Pesquisador da UFLA trata de comércio direto entre cafeicultores e torrefadores/cafeterias

O agronegócio café apresenta diversos agentes e mecanismos que permeiam sua cadeia produtiva. Um deles, surgido recentemente, é o Direct Trade (Comércio Direto), que pode ser entendido como um modelo de negociação entre cafeicultor e torrefador/cafeterias, voltado mais especificamente à comercialização de cafés especiais, reduzindo agentes intermediários no processo.

Procurando aprofundar o tema, o pesquisador do Centro de Inteligência em Mercados (CIM), vinculado à Agência de Inovação do Café (InovaCafé) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Nilmar Diogo Reis, desenvolveu o estudo “O Direct Trade no agronegócio café: uma perspectiva de seus agentes”, objeto de dissertação de mestrado defendida em fevereiro de 2018, no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UFLA), sob orientação do professor Luiz Gonzaga de Castro Junior.  

Segundo Reis, o modelo do Direct Trade tem demonstrado substancial tendência de expansão – no Brasil e no mundo – no comércio de cafés de qualidade superior. “No entanto, falta um norteamento quanto à definição de quais são as premissas para atuação no segmento, seja da parte do cafeicultor, das torrefadoras e/ou das cafeterias, e até mesmo do intermediador estratégico, no caso as exportadoras, o que dificulta a comercialização”, ressaltou. Assim, a proposta do trabalho foi analisar, por meio da teoria da Economia dos Custos de Transação (ECT), quais premissas levam à atuação via Direct Trade.  

A pesquisa procurou analisar as características dos agentes, o modo que realizam suas transações, bem como o ambiente institucional em que ocorre a comercialização dos cafés especiais, propondo medidas que minimizem a ocorrência de custos transacionais elevados. “O Direct Trade permite uma estrutura de governança mais enxuta do que a cadeia do agronegócio café tradicional. Ele também reduz a possibilidade de ações oportunistas, já que a assimetria de informação tende a ser pequena, permitindo uma relação bilateral eficiente e ampliando a racionalidade dos agentes quanto às possibilidades de ganhos”, explicou.  

Pesquisa

Além de pesquisas documentais e bibliográficas, o trabalho contou com entrevistas presenciais com produtores Direct Trade da mesorregião do Sul de Minas, além de torrefadoras e cafeterias da mesma região e da Costa Leste do Estados Unidos (Nova Iorque). A intenção foi detectar, in loco, os comportamentos dos agentes e as relações frente a esse novo modelo de negócio.  

Como uma das constatações da pesquisa, foi possível observar que grande parte das aquisições feitas pelo Direct Trade não exige algum tipo de certificação (como FairTrade ou Rainforest Alliance), pois priorizam fatores como confiança, relação mútua entre os agentes, contatos a longo prazo, entre outros. Outra constatação está ligada ao desconhecimento de parte dos produtores em relação à qualidade e ao potencial de ganho de seus cafés. “Isso favorece ações oportunistas de agentes que complexificam as etapas de comercialização, diminuindo a lucratividade dos produtores”, pontuou.  

A pesquisa identificou, ainda, que mesmo sem a formalização por meio de contratos entre cafeicultores e torrefadoras e/ou cafeterias, foi possível obter altos valores pagos à saca de cafés especiais, o que têm robustecido a expansão da produção e venda via Direct Trade tanto no mercado interno como no exterior.    

Ascom Inovacafé

Grupo Teatro Construção completa 40 anos: a celebração será no domingo (1/7) com a participação da Orquestra UFLA

 

Neste ano, o Grupo Teatro Construção completa 40 anos de existência. Fundado em 27 de junho de 1978, por Homero de Carvalho Faria, atualmente, o Grupo conta com a direção de Ricardo Calixto. O grupo escreve sua trajetória por várias cidades mineiras e em outros estados, e com isto, leva o teatro lavrense a vários lugares. 

Para celebrar uma data tão importante, no próximo domingo (1/7), às 9h30, na Praça Dr.Augusto Silva, será realizado um evento que contará com o espetáculo Romeu e Julieta, de William Shakespeare e direção de Ricardo Calixto. Espetáculo que acabou de ser selecionado para representar Lavras em mais um Festival Nacional de Artes Cênicas de Conselheiro Lafaiete. 

Além do Espetáculo “Romeu e Julieta”, o Grupo Teatro Construção receberá a presença de amigos artistas como a Orquestra da UFLA, a banda Cabelinho da Lua, o artista Gabriel Uei e dois BBoys (artistas do rap). 

Hoje, o Teatro Construção é considerado um dos grupos de teatro mais antigos do País ainda ativo. A missão do Grupo é, acima de tudo inspirar pessoas para a arte e a vida. Também tem como missão produzir, com qualidade, peças de diversos estilos teatrais, autores renomados e espetáculos originais. 

“Ao longo de quatro décadas, foram diversos espetáculos, por várias cidades brasileiras, oficinas e cursos, participações e parcerias importantes como a UFLA, UFJF, Ideia Brasil, Marcus Paullus e tantos outros amigos e parceiros. Muitos festivais, representando a cidade de Lavras por todo o País”, comentam. 

