Arquivo da tag: Fapemig

Método inovador produz telhas de fibrocimento com menor custo e impacto ao meio ambiente

Diversas pesquisas têm buscado alternativas para o uso do amianto na fabricação de telhas. Em novembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu, em todo o País, a produção, a comercialização e o uso do amianto tipo crisotila. O mineral, também conhecido como “asbesto branco”, provoca sérios danos à saúde de trabalhadores das fábricas.

Na Universidade Federal de Lavras (UFLA), diversos materiais, como substituição ao amianto, têm sido pesquisados por pós-graduandos em Engenharia de Biomateriais. Uma dessas pesquisas, a do doutorando Danillo Wisky Silva, analisou a viabilidade do uso de fibras de eucalipto na produção de fibrocimentos pelo processo de extrusão.

Nesse experimento, as fibras de eucalipto foram produzidas por processo termomecânico, sem uso de reagentes químicos. As fibras, juntamente com a matriz cimentícia (cimento e calcário) e a água, passam por uma extrusora, e, através de um processo de mistura e compressão, a massa tomou o formato e tamanho desejados. O fibrocimento é composto por cimento comum e fibras e já são utilizados para telhas moduladas, placas planas, revestimentos, pisos e forros em diversos métodos de produção. Porém, o processo por extrusão ainda é novo e tem algumas vantagens, conforme explica o pesquisador: “Há um menor consumo de água, sendo que a quantidade do liquido utilizada cerca de 30% a 40 % da massa do cimento, enquanto no processo convencional, esse valor é de 60% a 80%, ou seja, você tem uma diminuição de custo. Outro atrativo é que o custo da implantação pelo processo de extrusão é menor; assim, você consegue produzir de maneira eficiente em microrregiões. ”

Em sua pesquisa de mestrado, Danillo utilizou a fibra de eucalipto, um material produzido em grande escala no Brasil. A intenção, segundo ele, foi mostrar que o produto é viável ao mercado: “O objetivo é mostrar que essas telhas podem ser produzidas com materiais livres de amianto, de origem vegetal, renováveis e, ao mesmo tempo, de forma descentralizada (longe das metrópoles,) utilizando o processo de extrusão como alternativa.” Atualmente, a produção de telhas utiliza fibras sintéticas e polpa celulósica, que são tratadas quimicamente. O projeto comparou os dois modelos e mostrou resultados bem promissores: “Com 3% de fibras de eucalipto provindas de processo termomecânico, obtivemos um resultado muito compatível com os da polpa celulose, barateando o custo de produção.”

O estudante explica que o processo de extrusão tem um potencial muito grande, sendo possível seu uso com vários tipos de materiais residuais. “Um produtor de banana, por exemplo, conseguiria produzir fibra através do caule da bananeira, e depois, com a extrusão, montar uma microempresa de produção de telhas moduladas, agregando valor aos seus resíduos regionais.” Para o orientador do projeto, professor Lourival Marin Mendes (DCF), “o estudo mostra uma tecnologia de fácil aplicação, que pode ser absorvida pela sociedade, aproveitando as peculiaridades regionais do Brasil, uma vez que o País é rico em fibras vegetais”, ressalta.

A extrusão, em comparação ao processo convencional, promove uma compactação da mistura, que, por sua vez, aumenta a densidade do fibrocimento. Danillo busca em seu doutorado uma maneira de diminuir essa densidade, sem causar prejuízos significativos na resistência mecânica dos fibrocimentos. Para isso, ele tem usado: polímeros superabsorventes, à base de poliacrilamida (material utilizado em absorventes femininos, fraldas infantis) e hidrogel para plantio de mudas com grande capacidade de absorção e expansão. “O polímero já conseguiu diminuir em 20% a 30% a densidade dos compósitos, com uma perda de 10% a 15% da resistência mecânica, deixando os materiais dentro da classe para telhas onduladas (> 7.0 MPa para módulo de ruptura), possibilitando o processo de extrusão em escala comercial.” Além disso, de acordo com o pesquisador, os polímeros superabsorventes também funcionam como um selador de trincas no concreto.

O professor Lourival acrescenta que a expectativa agora é despertar o interesse das empresas e indústrias para a produção dessas telhas em maior escala através da extrusão: “No Brasil e no exterior, existem fábricas que produzem fibrocimento, mas nenhuma com as características do produto que é desenvolvido pelo Danilo. As informações geradas nesta tese de doutorado serão muito importantes devido ao banimento do amianto.”

