Arquivo da categoria: Terciarias

Asteroid day: evento inédito na UFLA reuniu público de várias idades

No último sábado (30/6), a Universidade Federal de Lavras (UFLA) promoveu pela primeira vez, no Museu de História Natural, no câmpus histórico, o “Asteroid day”. O evento, que é anual, foi organizado pelos professores do Departamento de Física da UFLA (DFI/UFLA) José Alberto Casto Nogales Vera e Karen Luz Burgoa Rosso, responsáveis pelo projeto “Magia da Física e do Universo”, no qual estão incluídas as atividades da oficinal Festa das Estrelas. O objetivo foi promover a conscientização do público sobre os asteroides no mundo.

A programação começou às 19h e terminou às 22h. Professor Nogales e professora Karen fizeram uma breve apresentação das atividades do projeto que foram desenvolvidas no primeiro semestre. Logo após, o astrônomo amador que faz parte dos “Astrônomos sem Fronteiras” Cledison Marcos da Silva fez uma palestra sobre os asteroides, abordando descoberta, características, especificações, potencial de perigo para a Terra e curiosidades. Ele integra também a Bramon, organização sem fins lucrativos que tem como missão monitorar os meteoros, por meio de estações com softwares específicos, capazes de capturar dados e fornecê-los à comunidade científica. “Os asteroides são restos da formação do Sistema Solar. Nada mais é que um monte de entulho que fica girando em torno do sol. O termo “asteroide” vem do grego “áster”, estrela, e “oide”, semelhança. Que quer dizer uma quase estrela. Podemos afirmar que é um ponto brilhante que se movimenta”, explica Cledison Marcos.

Após a palestra, o público participou da observação astronômica, que ocorreu na rotatória próxima ao Museu. Foi possível observar cinco planetas, um cometa e o asteroide Vesta. “Nós realizamos a Festa das Estrelas desde 2011. E nossa clientela cresce a cada dia. Fazemos todos os sábados à noite. E como 30 de junho é dia do asteroide, nada melhor que realizar uma atividade para destacar essa data, com o Asteroid day”, diz professora Karen.

Amanda Maira do Nascimento veio com o esposo Diego de Abreu Cardoso e o filho Davi Nascimento Cardoso, de 5 anos, para participar do Asteroid day. Segundo ela, apesar da idade, o pequeno Davi é um admirador do céu. “Ele ama ficar olhando as estrelas e estava super ansioso para observar o asteroide Vesta”, conta. David Marques Alves de Jesus, de 11 anos, é um apaixonado pela astronomia. É curioso e inteligente. Aluno do Centro de Desenvolvimento do Potencial e Talento (Cedet), ele já faz aulas de inglês, participa de uma atividade no curso de Engenharia de Controle e Automação e também faz aulas de astronomia na Universidade. “Eu gosto muito desse tema. Minha vontade é buscar cada vez mais conhecimento e me tornar um astrofísico”, conta.

De acordo com professora Karen com esse evento uma etapa foi finalizada e agora um novo ciclo começa em agosto com o evento “Astronomia Indígena”, que tratará de como os índios brasileiros observavam e liam a cúpula celeste. “Com essa correlação céu e chão, nós pretendemos fazer uma educação ambiental – o céu leva a mensagem, e não o caderno ou o livro. É preciso apenas saber observar”.

História do Asteroid day

O Asteroid day é um evento global que foi criado em 2014 pelo astrofísico e guitarrista da banda Queen Dr. Brian May junto com o ex-astronauta das missões Apollo Danica Remy e o cinegrafista Grig Richters. Foi em 30 de junho 2016 que as Nações Unidas declararam o Asteroid day como a data para conscientização sobre os asteroides. Já que nesse dia, no ano de 1908, um asteroide de chocou contra a Terra na Sibéria. Esse foi o fato histórico mais prejudicial que marcou o planeta. E por isso ficou conhecido como Evento de Tunguska.

