Defendida primeira tese produzida em dupla titulação com a Universidade de Copenhague

Na sexta-feira (10/3), foi realizada a defesa, na Universidade Federal de Lavras (UFLA), da primeira tese de doutorado produzida em dupla titulação com a Universidade de Copenhague, na Dinamarca. A pesquisa “The Use of Lignocellulosic Byproducts and Cellulose Nanocrystals within Particleboard Production” foi desenvolvida pelo doutorando Ricardo Gabriel de Almeida Mesquita, no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira.

Ricardo permaneceu um ano na instituição dinamarquesa, por meio do programa Ciência sem Fronteiras. Nesse período, com a celebração do acordo que tornou possível a dupla titulação UFLA/Universidade de Copenhague, adaptou seu calendário de atividades acadêmicas para obter o título. “Foi uma experiência gratificante e recomendo-a a todos os estudantes que tiverem essa oportunidade. Aprendemos muito; aprendemos por ser outra cultura, avançamos no inglês, ficamos mais preparados para o mercado de trabalho, e melhoramos a qualidade final do trabalho científico, porque temos acesso a outros equipamentos e ampliamos o contato com professores que trabalham em perspectivas diversificadas.”

Paineis particulados produzidos durante a pesquisa.

A tese

O trabalho envolveu a produção de painéis MDP tendo como matérias-primas partículas de Eucalyptus, conjugadas a filamentos de sisal, filamentos de coco ou partículas de bagaço de cana. Após a produção, foram avaliadas nos painéis propriedades como a absorção de água, densidade, propriedades térmicas e outras. Entre as principais observações está o fato de que os painéis reforçados com coco apresentaram potencial favorável, com propriedades similares aos painéis confeccionados somente com partículas de Eucalyptus. O mesmo foi observado em relação aos painéis reforçados com bagaço de cana. A produção desses materiais contribui para o desenvolvimento da sustentabilidade, já que os filamentos de coco são geralmente descartados nas praias.

A banca

A banca de avaliação contou com a presença da pesquisadora da Faculdade de Ciência da Universidade de Copenhague Lisbeth Garbrecht Thygesen. Além dela, integraram a banca o professor da Universidade de São Paulo (USP) Holmer Savastano Júnio (presidente), os professores do Departamento de Engenharia da UFLA (DEG) Juliano Elvis de Oliveira, Giovani Francisco Rabelo e Luciana Barbosa de Abreu, além dos professores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Amélia Guimarães Carvalho e Antônio José Vinha Zanuncio.

O orientador da pesquisa na UFLA foi o professor Lourival Marin Mendes. Já na universidade dinamarquesa o orientador foi o professor Anand Ramesh Sanadi. Já como coorientadores atuaram José Manoel Marconcini (da Embrapa Instrumentação) e Gustavo Henrique Denzin Tonoli (da UFLA). Para abertura das atividades de defesa, estiveram presentes o Diretor de Relações Internacionais da UFLA, professor Antônio Chalfun Júnior, e o assessor da Reitoria para Desenvolvimento Acadêmico Márcio Machado Ladeira. Eles realçaram a importância da parceria entre a UFLA e a Universidade de Copenhague e aproveitaram para incentivar os demais estudantes presentes a aproveitarem as portas abertas pela internacionalização.

Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira

O Programa tem conceito 5 atribuído pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e trabalha com aspectos relacionados à madeira e sua utilização, como o baixo impacto ambiental, a boa adequação como material de aplicação em construções, móveis, energia e outros segmentos. A proposta é que ao final do curso o pós-graduando domine as técnicas de investigação na área e proponha a utilização das madeiras em bases sustentadas.

É uma área que atende a profissionais de Engenharia Florestal, Engenharia Industrial Madeireira, Tecnologia da Madeira, Engenharia Agrícola, Agronomia, Engenharia Civil, Arquitetura, Design, Química, Engenharia Química, Engenharia Mecânica, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica e profissionais de campos de trabalho semelhantes.

Plano Ambiental da UFLA é objeto de estudo em tese de doutorado

Adelir Aparecida Saczk (UFLA), Chalissa Beatriz Wachholz (PUCRS) e Isabel Cristina de Moura Carvalho (PUCRS).

Tese de doutorado, apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), utilizou como objeto de estudo o Plano Ambiental da Universidade Federal de Lavras (UFLA). O foco principal da pesquisa foi de compreender como a sustentabilidade vem se inserindo nas atividades das instituições e qual o maior desafio na permanência das ações.

