Bom Sucesso, Carmo da Cachoeira, São Bento Abade e Três Pontas. O próximo encontro, programado para 22/3, será realizado na UFLA.

O tema que norteou as discussões do 132º FSMEI foi “Viver sem Violência é um Direito”, desencadeado pela apresentação de um teatro/dança de jovens da E.E. Joaquim Ribeiro e a leitura do manifesto “Sem apostilas! A favor da fantasia e imaginação das crianças! A favor das interações, brincadeiras e das experiências étnico raciais das crianças, na construção de seus saberes.” Este manifesto foi elaborado pelo Fórum Mineiro de Educação Infantil. Tanto o teatro como o manifesto subsidiaram o debate nos pequenos grupos com questões norteadoras.

Na oportunidade, os municípios também avaliaram os encontros de 2017 e planejaram o ano de 2018, com o calendário de reuniões:

Maio – Três Corações –  Leitura e Escrita na Educação Infantil;
Junho – Alpinópolis – Direitos das Crianças;
Agosto – Lavras – Rede de Proteção às Infâncias;
Setembro – Santo Antônio do Amparo – Inclusão na Educação Infantil;
Outubro – Três Pontas – (Tema a definir)
Novembro – São Bento Abade – Interação Escola/Família.

Segundo a coordenadora do FSMEI, professora Cláudia Ribeiro, há 20 anos o fórum se faz presente, firmando vínculo profissional com os compromissos da Educação Infantil com reuniões mensais e itinerantes, mobilizando e articulando com outras instâncias efetivando assim compromissos ético e políticos com a Educação Infantil. Ela explica que os encontros em 2018 serão planejados na importância de todas e todos terem voz, ampliando as discussões.

Além da professora Cláudia Ribeiro, que recentemente assumiu a coordenação do projeto, fazem parte do Comitê Gestor a mestranda em Educação na UFLA, professora Dulcineia Ribeiro, a coordenadora da Educação Infantil da Secretaria de Educação de Lavras, Cynthia Mara Maximo Buscaccio, e a secretária de Educação de Nepomuceno, Valquiria Andrade.

Também compareceram ao evento a prefeita de Nepomuceno, Luiza Maria Menezes, além dos secretários e secretárias de Educação de Boa Esperança, Campanha, Santo Antônio do Amparo, São Bento Abade, Paraguaçu.  O material que inspirou e ilustrou o 132º FSMEI foi o livro da professora Constantina Xavier – Tina Xavier – da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, cuja expressão está na capa “Viver sem violência é um direito”.

 

Segunda chamada para o curso de Pedagogia Bilíngue EAD – confira a lista dos selecionados

Nesta segunda-feira (26/2), o Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines/MEC) divulgou a segunda chamada do processo seletivo do curso de Pedagogia Bilíngue – Licenciatura EAD, para ingresso no primeiro semestre de 2018. Os candidatos selecionados para o polo da UFLA devem realizar a matrícula na Diretoria de Educação a Distância, no câmpus histórico, entre os dias 27/2 e 28/2, das 8h às 18h. 

Confira aqui a lista dos selecionados na 2ª chamada. 

No ato da matrícula, o candidato deverá apresentar cópia simples dos seguintes documentos:

  1. Comprovante de conclusão do Ensino médio – Histórico Escolar e Certificado de Conclusão, ou declaração de conclusão do ensino médio, acompanhada do Histórico Escolar;
  2. Certidão de nascimento ou de casamento;
  3. Carteira de identidade (RG) ou CPF;
  4. Comprovante de endereço com CEP;
  5. Uma foto 3×4 recente;
  6. Certificado de Reservista, atestado de alistamento militar ou atestado de matrícula em CPOR ou NPOR, para os brasileiros maiores de 18 anos do sexo masculino;
  7. Título de Eleitor, para os brasileiros maiores de 18 anos;

*Os candidatos surdos devem entregar todos os documentos requeridos acima, juntamente com laudo médico comprobatório de surdez, contendo assinatura, carimbo e CRM do médico, acompanhado do exame de audiometria realizado nos últimos seis meses.