Reportagem: Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom;
Imagens: Karina Mascarenhas e Mayara Toyama, bolsista Fapemig/Dcom;  
Edição do vídeo: Panmela Oliveira, comunicadora – bolsista Dcom/Fapemig.

Uepam/UFLA é referência em pesquisas em biomateriais

Antiga sede do Uepam

Criada em 2004, a Unidade Experimental de Produção de Painéis de Madeira (Uepam) funciona em um local que antes pertencia ao Departamento de Agricultura, e que, posteriormente, foi transferido para o Departamento de Ciências Florestais. O projeto foi elaborado pela arquiteta Luciana Barbosa de Abreu e executado pelo técnico administrativo Antônio Claret Matos. As obras dos blocos foram concluídas em 2012; tanto a construção quanto os equipamentos foram adquiridos por meio de recursos oriundos de pesquisas e tornaram o complexo um dos mais avançados na área no Brasil.

“Realizamos o desenvolvimento de novos materiais à base de fibras das mais diversas, desde painéis de madeira reconstituídos, fibrocimento até diversos materiais ligados ao mundo das fibras vegetais, tendo como matéria-prima: madeira, resíduos agrícolas, resíduos urbanos, servindo de base para compor novos materiais ou aprimorar outros, sendo produtos de aplicabilidade direta para a sociedade”, explica o professor Lourival Marin Mendes.

Sede atual do Uepam

O local abriga seis blocos onde funcionam: a secretaria do Programa de Pós-Graduação em Biomateriais (PPGBIOMAT), laboratório de adesivos e painéis de madeira, laboratório de ensaios mecânicos e anfiteatro, laboratório de compósitos lignocelulósicos, laboratório de nanotecnologia e galpão multiuso.

O PPGBIOMAT teve sua origem no Núcleo de Estudos de Painéis de Madeira. Desde sua criação, 53 alunos de mestrado e 37 de doutorado passaram pelo Uepam.

Assista ao vídeo sobre a Uepam:

Texto e imagens: Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo: Panmela Oliveira, comunicadora – comunicadora – bolsista Dcom/Fapemig

Chamada Universal Fapemig: UFLA aprova 54 projetos

O resultado da Demanda Universal da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) foi divulgada no dia 21. Por meio do edital, foram aprovadas 692 propostas de instituições de ensino e pesquisa sediadas no estado – sendo 54 delas de pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

“Proporcionalmente, pelo número de docentes, o desempenho da Universidade foi maior que o das outras universidades federais mineiras”, analisa a Pró-reitora Adjunta de Pesquisa, professora Priscila Vieira e Rosa. No ranking das aprovadas, a instituição está em quarto lugar, mas as primeiras colocadas possuem em seu quadro docente número muito superior à quantidade de professores da UFLA e o volume de recurso captado pelos projetos aprovados pela UFLA, R$2,68 milhões, representa mais de 10% do valor total de todos os projetos do edital: R$25,7 milhões.

Outro ponto destacado pela professora Priscila é que já estão sendo aprovados projetos de novos professores na UFLA: “o número de projetos aprovados nas áreas da Engenharia e Ciências Exatas é bastante expressivo e demonstra que professores novos na Instituição, em áreas nas quais a UFLA está se expandindo, têm se empenhado na pesquisa”.

Os departamentos com projetos aprovados são: Departamento de Engenharia (DEG), 13 projetos; Departamento de Zootecnia (DZO), 6 projetos; Departamento de Biologia (DBI), 6 projetos; Departamento de Ciência dos Alimentos (DCA), 5 projetos; Departamento de Ciências Florestais (DCF), 4 projetos; Departamento de Química (DQI), 4 projetos; Departamento de Agricultura (DAG), 3 projetos;  Departamento de Física (DFI), 3 projetos; Departamento de Ciência do Solo (DCS), 2 projetos; Departamento de Medicina Veterinária (DMV), 2 projetos; Departamento de Ciência da Computação (DCC), 2 projetos; Departamento de Administração e Economia (DAE), 1 projeto; Departamento de Educação Física (DEF), 1 projeto; Departamento de Entomologia (DEN), 1 projeto; e Departamento de Fitopatologia (DFP), 1 projeto.