A tese “Campus Sustentável e Educação: Desafios ambientais para a Universidade”, da pesquisadora Chalissa Beatriz Wachholz, também teve como objeto de estudo a PUCRS e a Universidad de Alcalá de Henares (UAH). A escolha por estas universidades se deu a partir da experiência de Chalissa como estudante da PUCRS e da colocação em primeiro lugar da UFLA e da UAH no GreenMetric World University Ranking, que mensura a sustentabilidade das instituições do mundo inteiro. 

“Esta pesquisa teve como objetivo principal compreender como esta preocupação ambiental chegou no ensino superior, quais são as práticas de sustentabilidade realizadas pelas universidades e os fatores institucionais condicionantes a sua implementação (…) Em 2013 quando comecei a pesquisa, a UFLA já se destacava como primeira colocada entre as universidades brasileiras pelo segundo ano, com uma posição bastante significativa na classificação geral do ranking, direcionando minha atenção e dando início ao acompanhamento das ações desta universidade pela internet”, relata Chalissa em sua pesquisa.

A pesquisadora esteve na UFLA ao final de 2016 para reconhecer, na prática, as ações que havia acompanhado a distância, encerrando assim as atividades da sua pesquisa. “Tanto a escolha como objeto de pesquisa, quanto a oportunidade de conhecer o câmpus e o processo de ambientalização desta instituição foi, sem dúvida, um passo importante neste processo doutoral para que eu pudesse compreender mais amplamente as inúmeras possibilidades da ambientalização universitária”.

Melhoria da infraestrutura elétrica do câmpus; gerenciamento dos resíduos sólidos (coleta seletiva) e químicos (redução, reutilização e reciclagem); proteção das nascentes e matas ciliares; ampliação e reestruturação da estação de tratamento de água; saneamento básico e tratamento de esgoto; sustentabilidade das novas construções; prevenção e controle de incêndios e sistema de prevenção de endemias são alguns dos pontos positivos da UFLA mencionados na tese de doutorado.

No que se refere à água do câmpus, Chalissa ainda destaca que a UFLA é a “única universidade do país autossuficiente na produção deste recurso natural e conta com a Coordenadoria de Saneamento para assumir a responsabilidade direcionada ao tratamento de água e esgoto da Universidade, propondo e orientando ações que buscam a racionalização do uso da água e geração de esgoto dentro do campus. A água das nascentes do câmpus são acumuladas em duas barragens e bombeadas para uma estação de tratamento (ETA) de modelo compacto e tratamento convencional, construída no próprio campus e que garante o abastecimento de toda Universidade”.

Banca examinadora 

A pesquisa realizada traz os pontos positivos do Plano, bem como as oportunidades de melhoria verificadas para a UFLA e para as demais instituições estudadas. A defesa foi realizada no dia 22 de fevereiro. A banca examinadora foi composta pelas professoras da PUCRS Isabel Cristina de Moura Carvalho (orientadora), Mônica de La Fare e Letícia Hoppe, além da professora Adelir Aparecida Saczk (do Departamento de Química/UFLA), que participou desde o início da implementação do Plano Ambiental na UFLA. 

“Foi um momento ímpar participar como membro de banca examinadora do trabalho da Chalissa e poder vivenciar todas as ações ambientais da nossa Universidade. Atuo na coordenação do Laboratório de Gestão de Resíduos Químicos (LGRQ) juntamente com a professora Zuy Maria Magriotis. O Plano Ambiental e Estruturante na UFLA contou com a colaboração de toda a comunidade acadêmica (direção executiva, docentes, técnicos administrativos e de laboratórios, estudantes de graduação e pós-graduação). A expectativa é seguir com as ações já consolidadas e desenvolver novas ações, dentro do planejamento estratégico, para que a Universidade continue trabalhando no horizonte de referência em sustentabilidade pelos próximos anos”, ressalta a professora Adelir.

Texto: Camila Caetano – jornalista/ bolsista UFLA.

Exposição “A arte de ser mulher: O que te movimenta?” está disponível para visitação no Museu Bi Moreira

 “A arte de ser mulher: O que te movimenta?”, exposição organizada pelo Coletivo Mulheres da UFLA, estará aberta ao público no Museu Bi Moreira até o dia 22 de maio. A mostra de artes está disponível para visitação de segunda a sexta-feira, de 9h às 12h e das 14h às 18h.

