UFLA recebe especialistas e discute febre amarela com comunidade



16 de Março de 2017, 4:48 pm , com 766 visualizações

Organizadores e palestrantes na Mesa-Redonda sobre Febre Amarela

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) reuniu, na última terça-feira (15/3), representantes do poder público, professores, especialistas, alunos e a comunidade para debater um assunto de saúde pública que vem preocupando as autoridades nos últimos meses, principalmente em Minas Gerais. Trata-se da febre amarela, que já matou 110 pessoas no estado, conforme levantamento mais recente da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Em Lavras, há confirmação por teste de laboratório, da morte de um macaco em decorrência da doença. O evento – Mesa-Redonda sobre Febre Amarela – foi realizado no Salão de Convenções da Universidade e teve a coordenação do Núcleo de Estudos Uma Saúde, do Departamento de Medicina Veterinária (DMV) da UFLA.

A professora Christiane Maria Barcellos da Rocha, do DMV, abriu os trabalhos e disse que um dos objetivos do encontro foi reunir profissionais de diferentes áreas para discutir caminhos e estratégias de combate à febre amarela. “Esse é o primeiro grande evento do Uma Saúde. Nós defendemos a promoção da saúde coletiva, com o envolvimento multiprofissional”, ressaltou.

Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Regional de Saúde de Varginha, Monique Borsato Silva Filardi destacou a pertinência do evento que proporcionou a oportunidade de informar à população as ações do governo de enfrentamento à doença. A febre amarela é uma enfermidade grave e pode levar à morte, além de não ter tratamento específico.

Com isso, a Secretaria de Saúde passou a atuar em três grandes frentes: redução da incidência da doença, impedimento da transmissão urbana e localização da circulação viral para orientar as medidas de controle. Além dessas ações, Monique lembrou que um dos grandes desafios das autoridades é ampliar a distribuição e aplicação da vacina. A regional de Varginha, que atende Lavras, já imunizou quase 140 mil pessoas entre janeiro e março de 2017, de acordo com a SES.

Evento reuniu estudantes e comunidade

A doutora Ana Carolina Campi Azevedo, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Minas Gerais, é especialista em vacinação contra a febre amarela e esclareceu algumas características da doença. Ela explicou, por exemplo, que a enfermidade não é contagiosa e, portanto, não pode ser transmitida de pessoa para pessoa e que a única forma de prevenção é a vacinação. No meio urbano, a transmissão ocorre por meio do mosquito Aedes aegypti, o mesmo vetor da dengue e da febre chikungunya.

A especialista considera importante que os profissionais da saúde estejam atentos aos sintomas da doença, uma vez que alguns deles podem ser confundidos com os de outra enfermidade. “Em algumas situações, os sintomas são tão difíceis que o paciente morre e descobre o motivo depois”. Ana Carolina esclareceu ainda a situação das pessoas que precisam tomar a vacina e aquelas que necessitam consultar o médico antes de recebê-la, como é o caso das gestantes e daqueles com 60 anos ou mais.

Tragédia de Mariana

Depois da participação dos convidados, houve uma mesa-redonda que recebeu perguntas a respeito da doença. Uma delas questionou se o desastre ambiental de Mariana, em novembro de 2015, contribuiu para o surto de febre amarela em algumas regiões de Minas. Na visão de Olindo Assis Martins Filho, da Fiocruz/MG, embora não haja comprovação cientifica, a tragédia pode ter influenciado para aumento dos casos da doença do estado. O especialista observou que o assunto tem sido tema de discussão entre pesquisadores do instituto, no entanto ainda não há uma conclusão a respeito da matéria.

Filho, porém, acredita não ser possível, por enquanto, relacionar o acidente ambiental às novas ocorrências da febre amarela. “Eu poderia associar o desastre de Mariana com eventos de febre amarela em Ribeirão Preto, no Sul de Bahia, no Rio de Janeiro? Não tem sentido. Pode ter ocorrido pelo desastre de Mariana uma contribuição sim e, por isso, Minas Gerais foi o primeiro estado a fazer a notificação (aumento dos casos da doença). Foi um desastre de proporções muito grandes, mas não foi um fator isolado. Há outros fatores que devem ser considerados”, opinou.

A Mesa-Redonda sobre Febre Amarela teve o apoio do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG). O reitor da UFLA, o professor José Roberto Soares Scolforo, foi representado no evento pelo pró-reitor de Extensão e Cultura, o professor João José Granate de Sá.

Texto: Rafael Passos, jornalista – bolsista DCOM/Fapemig.

Página Eventos UFLA no Facebook

Diretrizes de Comunicação da UFLA

Notícias por data

Março 2017
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Arquivo