 

 

Inscrições abertas para a 9° edição do Música no Museu

Estão abertas as inscrições para a 9° edição do Música no Museu. O Sarau irá ocorrer dia 28/6, às 19h30, no Museu Bi Moreira (Campus Histórico da UFLA). Os ingressos estarão disponíveis a partir do dia 25.

Inscreva sua apresentação de poesia, representação dramática, performance com instrumentos ou canto ou outra manifestação artística pelo e-mail musica@proec.ufla.br

Para mais informações, entre em contato: (35) 3829-1585

Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

Famílias atendidas pelo Cras Nova Lavras visitaram a UFLA e receberam dicas de alimentação saudável

Trinta famílias em situação de vulnerabilidade e risco social, atendidas pelo Centro de Referência e Assistência Social (Cras) Nova Lavras, visitaram, pela primeira vez,  o câmpus da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e receberam orientações de saúde nutricional na última sexta-feira (22/6). O passeio surgiu da parceria do Departamento de Nutrição (DNU/UFLA) com a unidade pública estatal.

Durante o passeio, as famílias percorreram o Câmpus Histórico da UFLA, visitaram o museu Bi Moreira, conheceram departamentos da Universidade e retiraram dúvidas sobre alimentação saudável.  No encontro, os estudantes do DNU Emilly Barreto e Breno Biazotto explicaram a importância de se consumir vegetais no cotidiano, os perigos da ingestão de conservantes presentes em produtos industrializados e falaram sobre a alimentação orientada aos diabéticos. 

“Orientamos o consumo de maça com casca e banana com aveia para aumentar a ingestão de fibra e, consequentemente,  diminuir a liberação de açúcar no sangue”,  disse Emilly Barreto. “Outra recomendação foi consumir de três a cinco porções de refeições diárias, com uma quantidade que cabe na palma da mão”, informa Breno Biazotto.

A visita foi proposta pelos próprios graduandos de Nutrição Emilly Barreto e Breno Biazotto, responsáveis por dar dicas de segurança alimentar às famílias assistidas pelo serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif), programa que integra o Cras Nova Lavras.  Desde abril, os estagiários acompanham 60 pessoas atendidas pelo benefício do governo federal.

“A demanda surgiu a partir da disciplina de Ações de Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva. Algumas pessoas informaram que nunca conheceram a UFLA. Então, enviamos a proposta para o Departamento de Nutrição e recebemos apoio para a ação”, informou Emilly Barreto.

O psicólogo do Cras Nova Lavras, Daniel Faustino de Melo, afirma que o encontro foi importante para desenvolver a saúde mental e física as famílias que recebem trabalho social desenvolvido pelo Cras.  “Essa oportunidade ajudou no fortalecimento do grupo e possibilitou que mães descansassem com seus filhos em um ambiente prazeroso. Nossa intenção agora é conhecer o Observatório de Políticas Públicas da UFLA, uma vez que é uma forma de eles terem acesso às políticas públicas”, ressaltou.

A pensionista Maria Nandir, de 67 anos, parabenizou  o encontro. “Moro no bairro Alterosa e apenas passeava  na UFLA quando meus netos eram crianças. Hoje não saio de casa nem para ir ao centro da cidade. Essa visita foi tão agradável que pretendo vir sempre”, contou.

Moradora do bairro Bandeirantes, a pensionista Antônia Rita Silva, de 65 anos, revelou que conhecer a Universidade era um sonho. “Moro em Lavras há 50 anos e nunca tinha tido a oportunidade de saber o que se faz na UFLA”, disse.

Entenda

O Cras é uma unidade pública estatal que funciona como porta de entrada do Sistema Único de Assistência Social. Ele fica localizado em áreas com maiores índices de vulnerabilidade e risco social. O Cras Nova Lavras atende famílias de 28 bairros do município de Lavras.

Um dos seus principais serviços é o da Proteção e Atendimento Integral à Família (Paif), que, de acordo com o governo federal, “visa fortalecer a função protetiva das famílias, prevenindo a ruptura de vínculos, promovendo o acesso e usufruto de direitos e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida”.

 

Pollyanna Dias, jornalista- bolsista Dcom/Fapemig  
Ana Carolina Rocha, estagiária Dcom/UFLA

Novos servidores: posse realizada em 20/6

A carreira docente na UFLA teve início no dia 20/6 para mais dois professores. Eles foram empossados no Salão dos Conselhos, prédio da Reitoria, e atuarão nos departamentos de Ciência do Solo (DCS) e de Engenharia (DEG).

Foram empossados Teotonio Soares de Carvalho, da área de microbiologia e bioquímica do solo (DCS), e Filipe Augusto Gaio de Oliveira, da área de processos de fabricação mecânica (DEG).

A vinda dos professores foi enaltecida pela vice-reitora, professora Édila Vilela de Resende Von Pinho. Para ela, parte expressiva do sucesso da Universidade deve-se aos profissionais qualificados que integram a Instituição.