Texto: Lisa Fávaro, jornalista – bolsista DCOM/Fapemig

Projeto Cria Lavras – pela primeira vez atletas da UFLA são convocadas para Pan Americano Universitário

Estudantes da UFLA e atletas pelo projeto Cria Lavras foram convocadas para o Fisu America Games, primeira edição do Pan Americano Universitário. Para a competição, foram convocados os atletas campeões dos Jogos Universitários Brasileiros 2017 (JUBs) nas provas individuais, estando cinco atletas da UFLA, pela primeira vez, entre eles: Camila Paulino de Paiva, que se classificou na prova 100 m com barreiras; Hellen Cristina Trindade Ferreira, classificada para a prova 5.000 m; Pamela Aparecida Simão André, competindo pela categoria salto triplo; e Jeniffer Nicole (líder do ranking brasileiro) e Ingrid Ellen da Silva Moreira no Heptatlo.

O evento ocorrerá entre os dias 19/7 e 29/7 na cidade de São Paulo, no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo e no Centro de Treinamento Paralímpico. O Pan Americano Universitário é organizado pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) com apoio do Comitê Paralímpico Brasileiro e a chancela da Federação Internacional de Desporto Universitário, reunindo 32 países em 13 modalidades esportivas, sendo três delas paralímpicas.

Confira as fotos da equipe:

Ana Carolina Rocha, estagiária Dcom/UFLA

Orçamento participativo em Portugal: Professor da UFLA apresenta projeto para transformar Coimbra em “Cidade Azul”

O professor está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

 O professor do Departamento de Administração e Economia da Universidade Federal de Lavras (DAE/UFLA) José Roberto Pereira inscreveu uma proposta no Programa de Orçamento Participativo de Coimbra, em Portugal. Dos 25 projetos concorrentes, 19 foram pré-selecionados e estão sob votação pela população local. Entre eles está o de autoria do professor da UFLA, que tem o objetivo de elevar Coimbra à categoria de Cidade Azul, por meio do selo concedido pela Blue Community, mesma organização que fez da UFLA a segunda universidade do mundo a ganhar o título de “Blue University”.

Os projetos que concorrem a uma vaga no orçamento participativo de Coimbra estão sob votação online, por meio da qual os habitantes locais podem se manifestar mediante autenticação do número do cartão de cidadão português. José Roberto fez em 12/6 a apresentação oral do projeto na Câmara Municipal de Coimbra (assista à apresentação). A divulgação e execução dos projetos vencedores ocorrerá a partir de 4/7. O aprovado receberá recursos para implementação da ideia.

As propostas candidatadas deveriam ter como prazo máximo de execução doze meses e um custo total igual ou inferior a 50 mil Euros. O projeto Cidade Azul pleiteia   o valor de 30 mil Euros e prevê realização de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) com alguns grupos de pessoas; realização de seminários, palestras e workshop com convidados estrangeiros; mapeamento dos pontos onde serão disponibilizadas as fontes de água ou bebedouros públicos no centro histórico; obtenção do selo azul junto ao Conselho dos Canadenses e divulgação internacional de Coimbra como cidade azul.

Sobre o movimento

Cidade Azul é um movimento global iniciado pelo Conselho dos Canadenses (Council of Canadians) para o uso justo e seguro da água, promovendo o trabalho de coalizões locais em todo o mundo. A “Cidade Azul” é aquela que adota estas 3 diretrizes comuns para o uso da água: 1- Que a água seja considerada um direito humano; 2- Que a água seja considerada um bem público sobre controle democrático; 3 – Que a “comunidade azul’ não utilizará água engarrafada em suas repartições públicas ou em eventos públicos, encorajando, sempre que possível, o uso da água distribuído pela empresa pública da localidade.

A estes três princípios segue-se uma igual distribuição da água e de seu tratamento responsável de forma a preservá-la para a natureza e as gerações futuras. Participar da Comunidade Azul significa adotar uma política ampla de redução do uso de garrafas plásticas e com isso reduzir o volume de lixo e poluição do meio ambiente. Várias cidades já fazem parte da Comunidade Azul, incluindo Paris, Berna, Berlim,  Cambuquira (Brasil) e  vários municípios do Canadá. Na avaliação do professor José Roberto, Coimbra já conta com uma excelente infraestrutura de saneamento e de qualidade da água, mas não adotou uma política pública da água como direito humano e para redução da venda de água engarrafada. “Assim, esta proposta ganha relevância ao tratar de um bem comum e de interesse público”, defende.