Chamada Universal Fapemig 2017

Em 2017, foram submetidos 2.218 projetos de pesquisadores de todas as instituições de ensino e pesquisa sediadas em Minas Gerais. A Demanda Universal financia propostas em todas as áreas do conhecimento, sendo que cada projeto deve ser orçado em, no máximo, R$60 mil.

Conheça as propostas aprovadas

 

Inscrições para o Pibic/Fapemig são prorrogadas até 10/11

Até o dia 10/11/2017, às 16 horas, está aberto o prazo de submissão de propostas para o Programa de Bolsa de Iniciação Científica e Tecnológica Institucional da Fapemig (Pibic/Fapemig). Professores e técnicos administrativos do quadro efetivo da UFLA podem submeter essas propostas, como orientadores. A retificação do prazo do Edital nº 06/2017 foi publicada pela Pró-Reitoria de Pesquisa da UFLA (PRP).

O Pibic/Fapemig concede bolsas (novas ou renovações) de iniciação científica a graduandos, permitindo a iniciação em atividades de pesquisa. As bolsas terão vigência de 1º de março de 2018 a 28 de fevereiro de 2019. As propostas devem ser enviadas eletronicamente por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa), pelos respectivos orientadores, seguindo as orientações do item 6 do Edital.

A seleção irá considerar o desempenho do estudante (peso 30%), a produção científica do orientador (peso 35%) e o projeto ao qual a bolsa estará vinculada (peso 35%). O resultado da seleção será divulgado a partir do dia 12 de fevereiro de 2018, no site da PRP.

A Coordenadoria de Iniciação Científica da UFLA direciona apenas uma bolsa por professor/pesquisador, exceto no caso de estudantes que foram aprovados em processo seletivo da UFLA e que são egressos dos programas BIC Júnior. Nesse caso, o orientador pode solicitar uma bolsa a mais.

Acesse o edital para obter mais informações sobre o processo seletivo: Edital PRP/UFLA nº 06/2017

Mais informações: Pró-Reitoria de Pesquisa.

 

Portal Periódicos de Minas será lançado na Mostra Inova Minas em Belo Horizonte

UFLA possui seis periódicos cadastrados no portal

A inédita Política de Periódicos para Minas Gerais será apresentada ao público durante a Inova Minas Fapemig 2017, no dia 15 de setembro, sexta-feira, às 14h, no auditório do Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade), em Belo Horizonte, com o lançamento do portal de periódicos científicos:  Periódicos de Minas. A Política é um projeto financiado pela Fapemig e apoiado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com o objetivo de dar visibilidade e apoio aos periódicos científicos e tecnológicos de Minas.

O lançamento contará com o presidente da Fapemig, professor Evaldo Ferreira Vilela, e com Sérgio Dias Cirino, professor da UFMG e coordenador da Política de Periódicos para Minas Gerais. Ele apresentará os dados coletados pela pesquisa da política e que já identificou mais de 300 periódicos em Minas. O evento ainda terá uma palestra sobre “Portais de Periódicos: diretrizes para qualidade na diversidade”, com o professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) Ronaldo Ferreira de Araújo.

O evento é voltado para editores, técnicos e interessados na temática de periódicos e portal de periódicos. As inscrições devem ser feitas por meio do formulário online disponível aqui

A Mostra Inova Minas Fapemig é um evento que busca divulgar projetos de pesquisa realizados pelas universidades, centros de pesquisa e empresas para o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estado de Minas Gerais.

Política de Periódicos para Minas Gerais 

A Política de Periódicos para Minas Gerais é uma iniciativa da Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de Minas Gerais (FAPEMIG), com apoio da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ela é fruto de uma pesquisa que teve o objetivo de elaborar uma política específica para garantir a gestão dos periódicos científicos existentes no estado.

O portal Periódicos de Minas é uma das ações da Política, sendo uma plataforma digital de acesso aberto onde será possível visualizar um perfil com informações básicas de mais de 300 revistas científicas, além de divulgar informações sobre aspectos relativos à realidade dos periódicos e eventos que serão promovidos pelo portal.

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) possui seis periódicos cadastrados no portal, sendo eles:

  • Ciência e Agrotecnologia;
  • Coffee Science;
  • INFOCOMP Journal of Computer Science;
  • Organizações Rurais & Agroindustriais;
  • Revista Brasileira de Biometria;
  • Cerne.