Como extensão do evento “Nem tudo são flores 2.0: O que mexe com seu corpo?”, em menção ao Dia Internacional da Mulher, a exposição tem como intuito divulgar as artes das mulheres, exaltando as incríveis artistas presentes em Lavras. 

A exposição conta com trabalhos das artistas Ana Luiza C. Correia, Eliane Oliveira Moreira, Josiane Oliveira Pinto Ribeiro, Juliana R. G. Zeni, Sara Souza Bastos, e Tamyres Serra. “A exposição demonstra o quanto as mulheres conseguem expor todo o tipo de sentimento expresso em várias maneiras, desde um simples poema até uma bela pintura, cada uma de seu jeito mostra um pouco de si e de todas as outras mulheres que se encontram em cada pedaço da exposição”, enaltece Tamyres.

A mostra de artes coincidirá também com a 15ª Semana Nacional de Museus, celebrada entre os dias 15/5 e 21/5.  Evento que tem como intuito fazer a comunidade refletir, discutir e trocar experiências sobre o tema sugerido pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM): Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus. “Nossa temática feminina faz uma interlocução com esta supracitada, visto que as artes produzidas por mulheres ainda são invisibilizadas e/ou não tão valorizadas quanto às demais, portanto é necessário ocuparmos esse espaço e darmos fim ao nosso silenciamento – dizer o indizível”, destaca a organização da exposição.

Curadoria da exposição: Larissa do Vale (estudante do 3º período de Direito na UFLA) e Patrícia Muniz (Coordenadoria de Museus e Patrimônio Histórico )

Camila Caetano – jornalista/ bolsista UFLA.

Troca de ingressos para o concerto Zeitgeist: expressões musicais de época(s)

Será realizado no Salão de Convenções da Universidade Federal de Lavras (UFLA) o concerto “Zeitgeist: expressões musicais de época(s)”, promovido pelo Centro Acadêmico de Filosofia e o Preludium Estudos Musicais. O evento ocorrerá às 19h deste sábado (18/3). A troca dos alimentos (1kg não perecível) por ingressos vai ocorrer quinta-feira (16/3), das 11h às 14h, e sexta-feira (17/3), das 11h às 17h, na entrada da Pró Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (PRAEC), no câmpus histórico. 

A UFLA servirá de palco para o Duo Lachrima Antiqua apresentar o concerto cujo o nome é uma apropriação do termo “Zeitgeist”, popularizado pelo filósofo alemão Hegel, que tem como significado, o espírito de uma época. E, portanto, o repertório do concerto abrangerá um longo período histórico, que começa na Grécia antiga e termina no período barroco do século XVIII, passando pela idade média e renascença.

Para melhor executar este vasto repertório, o duo Lachrima Antiqua utiliza instrumentos que são cópias de instrumentos de época, como a Flauta Barroca, a Flauta Doce, o Alaúde e a Viola da Gamba. “É com o intuito de incentivar e facilitar o acesso à cultura na cidade Lavras e região que convidamos a todas e todos para prestigiar a musicista Deborah Antonucci Laprea e o músico Luciano Salgado do Duo Lachrima Antiqua neste evento que promete ser inesquecível”, relata os organizadores.

Camila Caetano – jornalista/ bolsista UFLA. 

Curso de Direito da UFLA recebe nota máxima em avaliação do MEC

Mais um resultado positivo que atesta a qualidade dos cursos de graduação da Universidade Federal de Lavras (UFLA). O Curso de Direito recebeu nota máxima em avaliação do Ministério da Educação (MEC), sendo considerado perfil EXCELENTE de qualidade.

A visita da comissão de avaliação de reconhecimento do Curso foi realizada no período de 6 a 8 de março, para aquilatar a concepção e implementação do projeto pedagógico, o corpo docente do Curso e a estrutura da Universidade, incluindo uma vistoria nas instalações da instituição, tendo visitado, entre outros espaços, laboratório de informática, salas de aula, ambiente de trabalho da coordenação do curso, local destinado ao desenvolvimento das atividades do núcleo de prática jurídica, biblioteca, departamento, secretarias e gabinetes de trabalho dos professores, registrando as observações consideradas pertinentes ao procedimento avaliativo.