A pró-reitora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, professora Débora Cristina de Carvalho, abordou o recente crescimento com qualidade da UFLA, e ressaltou que os novos professores encontrarão uma estrutura privilegiada.

Segundo Teotonio Soares de Carvalho, essa conquista significa muito. “É a concretização de um objetivo que levou muitos anos de estudo”. Filipe Augusto Gaio de Oliveira também resume o que a posse significou: “um objetivo na carreira, um sonho desde a graduação”.

Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA.

II Vivências Musicais – Orquestrando o Sábado

 No dia 30/6, será realizado na UFLA o projeto Vivências Musicais. O evento terá início às 19h, no Salão de Convenções, reunindo músicos da Lavras, São João del- Rei e Prados, em uma parceria com o curso de Música da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).

A entrada no evento é franca e não é necessário realizar retirada prévia de ingresso.

Rafael Paiva, estagiário Dcom/UFLA

UFLA promove curso sobre a obra de Beethoven – próximo encontro será realizado em 29/6

A Coordenadoria de Cultura da Pró-reitoria de Extensão e Cultura da UFLA (Proec) convida a todos para mais um encontro do curso “Beethoven: uma vida de música”. O evento ocorrerá dia 29/6 no Museu de História Natural (Campus histórico da UFLA)  das 19h às 21h.

Este encontro será uma oportunidade de aprender um pouco mais sobre a vida e obra de Beethoven, além de contar com a audição da Sinfonia nº. 4 em Si bemol maior, Op. 60, comentada pelo maestro Daniel Paes de Barros.

Mais informações e contato: (35) 3819-1585 – musica@proec.ufla.br

Ana Carolina Rocha, estagiária Dcom/UFLA

UFLA na mídia: curso de aperfeiçoamento em Cultura do Algodão é divulgado no Jornal da EPTV

Teve início na Universidade Federal de Lavras (UFLA) a terceira edição do Curso de Aperfeiçoamento “Capacitação e Transferência de Tecnologia na Cultura do Algodão” para países africanos. O Jornal da EPTV/Sul de Minas divulgou a visita que os 33 participantes – profissionais vindos do Malawi, Moçambique, Quênia, Tanzânia e Zimbádue – realizaram em Pouso Alegre e Monte Sião na última semana. Confira aqui a matéria. 

A capacitação é uma iniciativa da UFLA e da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE), com o apoio do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA) e da Associação Mineira dos Produtores de Algodão (AMIPA). Durante 90 dias, os participantes vão conhecer todas as etapas de produção do algodão, por meio de aulas teóricas e práticas, além de técnicas gerais na área de produção agrícola. O objetivo é impulsionar a geração de empregos e o aumento de renda, com consequente melhoria na qualidade de vida dos agricultores africanos.

 

UFLA na mídia: pesquisa sobre formas de recuperação de ambientes degradados em Mariana é destaque no G1 Sul de Minas

Uma pesquisa coordenada pela professora Soraya Alvarenga Botelho, do Departamento de Ciências Florestais da Universidade Federal de Lavras (DCF/UFLA), avalia se as espécies nativas da região de Mariana (MG) foram afetadas com o rompimento da barragem do Fundão, buscando saber se essas serão capazes de germinar, crescer e sobreviver adequadamente sobre o material constituído pela lama.

Apesar de a pesquisa ainda não ter sido concluída, alguns resultados já podem ser constatados. Segundo Soraya, os experimentos indicam que, a longo prazo, será possível a recuperação da área atingida pelos rejeitos em Mariana.

Confira as matérias completas em:

Dcom: https://bit.ly/2sz1zu0

G1 Sul de Minas: https://glo.bo/2MjSFbc

Dicas de português: use pôr nas locuções

Assim como falar quase substitui dizer no uso comum, colocar praticamente assumiu todas as funções de pôr. Mas é preciso distinguir.

Colocar significa pôr em algum lugar e emprega-se para coisas materiais: Colocou os talheres na mesa. / Dois homens colocaram os quadros na parede. / Colocou o tapete na sala.

Pôr aparece nas locuções e frases feitas (este é o caso principal em que colocar é usado de maneira inadequada), no sentido figurado e na definição das coisas abstratas e do espírito. Assim: Pôs em prática o que havia prometido. / Pus os pensamentos em ordem. / Pusemos os adversários frente a frente.

Da mesma forma: pôr em pratos limpos, pôr em xeque, pôr o dedo na ferida, pôr um ponto final, pôr fogo em, pôr o assunto em dia, pôr a mesa, etc.

Apesar disso, repare como a predominância absoluta hoje é de frases como: “Colocou fogo” no mendigo. / “Colocou” o assunto em pratos limpos. / “Colocou” o adversário em xeque. / “Colocamos” o dedo na ferida.

Seja rigoroso: falar não é dizer e colocar não é pôr.

Paulo Roberto Ribeiro

DCOM

Universidade Federal de Lavras