Redes sociais

Mais informações sobre o evento de lançamento e sobre a Política de Periódicos para Minas Gerais serão divulgadas nas redes sociais do Portal:

Facebook: /PeriódicosdeMinas

Twitter: @periodicosminas

Informações: Equipe Periódicos de Minas

 

Fapemig: Pesquisas vão aprimorar o queijo artesanal

O queijo, parte da cultura e da história de Minas Gerais, é tema da mais recente chamada pública divulgada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – Fapemig. O objetivo é financiar propostas de pesquisa que contribuam para promover a sustentabilidade e a melhoria da qualidade em toda a cadeia do queijo artesanal.

As propostas de investigação podem relacionar-se a diferentes linhas temáticas: qualidade do leite para produção do queijo artesanal; processos de higienização; condições de acondicionamento, armazenamento, transporte e comercialização; entre outras. Os pesquisadores interessados têm até o dia 16 de outubro para encaminhar o projeto, que será analisado pelas Câmaras de Assessoramento da Fundação.

Ao todo, R$1 milhão será destinado às propostas aprovadas. O presidente da Fapemig, Evaldo Vilela, destaca algumas particularidades desta chamada. “A expectativa é financiar projetos que tenham aplicação imediata. Por isso, entre as exigências da proposta, está a previsão de parceria com produtores de queijo artesanal de Minas Gerais e de certificação para esses produtores, conforme normas vigentes”.

A chamada pode ser acessada aqui. Dúvidas podem ser encaminhadas para a Central de Informações da Fapemig pelo e-mail ci@fapemig.br .

Informações da Assessoria de Comunicação Social da Fapemig

Agricultores da Cohab capacitaram-se em horticultura, por meio de projeto da UFLA

Os agricultores da horta comunitária da Cohab receberam, na noite de ontem (5), os certificados do curso de Atualização em Produção de Hortaliças, promovido pelo Setor de Sementes do Departamento de Agricultura (DAG) da UFLA. O curso foi ministrado de 10 de maio a 28 de junho por professores e pesquisadores da UFLA e técnicos da Emater-MG. Diferentes conteúdos foram abordados nos encontros, sempre realizados nas quartas-feiras, no Centro de Referência em Assistência Social (Cras/Cohab).

Entre os assuntos vistos, constaram: adubação orgânica; compostagem; preparo e correção do solo; formação de canteiros; produção e propagação de mudas; manejo e controle biológico de pragas e doenças. Os conteúdos foram voltados à agricultura sustentável. Os produtores utilizam as hortaliças para o consumo e para venda no próprio local.

A certificação marca o encerramento da segunda fase do projeto “Horticultura urbana e seus benefícios nutricionais, econômicos, ambientais e sociais”, aprovado no edital “Apoio a projetos de Extensão em Interface com a Pesquisa”, da Fapemig (Edital 07/2014). Esse projeto busca proporcionar às famílias do bairro maior produtividade de hortaliças, legumes e frutas, mais acesso a alimentos com alto valor nutritivo e melhorias nas condições de vida.

Além da certificação, o projeto aprovado concedeu recursos para a construção de cercas, caixa d’água e materiais de irrigação, insumos, entre outros. Tudo isso foi providenciado na primeira fase do projeto, que também contou com apoio para a criação de regulamento interno e revisão do estatuto dos produtores da horta, além de outros documentos para a legalização do terreno. Quarenta e cinco famílias do bairro são beneficiadas, podendo produzir em áreas concedidas pela Prefeitura Municipal de Lavras.

“Agora começa a fase de acompanhamento do projeto. Vamos monitorar e assessorar durante toda produção e, além disso, um grupo de estudantes do curso de Nutrição continua fazendo o acompanhamento nutricional das famílias em longo prazo”, aponta o coordenador do projeto, professor João Almir de Oliveira (DAG). O resultado foi promissor, para ele: “Houve a transformação de um terreno baldio em uma área produtiva. E o aumento do número de agricultores: de 15 famílias, hoje são 45, produzindo alimentos com técnicas de agricultura orgânica, durante este pequeno período da implantação do projeto já é nítido o aumento da produção na área de cada associado”.

O vice-prefeito de Lavras e também secretário de Assuntos Rurais da cidade, Edson Alves de Abreu (“Duti”), enalteceu o empenho dos agricultores ao longo dos anos: “A horta comunitária é um modelo que deu certo”, parabenizou. Ele e a gerente da Secretaria de Assuntos Rurais Roseane Maria Evangelista Oliveira reforçaram que a Secretaria de Assuntos Rurais está estudando a implantação de uma feira para comercialização dos produtos desta horta, na Praça Dr. José Esteves (Praça da Estação).