A falta de qualquer um dos documentos exigidos implicará a perda do direito à matrícula.

Os candidatos aprovados deverão realizar a matrícula pessoalmente ou representado por outra pessoa mediante procuração simples, acompanhada da documentação exigida.

Veja detalhes da matrícula no edital em Libras

O curso bilíngue de Pedagogia na modalidade EaD foi concebido dentro do “Plano Nacional dos Direitos da Pessoal com Deficiência – Viver sem Limites”. A responsabilidade pela implementação do projeto é do Ines, assumida a partir de um convite do Ministério da Educação (MEC). A UFLA é um dos 12 polos no Brasil a oferecer a modalidade.

Em dezembro de 2017, o curso venceu o Reimagine Education 2018, prêmio que é considerado o “Oscar” da Educação Mundial. Além de conquistar o primeiro lugar na categoria “Educação Híbrida”, quando o curso é ofertado misturando as duas modalidades, online e presencial, o projeto brasileiro alcançou a primeira colocação na categoria geral, com a proposta mais inovadora nas áreas de tecnologia e educação do mundo.

UFLA realizou colação de grau dos Cursos EaD – Confira as fotos

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) promoveu sábado, 24 de fevereiro, a colação de grau dos formandos dos cursos de Educação a Distância 2017-2: Administração Pública, Filosofia, Letras-Português, Letras-Inglês e Pedagogia.

Em duas solenidades, mais de 160 estudantes receberam seus certificados de conclusão de curso, sendo prestigiados pela família e amigos. Para a formanda Amanda Isabel Machado Costa, da cidade de Piumhi, o curso EaD de Administração Pública superou suas expectativas. Ela enfatizou que esta é uma grande oportunidade para aqueles que assim como ela, já trabalham na área, destacando que o ensino à distância exige muito mais do aluno. “ Para quem tem a ilusão de que o curso a distância é mais fácil está totalmente enganado”, comentou.

Os juramentos foram prestados pela formanda do curso de Letras-Português: Camila Hosana Nunes de Oliveira e Gislaine Consuelo dos Santos Acevedo do curso de Pedagogia. Em um discurso emocionante a oradora oficial da turma de Pedagogia Débora Goulart da Silva Duque, que mora em Ribeirão das Neves, falou sobre as dificuldades enfrentadas pelos estudantes, muitos já pais e mães que conciliaram o estudo com trabalho e a família. Segundo ela, Pedagogia era um sonho antigo que não teria sido realizado se não fosse a EaD. Já a Bacharel em Administração Pública, Ângela Cristina Alves de Almeida, também oradora oficial, destacou a trajetória daqueles que hoje conseguiram com grande esforço o diploma em uma universidade renomada como a UFLA.

As cerimônias foram conduzidas pelo pró-reitor de Graduação, professor Ronei Ximenes Martins, acompanhado do diretor de Educação a Distância da UFLA professor Cleber Carvalho de Castro, da secretária dos Conselhos Superiores da Universidade Ione Dias Bertolucci e, pelos patronos e coordenadores de cursos: professores André Luís Ribeiro Lima (patrono Administração Pública); André Chagas Ferreira Souza (patrono e coordenador curso Filosofia); Valter Pereira Romano (coordenador ajunto Letras e patrono das turmas); Erica Alves Barbosa Medeiros Tavares (coordenadora curso Pedagogia), e Liliane Henrique Torres (patronesse da turma de Pedagogia).

Entre as homenagens houve a entrega da medalha e do certificado de mérito acadêmico aos formandos que obtiveram o melhor desempenho em cada curso, alcançando a maior pontuação no CRA. Rafael Marques Rodrigues bacharel em Administração Pública, Luiz Sergio Mafra do curso de Filosofia e Débora Goulart da Silva Duque licenciada em Pedagogia foram os agraciados.