O coordenador do curso de Direito da UFLA, professor Pedro Ivo Ribeiro Diniz, explica que os trabalhos dos avaliadores transcorreram sem qualquer contratempo. “Ao final, os elogios recebidos em todas as dimensões apreciadas foram gratificantes e demonstram que estamos no caminho certo. O reconhecimento do curso é resultado direto da eficiência institucional, do fulgor do corpo discente e do comprometimento de docentes e técnicos administrativos. Essas características – que marcam a história dessa instituição – pautam a consolidação com excelência do Curso de Direito da UFLA. Como resultado, temos o sentimento compartilhado por todos os envolvidos de orgulho de fazer parte desse curso e desta universidade”.

A avaliação In Loco é parte dos procedimentos de regulação e supervisão do MEC para o reconhecimento dos cursos de graduação. O instrumento que orienta os trabalhos dos professores avaliadores contempla três dimensões: organização didático-pedagógica, corpo docente e infraestrutura.  O curso de Direito da UFLA recebeu nota máxima em todas essas dimensões.

A comissão tomou por base investigativa os documentos, entrevistas, análise dos acervos referentes à biblioteca, a produção do material didático e atendimento aos discentes. Foram verificados a aderência e o alinhamento entre o previsto e o realizado, os requisitos legais e normativos. O processo contou com reuniões com os dirigentes da Instituição, Comissão Própria de Avaliação (CPA), Coordenação do Curso, Núcleo Docente Estruturante (NDE), além de reuniões com o corpo docente e discente do curso.

Para o reitor da UFLA, professor José Roberto Scolforo, o conceito máximo do MEC confirma o êxito de uma equipe de profissionais capacitados, sendo uma vitória de um conjunto, englobando professores, estudantes, técnicos e funcionários da UFLA que se dedicam ao melhor da instituição. O reitor ainda ressalta a construção do projeto pedagógico do curso de Direito, sendo desde o início diferenciado, com uma estrutura curricular inovadora, aliando teoria à prática de maneira exemplar.

Na avaliação do pró-reitor de Graduação, professor Ronei Ximenes Martins, esse resultado é, além de reconhecimento, incentivo para que todos continuem focados no aprimoramento contínuo dos cursos de graduação da UFLA. “Esse resultado é fruto de muito trabalho da coordenação do curso, dos professores, técnicos administrativos, estudantes e da gestão institucional. Foram anos de dedicação e envolvimento diário focados na busca pela excelência. Desde a concepção e início das atividades, o curso de Direito tem demonstrado sua qualidade. Isso já havia se evidenciado no processo de autorização, quando recebeu nota máxima”, destaca.

Sobre o curso

Em 2012, a UFLA inaugurou o curso de Direito, após a aprovação do MEC, tendo recebido nota 5 na indicação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC). O Bacharelado também recebeu o parecer da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), com a aprovação de todos os quesitos avaliados.

Os principais diferenciais do Curso de Direito da UFLA são:

Forte articulação entre teoria e prática: além das atividades de prática jurídica real e simulada, que exploram o exercício de tarefas típicas da advocacia contenciosa, o estudante pode experimentar, nas oficinas de prática jurídica, o expediente de outras profissões jurídicas, com a execução de rotinas de juízes, promotores de justiça, delegados, procuradores, professores, entre outros.

Diversas oportunidades extraclasse:  ensino,  pesquisa,  extensão, cultura e esporte. São diversos núcleos de estudos, grupos de pesquisa, empresas juniores, grupos de teatro, equipes esportivas, grupos de educação tutorial, entre outros.

Excelente infraestrutura em ampliação:  diversas salas de aulas equipadas com recursos informáticos e audiovisuais, auditórios para realização de eventos, laboratórios de informação e acesso à internet por meio de rede sem fio, biblioteca ampla com acervo bibliográfico em constante atualização, espaços de convivências e aparelhos para prática de esportes, restaurante universitário, entre outros.

Corpo docente qualificado:  professores que trabalham em regime de tempo integral e possuem formação em nível de pós-graduação (mestrado e/ou doutorado). Os professores contam com experiência em atividades de pesquisa e de extensão, além de se dedicarem à publicação de livros e de artigos em periódicos científicos, assim como participação em eventos jurídicos nacionais e estrangeiros.

Texto: Camila Caetano – jornalista/ bolsista UFLA.

Veja também a matéria da TVU Lavras: