Arquivo da categoria: Dicas de Português

Dicas de português

Dicas de Português: “Ao persistirem os sintomas, procure orientação médica.

  • “Ao persistirem os sintomas, procure orientação médica.”

Qual a inadequação gramatical acima?

Essa frase surge na televisão brasileira constantemente. Às vezes escrevem “Ao persistirem…”, outras vezes “A persistirem…”. Qual a maneira certa?

Para sabermos, temos de conhecer a sintaxe, parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e a das frases no discurso, bem como a relação lógica das frases entre si.

As relações entre preposição e verbo no infinitivo – verbo terminado em ar, er, ir – são as seguintes:

  • Para + infinitivo= finalidade.
    Por exemplo: Estamos aqui para estudar = Estamos aqui a fim de estudar.
  • Por + infinitivo= causa.
    Por exemplo: Por ser contra os sócios, deixou a empresa = Deixou a empresa porque era contra os sócios.
  • A + infinitivo= condição, quando puder substituir a por caso ou se.
    Por exemplo: A continuar como está, a revolução será inevitável = Caso continue como está, a revolução será inevitável = Se continuar como está, a revolução será inevitável.
  • Ao + infinitivo= tempo.
    Por exemplo: Ao soar o sinal, todos os alunos se levantaram = Quando o sinal soou, todos os alunos se levantaram.

A frase exposta na televisão indica condição, pois o enfermo deverá procurar orientação médica se os sintomas persistirem, e não quando os sintomas persistirem. A frase adequada aos padrões cultos da língua portuguesa, então, deve ser assim estruturada:

  • “A persistirem os sintomas, procure orientação médica”.

 

Fonte: Adaptado de texto do prof. Dílson Catarino

 

Paulo Roberto Ribeiro

Dicas de Português: Bom dia ou bom-dia, qual é o certo?

Na nossa Língua, o hífen serve para gerar novos significados às expressões; serve para que não haja o entendimento literal, ao “pé da letra”. Vejamos alguns exemplos:

Caixa preta: caixa literalmente da cor preta;
Caixa-preta: gravador das aeronaves.

Cachorro quente: o animal literalmente quente;Cachorro-quente: o famoso sanduíche.

Certamente poucas pessoas têm a curiosidade de pesquisar as expressões “BOM-DIA”, “BOA-TARDE” ou “BOA-NOITE” no dicionário. E agora? Como devo usar? Com ou sem o hífen? Depende.

O conhecido dicionário Houaiss assim registra:

Bom-dia
Substantivo masculino: cumprimento que se dirige a alguém na parte da manhã; bons-dias.
Ex.: cumprimentou-o com um bom-dia caloroso.

Esclarece, assim também, o dicionário eletrônico Aurélio:

Bom-dia
Substantivo masculino: saudação que se dirige a alguém na primeira metade do dia, na parte da manhã; bons-dias.
Ex.: Deu-me um bom-dia afetuoso.

Nas formas desejosas, de um dia literalmente bom, não há uso de hífen.

“Fulano passa, diz e escreve:
– Bom dia! Bom feriado a todos!”

Havendo determinante (artigo, pronome, numeral, adjetivo), a expressão passa a ser encarada como substantivo e a situação é diferente:

“Fulano é tão mal-educado que nunca me disse um bom-dia, um boa-tarde ou um boa-noite!”

Mais uma vez: com determinante (artigo, pronome, numeral, adjetivo), “bom-dia”, “boa-tarde” e “boa-noite” são substantivos e usam hífen.

Meras saudações, sem o determinante, são mensagens destituídas de hífen, uma vez que a leitura é literal.

Boa leitura a todos!
 

Fonte:  https://exame.abril.com.br/carreira/bom-dia-ou-bom-dia-qual-e-o-certo/

 

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Dicas de Português: “Abaixar” ou “baixar”?

Por Carolina Vellei

Você  acha que as pessoas  que falam “abaixar” em vez de “baixar” quando está falando de algo relacionado à internet está falando de forma inadequada?

Pois saiba que elas não está erradas. No dicionário, baixar e abaixar são sinônimos. No entanto, existe a tendência de se usar a forma “baixar” quando se trata de tecnologia e coisas afins (no sentido de “fazer o download”). Mas não é obrigatório.

Na forma culta, usa-se BAIXAR em dois casos:

1) Quando for verbo intransitivo (ou seja, sem objeto direto/indireto), mesmo que acompanhado de adjunto adverbial. Exemplos:

– O nível do rio baixou.

– O preço dos alimentos baixaram ontem.

– A febre do menino baixou.

2) Quando tem o significado de expedir (ordem, instrução, lei, decretos etc., vindos de autoridade pública). Exemplos:

– O ministro baixou uma portaria que limita o acesso aos serviços de saúde.

Nos outros casos, usa-se ABAIXAR. Mas… como o português é uma língua viva e sofre constantes adaptações com a passagem do tempo, é indiferente usar uma forma ou outra (EXCETO para o caso 2 exposto acima, em que só vale a forma “baixar”).

– A mulher baixou (abaixou) as cortinas.

– O vendedor não abaixou (baixou) o preço da mercadoria.

Consultoria:

Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa
Domingos Paschoal Cegalla

 

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

 

Dicas de Português: Saiba usar corretamente os verbos pronominais

Verbos pronominais são aqueles acompanhados por pronomes “me”, “te” “se”, “nos” (pronomes oblíquos átonos). Esse tipo de verbo é usado para indicar ações relativas ao sujeito que as pratica. Sendo assim, o verbo deverá ser conjugado sempre acompanhado do pronome oblíquo correspondente à pessoa gramatical do sujeito.
Exs.:
Eu me queixo/ Tu te queixas / Ele se queixa / Nós nos queixamos

“Queixar-se”, gramaticalmente, é classificado como um verbo essencialmente pronominal, isto é, que invariavelmente é conjugado acompanhado do pronome oblíquo. Outros exemplos são os verbos: arrepender-se, sentar-se, zangar-se, pentear-se, enganar-se, suicidar-se.

Há verbos classificados como eventualmente pronominais, isto é, que podem ou não ser conjugados acompanhados do pronome oblíquo.
Exs.:
O analista debateu os assuntos do relatório com os gerentes.
Como não sabia qual era a melhor opção, o colaborador se debateu dias e dias até chegar a uma decisão.

Apenas no segundo exemplo o verbo “debater” está na versão pronominal. A diferença de sentido nos dois exemplos é visível: no primeiro, “debater”, sem ser pronominal, significa “discutir”; no segundo, sendo pronominal, o sentido é de “passar por dificuldades”.

Entretanto, cabe ressaltar que a mudança de sentido não é quesito para diferenciar um verbo essencialmente pronominal de um eventualmente pronominal. Não há diferença de sentido, por exemplo, no uso dos verbos “envolver” ou “lembrar”:
Exs.:
Lembrou-se de enviar os documentos / Lembrou meu nome.
Envolveu-se na discussão. / Envolveu todos os colaboradores na decisão.

A alteração, neste caso, é da regência do verbo. O verbo “lembrar”, quando pronominal, requer a preposição “de”; sem ser pronominal não. O verbo “envolver”, quando pronominal requer a preposição “em”, sem ser pronominal, não necessariamente.
Mas, tem-se percebido que os falantes, ao usar o idioma rotineiramente, às vezes, usam um verbo não pronominal como se ele o fosse, Por exemplo, o sentido do verbo “interagir” já contempla a ideia de ação mútua ou compartilhar algo com o outro, por isso, é redundante utilizá-lo acompanhado de um pronome oblíquo átono. É incorreto (e redundante) escrever ou dizer: “eles se interagem”, “eu me interagi”.

Por isso, atenção aos verbos pronominais (os essencialmente ou eventualmente pronominais) e evite usar “me” e “se” acompanhado de verbos que não requerem esses pronomes.

Fonte: www.escreverbem.com.br

Paulo Roberto Ribeiro – DCOM

Dicas de Português: Domínio de vocabulário

– Ler muito é garantia de um amplo vocabulário?

A resposta é “não”. Mas por quê?

A leitura pode ser atenta ou desatenta e, mais importante que isso, o leitor pode (ou não) incorporar a palavra ao seu “vocabulário mental”.

Além desse, há outro ponto crucial: é preciso usar a nova palavra para torná-la parte de seu vocabulário ativo. Se você não colocar em prática o uso de um vocabulário mais amplo, os sentidos das palavras serão identificados quando você ler, mas não haverá um aumento real no uso de novas palavras. É como tirar carta/carteira de motorista e nunca mais dirigir – sem a prática não se automatiza a troca de marchas, o olhar os espelhos, etc.

Nesse sentido, um primeiro passo pode ser a simples troca de verbos chamados “curingas” (corretos, mas menos precisos) por verbos mais específicos.

Substitua o verbo “dar”

Ele não me deu o relatório completo.

Escreva:

Ele não me entregou/ enviou o relatório completo.

Troque o verbo “ter

Teve uma forte emoção.

Escreva:

Viveu/ passou por/ sofreu uma forte emoção.

Outro verbo curinga que pode ser substituído é o ”fazer”:

Fazia dez relatórios mensais.

Ele pode ser substituído:

Escrevia/ redigia/ produzia dez relatórios mensais.

Vale ressaltar que verbos curinga como “dar”, “ter” e “fazer” não estão errados gramaticalmente. Mas se o objetivo é aumentar o vocabulário e ser mais específico, procure explorar as possibilidades que a língua portuguesa nos oferece em termos de uso de palavras.

Uma simples troca que pode ajudar – e muito – a aumentar o seu vocabulário!

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Dicas de Português: Cardinais e ordinais: Aspectos do número

Os numerais podem ser cardinais ou ordinais. O número cardinal é aquele que expressa uma quantidade absoluta, enquanto o número ordinal indica a ordem ou a série em que determinado número se encontra incluído.

Em geral, aprendemos e nos acostumamos tão facilmente a passar do ponto de vista cardinal para o ordinal, que quase não distinguimos mais essa diferença. Num exemplo simples: o mês de setembro é composto de 30 dias. O número 30 indica o total, a   quantidade absoluta, de dias desse mês. Trata-se, portanto, de um número cardinal. Porém, empregamos outro ponto de vista quando dizemos “dia 30 de setembro”. Nesse caso, o número 30 não está sendo usado para indicar os 30 dias do mês, mas o trigésimo dia de setembro, e especificando o seu lugar na ordem de sucessão dos dias desse mês, explicando uma ordem. Trata-se, então, de uma utilização ordinal.

Tabela de numerais cardinais e ordinais

No dia a dia, falamos com muito mais frequência os numerais cardinais (um, dois, três), que os ordinais (primeiro, segundo, terceiro). Isso leva a ter dificuldade em se lembrar como dizer essas palavras. A tabela abaixo o ajudará:

Números ordinais de 11 a 1.000

11º – décimo primeiro
12º – décimo segundo
13º – décimo terceiro
14º – décimo quarto
15º – décimo quinto
16º – décimo sexto
17º – décimo sétimo
18º – décimo oitavo
19º – décimo nono
20º – vigésimo
30º – trigésimo
40º – quadragésimo
50º – quinquagésimo

60º – sexagésimo
70º – septuagésimo
80º – octogésimo
90º – nonagésimo
100º – centésimo

200º – ducentésimo

300º _  tricentésimo

400º – quadrigentésimo

500º – quingentésimo

600º – seiscentésimo

700º – septigentésimo

800º – octigentésimo

900º – nongentésimo

1000º – milésimo

 

Fonte: https://www.faq.inf.br/educacao-basica/numeros-ordinais-de-1-a-1000-primeiro-segundo/

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Dicas de Português: Qual usar: precursor ou percursor?

Um pequeno erro de digitação pode transformar inventores em maratonistas ou o contrário. Afinal, as palavras “precursor” e “percursor” são parônimas e muito suscetíveis a confusões.