O professor Ronei Ximenes Martins parabenizou os formandos pela conquista e destacou a importância do ensino público de qualidade no Brasil “ Vocês representam uma minoria e essa jornada os torna duplamente privilegiados.”

Confira as fotos das solenidades:

Texto e fotos: Karina Mascarenhas, jornalista- bolsista Fapemig/Dcom.

Dicas de Português: Confira algumas dicas de português para não “escorregar” no trabalho (3)

1- A par / ao par

Errado: Ele já está ao par do ocorrido.

Certo: Ele já está a par do ocorrido.

 

Por quê? No sentido de estar ciente, o correto é “a par”. Use “ao par” somente para equivalência cambial. Ex: “Há muito tempo, o dólar e o real estiveram quase ao par.”

2- “Quite” / “quites”

Errado: O contribuinte está quites com a Receita Federal.

Certo: O contribuinte está quite com a Receita Federal.

 

Por quê? “Quite” deve concordar com o substantivo a que se refere.

3 -“Através” / “por meio”

Errado: Os senadores sugerem que, através de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.

Certo: Os senadores sugerem que, por meio de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.

 

Por quê? Por meio significa “por intermédio”. Através de, por outro lado, expressa a ideia de atravessar. Ex: Olhava através da janela.

4 – “Ao meu ver” / “A meu ver”

Errado: Ao meu ver, o evento foi um sucesso.

Certo: A meu ver, o evento foi um sucesso.

 

Por quê? “Ao meu ver” não existe.

 

5 – “Visar” / “Visar a”

Errado: Ele visava o cargo de gerente.

Certo: Ele visava ao cargo de gerente.

 

Por quê? O verbo visar, no sentido de almejar, pede a preposição a. Obs: Quando anteceder um verbo, dispensa-se a preposição a. Ex: Elas visavam viajar para o exterior.

6- A /” há “

Errado: Atuo no setor de controladoria a 15 anos.

Certo: Atuo no setor de controladoria há 15 anos.

 

Por quê? Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver. O a, como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância. Exs: Falarei com o diretor daqui a cinco dias. Ele mora a duas horas do escritório.

 

Fonte: www.qualconcurso.com.br

 

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

 

 

Cafeteria Escola da UFLA divulga processo seletivo para vivência profissional

Até 16 de março, fica aberto o prazo de inscrições para a vivência profissional da Cafeteria Escola CafEsal, projeto da Agência de Desenvolvimento do Café (InovaCafé) da UFLA. Esse projeto dá ao aprendiz a oportunidade de vivenciar a rotina de uma cafeteria, desde a preparação de espressos e bebidas derivadas do café até os processos de gestão de um negócio.

Podem participar do processo seletivo pessoas acima de 18 anos, que tenham vínculo com a UFLA (estudantes de qualquer grau acadêmico, professores e servidores). O período de vivência será de oito semanas, indo de 19/3 a 4/5, e exige dedicação de no mínimo 8 horas semanais de atividade. Ao final, o participante receberá certificação.

Os interessados devem enviar um e-mail para cafesalcafeteria@gmail.com, contendo Termo de Compromisso, resumo do currículo, disponibilidade de horários e resposta à pergunta: “O que você espera vivenciar na Cafeteria Escola CafEsal?”. A inscrição é gratuita e a vivência é voluntária, com finalidade educacional.

A gestora da CafEsal, Emanuelle Aparecida Costa, destaca a vivência como um período de aprendizado: “É uma experiência muita rica que permite aos envolvidos aprender sobre cafés de qualidade e receber treinamento de barista, que é o profissional especializado em cafés de alta qualidade e capacitado para o preparo de bebidas derivadas do café. Também destaco a possibilidade de aprender noções ligadas à parte gerencial de um empreendimento”.