A pesquisa de pós-doutorado

José Roberto está em Portugal desde setembro de 2017, em estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. A pesquisa que desenvolve é intitulada “Gestão social da água mineral: uma análise comparativa entre Brasil e Portugal”. O objetivo do estudo é compreender como a água mineral, um bem público, é gerenciada no âmbito dos municípios de Cambuquira (Minas Gerais, Brasil) e em um município de Portugal, levando-se em conta a configuração institucional, as esferas públicas que se formam em torno desse bem público e os interesses representativos do Estado, da sociedade civil e do mercado por meio do Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE), como método de diagnóstico para elaboração de projetos de extensão universitária.

O diagnóstico visa a obter informações e estabelecer o ponto de partida para um processo dialógico permanente com a população e com essas organizações no sentido de elaborar projetos de extensão universitária adequados à realidade local. A pesquisa busca, dessa forma, incrementar conhecimentos científicos e tecnológicos em termos de gestão social da água mineral no Brasil e em Portugal, desenvolver e aperfeiçoar o método de Diagnóstico Rápido Participativo Emancipador (DRPE) como tecnologia social e formar pessoas na universidade e na sociedade que possam aplicar seus conhecimentos em prol da construção do bem comum e do interesse público no que diz respeito à gestão social da água mineral.

Contribuição no texto: Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

ONG de Cambuquira lança e-book com colaboração de professores e pesquisadores da UFLA

Na última segunda-feira (25/5) ocorreu o lançamento do e-book “Clamor das águas: A busca por nova identidade para as águas minerais do Brasil”, elaborado com a parceria de professores e pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA). A ideia do livro surgiu a partir do I Fórum Alternativo das Águas Minerais (I Fama Minerais), ocorrido em 14/4.

Segundo um dos autores, professor Valderí de Castro Alcântara, a obra é um produto coletivo a partir desse evento, da colaboração dos professores e pesquisadores e principalmente da parceria com a ONG Nova Cambuquira, que possui um projeto em colaboração com a UFLA por intermédio do Núcleo de Estudos em Administração Pública e Gestão Social (Neapegs). O livro trata dos conflitos, da multiplicidade e dos interesses que envolvem as águas minerais.  Além do formato e-book será lançado também a versão impressa.

Os autores da UFLA são do quadro do Departamento de Administração e Economia (DAE) e/ou ligados aos programas de pós-Graduação em Administração e Administração Pública: professores José de Arimatéia Dias Valadão, José Roberto Pereira e Valderí de Castro Alcântara, além das pesquisadoras Lindsay Teixeira Sant’Anna e Elaine Santos Teixeira Cruz.

Acesse o livro

Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

 

Música no Museu abre a programação cultural da UFLA

A   9° edição do Música no Museu foi realizada na noite dessa quinta-feira (28), no Museu Bi Moreira (Campus Histórico da UFLA). A atração marcou o primeiro ano das apresentações gratuitas que ocorrem toda última quinta-feira do mês, exceto nos meses de recesso acadêmico, já sucesso de público.

Participaram das apresentações individuais ou coletivas: estudantes, professores e técnicos administrativos da Universidade e pessoas da comunidade externa. Os corais Vozes do Campus e Canto das Nascentes também marcaram presença, assim como a Orquestra de Câmara da UFLA. Obras de grandes compositores brasileiros como Heitor Villa Lobos, Marlos Nobre, Alfredo da Rocha Vianna Filho (Pixinguinha), entre outros foram apresentadas na primeira parte do espetáculo. Já as composições internacionais como de Pietro Mascagni, Maria Theresia Paradis e Henry Purcell  ficaram para o segundo ato.

Pró-Reitor de Extensão e Cultura da UFLA, João José Granate de Sá e Melo Marques e maestro Daniel Paes de Barros Pinto

O projeto “Música no Museu” é organizado pela Coordenadoria de Cultura da Pró-Reitora de Extensão e Cultura (Proec). Para o Pró-Reitor de Extensão e Cultura da UFLA, professor João José Granate de Sá e Melo Marques, esses eventos culturais reforçam  o papel social da Instituição: “A função da universidade é não apenas promover o desenvolvimento técnico e científico, mas desenvolver o ser humano integralmente, e a cultura faz parte disso. A música tem um papel de destaque dentro da cultura, por isso, o desenvolvimento musical é uma das nossas prioridades”.