O técnico da Emater-MG Elter Rodrigues Vieira reforçou que o órgão está aberto para esclarecer dúvidas dos produtores e aconselhou-os a sempre aprimorarem a produção. Já o presidente da Associação dos Produtores de Hortaliças da Cohab, Ronan Alves, parabenizou a todos os agricultores pelo desenvolvimento da horta comunitária, que já possui 16 anos.

O projeto de extensão e pesquisa envolveu a estruturação da horta e orientações aos agricultores, relacionadas da produção à nutrição. Mais detalhes sobre este projeto podem ser vistos em reportagem publicada no Jornal UFLA nº 105 – “UFLA atua em projeto de horta comunitária na Cohab” – Acesse o Jornal UFLA aqui.

 

Inbatec e Nintec têm recursos aprovados em chamadas da Fapemig

A Incubadora de Empresas de Base Tecnológica (Inbatec) e o Núcleo de Inovação Tecnológica (Nintec) foram contemplados com recursos de duas chamadas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), cujos resultados foram divulgados recentemente.

Pela Chamada 06/2016, de Apoio a Incubadoras de Empresas de Base Tecnológicas (IEBT’s), a Fapemig apoiará 14 projetos cujo foco é o desenvolvimento das empresas incubadas, a fim de que elas atinjam resultados na geração de novos produtos, processos e serviços. Nesse edital, a Inbatec aprovou recursos no valor de R$89.880,00. Essa chamada está de acordo com as Leis de Inovação Federal nº13.243/2016 e Mineira nº17.348/2008, que dispõem sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica, e atendem à orientação programática da Sectes, observadas as diretrizes de políticas dispostas pelo Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia (Conecit). Neste edital, a Fapemig alocou cerca de R$ 1 milhão de recursos. O prazo de execução de cada proposta é de até 24 meses.

A Inbatec é responsável pelo desenvolvimento da cultura empreendedora na Instituição e realiza processo de incubação de empresas de base tecnológica, abrigando os empreendimentos cujos produtos, processos ou serviços são gerados com base nos resultados de pesquisas aplicadas – nas quais a tecnologia agrega alto valor.

A chamada 04/2017 teve seu resultado divulgado no final de junho. Das 29 propostas enviadas, 12 foram aprovadas, incluindo a da UFLA. Com isso, o Nintec/UFLA foi contemplado com R$43.992,27. O investimento que a Fapemig fará em todas as 12 propostas aprovadas é de quase R$500 mil. O Nintec é o órgão responsável pela gestão da política de inovação tecnológica e de proteção ao conhecimento gerado na Universidade.

 

Prêmio de Pesquisa Básica Mares Guia recebe inscrições até 2 de junho

Instituições e empresas, além de empresas jovens, podem se inscrever, até o dia 2 de junho, no Prêmio de Pesquisa Básica Marcos Luiz dos Mares Guia. Em 2017, o Prêmio contemplará organizações com atuação em ciência e tecnologia e que tenham se distinguido na condução de estudos e pesquisas básicas que contribuíram para o avanço do conhecimento científico e que apresentem potencial para subsidiar o desenvolvimento de soluções para problemas da humanidade. Entre as organizações que podem participar, incluem-se empresas incubadas, aceleradas, laboratórios que trabalham com pesquisa básica, startups e spin-offs.

A inscrição pode ser feita pelos seus representantes legais. Para isso, é necessária a apresentação de um dossiê descritivo da pesquisa, ou conjunto delas, entre outras exigências que constam no regulamento do prêmio. A documentação deve ser encaminhada pelos Correios até o dia 2 de junho de 2017, à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) – Prêmio de Pesquisa Básica “Marcos Luiz dos Mares Guia” – Av. José Cândido da Silveira, 1500, Bairro Horto – Belo Horizonte – MG – CEP 31035-536.

A premiação será de R$ 15 mil para o vencedor de cada categoria, valor que deverá ser empregado no desenvolvimento de pesquisas básicas pelas instituições contempladas. Por pesquisa básica, entende-se aquela que busca compreender a natureza e aumentar o conhecimento humano. Mesmo que não haja como antecipar seus efeitos, é possível conduzir pesquisas básicas a partir da identificação de necessidades da sociedade.