Sobre a CafEsal
A Cafeteria Escola da UFLA foi aberta em 2016 com a proposta de educar, conscientizar e promover conhecimento sobre cafés de qualidade. Fica no Centro de Convivência e conta com equipe multidisciplinar formada por estudantes voluntários e bolsistas.

Acesse

Com informações da Ascom InovaCafé

 

Polinização artificial na pitaia garante melhor qualidade das frutas na colheita e rentabilidade ao produtor

Método já utilizado em outras frutas é tema de pesquisas na UFLA

O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo, de acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA); por isso a fruticultura é um dos setores de maior destaque do agronegócio brasileiro. O cultivo de frutíferas de espécies exóticas como a pitaia vem ganhado espaço nos pomares, assim como as tecnologias desenvolvidas por pesquisadores para aumentar a produção e melhorar a qualidade do produto final.

Uma técnica já comum em outras frutíferas, como o maracujazeiro e a graviola, vem sendo utilizada também na pitaia por pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA): a polinização controlada, manual ou artificial. As flores da pitaia são grandes, medindo aproximadamente 30 cm de comprimento, com uma coloração branca e creme. A floração na região de Lavras ocorre a partir do final de outubro e vai até abril aproximadamente; a antese dessa frutífera, ou seja, a abertura das flores tem início a partir das 19h, prolongando-se até às 8h do dia seguinte.

A intenção da polinização artificial na pitaia, de acordo com o professor do Departamento de Agricultura da Universidade Federal de Lavras (DAG/UFLA), José Darlan Ramos, é garantir maior pegamento, melhor qualidade das frutas e, consequentemente, resultar em uma maior produtividade. Isso porque alguns fatores dificultam sua polinização, como a distância entre estigma e estames, influência climática e até mesmo ausência de polinizadores naturais, como as abelhas. “Quando ocorrem chuvas, a polinização é inviabilizada, além de não ocorrer a posterior fecundação; outro detalhe é que o estigma (parte feminina da flor) fica muito acima dos estames (que é a parte masculina); então, há necessidade de transportar esse pólen e a polinização artificial assegura o melhor pegamento das frutas, e melhoria na qualidade, tanto na aparência quanto no tamanho.”

Atualmente, na UFLA, há dois experimentos sendo realizados sobre polinização, um deles tem como objetivo avaliar o tipo de polinização (autopolinização, polinização natural, autopolinização controlada e a polinização cruzada) em pitaia de casca vermelha e polpa branca, e na de casca vermelha e polpa vermelha, ambos conduzidos pelo doutorando Ellison Rosário de Oliveira. O pesquisador explica como é feito o procedimento “As flores são ensacadas com sacos de TNT (tecido não tecido) com dimensão de 45 x 28 cm na tarde anterior à antese. Na manhã após a antese, as flores são desensacadas e, com auxílio de pincel, o pólen é colocado no estigma da flor, e, em seguida, a flor é novamente ensacada para evitar a interferência de agentes externos.” Ainda segundo Elisson, a polinização artificial é uma técnica simples, e pode ser aplicada pelos pequenos produtores; já que o pólen de seis flores, por exemplo, é suficiente para polinizar até 40 outras flores.

Como a abertura das flores (antese) da pitaia ocorre no período da noite, o outro experimento de Elisson tem a intenção de avaliar o melhor horário para a realização da polinização nos dois tipos de pitaia, dando aos produtores um maior suporte acerca do melhor momento para efetuar essa polinização. Por isso, a técnica de autopolinização controlada tem sido feita durante o período das 19h às 7h, sendo utilizada para o ensacamento das flores a mesma metodologia da primeira pesquisa. Os dois experimentos ainda estão em fase de condução e a avaliação e previsão de conclusão são para agosto deste ano.

Texto: Karina Mascarenhas, jornalista- bolsista Fapemig/Dcom.

Imagens e vídeo: Mayara Toyama – bolsista Fapemig/Dcom.