Do latim praecursor, “o que vai à frente”, a palavra “precursor” aponta pioneirismo. Galileu Galilei, por exemplo, foi considerado o precursor da astronomia. Descartes, Bacon, Locke e Newton foram os pioneiros (ou seja, precursores) do Iluminismo.

Já percursor é aquele que faz um percurso (aliás, essa palavra não é tão utilizada). Em uma maratona, por exemplo, pode-se dizer que todos os participantes são percursores.

Para não confundir os dois, lembre-se de que o prefixo pre- exprime anterioridade (pré-escola, pré-aviso e a própria palavra prefixo). Quando quiser dizer que alguém foi o primeiro a realizar algo, portanto, use “precursor”.

Descriminar ou discriminar?

Assim são as palavras parônimas: semelhantes, na escrita e na pronúncia, mas distintas em seus significados.

“Descriminar” e “discriminar” são exemplos dessa relação. Enquanto “descriminar”, escrito com “e”, é sinônimo de “descriminalizar”, “discriminar” é sinônimo de “distinguir”, “classificar por algum critério” .

Se a diferença for difícil de ser aprendida lembrando-se apenas de que o prefixo latino DES – remete à oposição (portanto, “descriminar” é o oposto de “criminar”, de “imputar culpa a”), relacione as primeiras sílabas dos sinônimos dessas duas palavras:

DES

DEScriminar = DEScriminalizar = DESculpar

DIS

DIScriminar = DIStinguir = DIScernir

 

Fonte: escreverbem.com.br

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Dicas de Português: Escrevo números por extenso ou não?

A maioria das pessoas acha que os números de um texto formal sempre devem ser escritos por extenso. Na realidade, existem algumas diretrizes que determinam se há necessidade de se escrever o número por extenso ou se é possível escrever o algarismo.

Seguem, como material de consulta, as principais diretrizes de uso dos números em textos de Redação Empresarial.

Escreva todo número abaixo de dez por extenso

As nove máquinas compradas pela empresa apresentaram problemas.

O diretor assinou os oito contratos sem ler as cláusulas com cuidado.

Exceções: unidades de medida, idade, tempo, datas, números de páginas, porcentagens, valores, proporções.

Exemplos: 2 metros     32 anos     8h00     16 de novembro     Página 4     51%     R$ 50,00

Escreva números sempre que dois ou mais estiverem em um mesmo período

No 4º dia do evento, 42% dos convidados não compareceram nas 50 mesas redondas agendadas.

Nunca misture número com numerais (por extenso)

Em vez de: No sexto dia do lançamento, 20% do novo produto ainda não estavam distribuídos.

Escreva: No 6º dia do lançamento, 20% do novo produto ainda não estavam distribuídos.

Escreva os grandes números na forma mais familiar ao leitor

Pondere qual é mais familiar: 185.000.000       1,85 x 108           185 milhões         185 x 106

Use números seguidos de palavras quando os últimos cinco ou seis dígitos forem zero

3 milhões (em vez de 3.000.000)

160 milhões (em vez de 160.000.000)

Escreva decimais e frações em números

0,39 (e não zero vírgula trinta e nove)

¾ (e não três quartos)

Se o número é uma aproximação, mencione

Aproximadamente 13 milhões…

Cerca de 30 metros distante…

Perto de 15 litros se perderam…

Não comece uma frase com números

Quatro quintos do território de vendas

e não

4/5 do território de vendas

ou

4 quintos do território de vendas.

Três mil e quatrocentos reais foi o custo do treinamento

e não

R$3.400,00 foi o custo do treinamento.

Só se usa a forma 02, 03, 09 em documentos de natureza legal, fiscal, jurídica ou cartorial

Fonte: escrevabem.com.br

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Dicas de Português: “A longo prazo” ou “em longo prazo”?

Independentemente da duração do prazo – curto, médio, longo – recomendam vários gramáticos que se utilize “em”. Por quê? Pela impossibilidade do emprego da preposição “a” a respostas de perguntas como “Em que prazo a reforma terminará?”, “em que prazo será entregue o carro?”. Respostas: “em dez dias”, “em um mês”.