Nos anos pares, o prêmio é concedido nessa e na categoria Pesquisador. Nos anos ímpares, o prêmio é voltado às instituições e empresas, públicas ou privadas, sediadas no Estado de Minas Gerais. O professor Matheus Puggina de Freitas, do Departamento de Química da UFLA (DQI), foi o vencedor do Prêmio em 2016 na categoria Jovem Pesquisador.

Criado pelo Governo do Estado, por meio da Fapemig, e com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), o prêmio tem como objetivo reconhecer pesquisadores mineiros que trabalham em instituições públicas ou privadas que atuação na área de Ciência e Tecnologia no Estado.

Acesse aqui informações sobre o Prêmio Mares Guia – 2017

 

Prêmio de Pesquisa Básica “Mares Guia” foi lançado na UFLA

Instituições ou empresas, assim como empresas jovens, podem participar desta edição

O lançamento da chamada do Prêmio de Pesquisa Básica Marcos Luiz dos Mares Guia foi realizado no dia 23 de março, na Universidade Federal de Lavras (UFLA). Neste ano, o prêmio será concedido à instituição/empresa e a empresa jovem (o que contempla empresas incubadas, aceleradas, laboratórios que trabalham com pesquisa básica, startups e spin-offs) que, através da pesquisa básica, contribuam significativamente para o desenvolvimento da ciência e para subsidiar soluções aos problemas da humanidade.

A cerimônia contou com a presença do reitor da UFLA, professor José Roberto Soares Scolforo, a vice-reitora da UFLA, professora Édila Vilela de Resende Von Pinho, o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), professor Evaldo Vilela, e o pró-reitor de Pesquisa da UFLA, professor Teodorico de Castro Ramalho. Também participaram os membros da Comissão Julgadora do Prêmio, professores Márcia Paranho Veloso, da Universidade Federal de Alfenas (Unifal), e Wolney Lobato, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Minas).

O presidente da Fapemig, Evaldo Vilela, ressaltou a importância que o Prêmio está ganhando no Estado. “Estamos aqui para enaltecer a ciência, fomentar CT&I, mas também premiar os talentos que por meio de suas ações e pesquisas possibilitam gerar inovação, oportunidades e renda. Hoje sabemos, por exemplo, que as startups criam e geram empregos e a Fapemig vem investindo nisso”, disse.

O reitor da UFLA abordou a importância de oferecer à sociedade um retorno sobre a pesquisa produzida na Universidade: “Precisamos ter em mente que somos financiados pela população e como tal temos a missão de retornar para a sociedade, por meio das pesquisas financiadas, os benefícios que contribuam para sua qualidade de vida”. Nesse sentido, Scolforo exaltou o trabalho de cientistas da Universidade, como os professores Magno Antonio Patto Ramalho e Alfredo Scheid Lopes. Sua pesquisa culminou em novos cultivares e na utilização do cerrado para a agricultura, respectivamente, trazendo importantes avanços à atividade agrícola e à produção de alimentos.

O pró-reitor de Pesquisa, professor Teodorico, parabenizou a iniciativa do Prêmio e considerou ser uma honra para a UFLA sediar o lançamento. Ele também enfatizou a importância da pesquisa: “Sem ela, não há ensino”. O professor Matheus Puggina de Freitas, do Departamento de Química da UFLA (DQI), foi o vencedor do Prêmio em 2016 na categoria Jovem Pesquisador. Nos anos pares, o prêmio é concedido nas categorias Pesquisador e Jovem Pesquisador. Nos anos ímpares, o prêmio é voltado às instituições e empresas, públicas ou privadas, sediadas no Estado de Minas Gerais.

Inscrições

As inscrições para concorrer ao prêmio estarão abertas a partir de 25 de março e deverão ser encaminhadas pelos Correios até o dia 2 de junho de 2017, à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) – Prêmio de Pesquisa Básica “Marcos Luiz dos Mares Guia” – Av. José Cândido da Silveira, 1500, Bairro Horto – Belo Horizonte – MG – CEP 31035-536.

Neste ano, o prêmio vai chegar a R$30 mil em dinheiro na soma das duas modalidades e os interessados já podem ter acesso à ficha de inscrição.

Acesse aqui informações sobre o Prêmio Mares Guia – 2017

Com informações da Fapemig.