Da mesma forma, pergunta-se “em quanto tempo sua casa ficará pronta” e não “a quanto tempo sua casa ficará pronta?”. A preposição, portanto, é a mesma usada em “em quanto tempo?”, “em que período?”.

Não há motivos, porém, sendo a Língua Portuguesa mutável e constantemente modificada pelo seu uso, para não se registrar a forma corrente “a longo prazo”, tão usada atualmente, por indivíduos de todos os níveis de escolaridade. Não se trata, portanto, de um uso isolado: atualmente, vê-se mais o uso da expressão “a longo prazo” que “em longo prazo”. E a Língua precisa ser um lugar de aceitação do diverso. O Houaiss, seguindo esse pensamento, registra e aceita essas duas ocorrências.

E, então, qual usará: a expressão cujo uso está consagrado pelos gramáticos, mas vem caindo em desuso, ou a expressão ainda não aceita por todos eles, mas que tem sido a mais recorrente?

 

“Necessário” e “proibido”: quando escrever no masculino e quando escrever no feminino

 

“É necessário” ou “É necessária”? “É proibido” ou “é proibida”?

Todas as construções são permitidas! Sim. Mas cada uma em seu devido lugar.

O adjetivo “necessário” é masculino singular quando:

 

A) Não há especificação (um artigo, por exemplo) do substantivo com o qual concorda.

É necessário confiança! (Substantivo feminino, porém sem determinante)

É necessário dinheiro para isso. (Substantivo masculino, sem determinante)

B) Há especificação do substantivo com o qual concorda e ele é um substantivo masculino

Para que dê certo, é necessário o apoio de todos.

O uso do adjetivo no feminino singular se dá quando:

D) Há especificação do substantivo feminino com o qual concorda:

É necessária a confiança. (Substantivo feminino, com artigo definido)

Para entrar na festa, é necessária a apresentação desse convite.

Essa explicação foi realmente necessária para você?

Essas construções podem realmente nos confundir e nos fazer errar na hora de escrever. Portanto, é necessário prestar atenção nessas construções.

 

Fonte: escreverbem.com.br

 

Paulo Roberto Ribeiro

Dcom

Dicas de Português: Comunicamo-lhes ou Comunicamos-lhes?

A construção gramaticalmente correta é a segunda, ainda que pareça mal sonora.  Essa história de cortar o “s” final do verbo, ao pospor-lhe um pronome oblíquo, só é válida para os pronomes “o”, “a”, “os”, “as” e não para os pronomes “lhe”, “lhes”.

Escrevamos, portanto, “consideramo-los”, “esperamo-la”, , mas “comunicamos-lhes”, “oferecemos-lhe”.

 

Bifê ou bufê?

A língua francesa forneceu um grande número de palavras à língua portuguesa, muitas das quais já foram aportuguesadas. Assim, a palavra francesa buffet foi aportuguesada para bufê (com o “u” sendo pronunciado como “u” mesmo).

Entre outras palavras, muito comuns em nosso dia a dia, que vieram do francês e que já foram aportuguesadas, podemos citar:

* avalanche…………..avalancha

* boite………………….boate

* baton…………………batom

*chassis……………….chassi

* chic…………………..chique

* guidon……………….guidom ou guidão

* marron………………marrom

* vitrine………………..vitrina

* garçon……………….garção

 

Abreviatura leva acento?

Leva.

Se houver acento gráfico na parte restante da palavra que foi abreviada, esse sempre se manterá:

núm. (número)

gên. (gênero)

pág. (página)

Álg. (Àlgebra)

Acúst. (acústica)

 

Mas porém

É muito comum, na linguagem popular, o uso da expressão “mas porém”.

Ex.: Quero um carro desse tipo, mas porém usado.

Tal fato resulta da completa alienação relativamente ao significado dessas duas palavras.

“mas” e “porém” são sinônimos, de modo que dizer “mas porém” equivale a dizer “mas mas”.

 

Fonte: Todo mundo tem dúvida, inclusive você. (com adaptações).

Paulo Roberto Ribeiro

Dcom