Continuando a programação cultural, sexta-feira (29) será realizado mais um encontro do curso “Beethoven: uma vida de música”, das 19h às 21h, no Museu de História Natural (Câmpus histórico da UFLA). O encontro é uma oportunidade de aprender um pouco mais sobre a vida e obra de Beethoven, além de contar com a audição da Sinfonia nº. 4 em Si bemol maior, Op. 60, comentada pelo maestro Daniel Paes de Barros. No sábado (30/6), às 19h, no Salão de Convenções haverá apresentação do projeto Vivências Musicais, reunindo músicos da Lavras, São João del- Rei e Prados, em uma parceria com o curso de Música da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Já no domingo, às 9h30, na Praça Dr. Augusto Silva, tem apresentação do Grupo Teatro Construção com o espetáculo Romeu e Julieta, de William Shakespeare e direção de Ricardo Calixto. Todas as apresentações são gratuitas e a comunidade está convidada a prestigiar.

Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom

“Asteroid day” ocorrerá pela primeira vez na UFLA neste sábado (30/6)

No dia 30/6 ocorrerá, pela primeira vez em Lavras, o evento internacional “Asteroid day”. As atividades terão início às 19h, no Museu de História Natural da UFLA, com duas palestras seguidas de observação a olho nu e com telescópios.

A primeira palestra será ministrada por Cledison Marcos da Silva, da Bramon e Astrônomos Sem Fronteiras, e terá como foco os asteroides, suas características e especificações desde a descoberta do Ceres até os dias atuais. A segunda palestra será ministrada pelos professores do Departamento de Física da UFLA (DFI) Karen Luz e José Nogales, com o tema o “Big bang e o Universo eterno”.

Para mais informações, acesse o link https://bit.ly/2IpZ9mv

Ana Carolina Rocha, estagiária DCOM/UFLA

UFLA sediou curso de Capacitação sobre Aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) sediou na manhã desta quinta-feira (28/6) um curso de “Capacitação sobre Aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social”, no anfiteatro do Departamento de Biologia.

O curso, realizado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), contou com a participação de aproximadamente 40 pessoas, de diversas cidades da região. A ação teve como objetivo orientar os profissionais do serviço público sobre os processos de requerimentos de aposentadorias e documentações relacionadas. As palestras foram ministradas pelos servidores do INSS Guilherme Barroso Mourão, Kleiton Luiz Machado, Paula Regina Wenceslau Lloyd e Tassia de Castro Muquem.

Servidores da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas (PRGDP) da UFLA participaram do curso. Para a servidora Juliana Resende Paviani, da Coordenadoria de Aposentadorias e Pensões, o curso foi essencial para o aperfeiçoamento dos integrantes do seu setor.

Expediente nos dias dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo

A Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas (PRGDP) informa o horário de expediente da Universidade Federal de Lavras (UFLA), em caráter excepcional,  nos dias dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol, na Copa do Mundo FIFA 2018, de acordo com a portaria nº 174, de 21 de junho de 2018, do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

Conforme disposto na referida portaria, ficou estabelecido que:

I – nos dias em que os jogos se realizarem pela manhã, o expediente terá início a partir das 14h00 (horário de Brasília); e

II – nos dias em que os jogos se realizarem à tarde, o expediente se encerrará às 13h00 (horário de Brasília).

Parágrafo único. As horas não trabalhadas, em razão dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol, serão objeto de compensação, nos termos do inciso II do art. 44 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, até o dia 31 de outubro de 2018.

Art. 2º Caberá aos dirigentes dos órgãos e entidades, nas respectivas áreas de competência, a integral preservação e funcionamento dos serviços considerados essenciais.

Art. 3º Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional permanecerão em funcionamento nos horários de realização dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo FIFA 2018, a fim de possibilitar aos agentes públicos a realização de suas atividades.

Orientações com relação à graduação:

Projeto da UFLA recebe crianças da comunidade para uma tarde brincante

No último sábado (23/6), a Universidade Federal de Lavras (UFLA), por meio do Grupo de Pesquisa sobre Formação docente e Práticas Pedagógicas (Forpedi), do Departamento de Educação (DED/UFLA), promoveu uma tarde brincante à comunidade. Trata-se de uma iniciativa do Projeto de Pesquisa e Extensão: Oficina do Brincar: formação docente comprometida com os brincares.

A ação contou com a participação de cerca de 200 pessoas, entre estudantes e professores, pesquisadores do Forpedi e do curso de Pedagogia da UFLA, na organização e proposição de brincadeiras; e com a presença da comunidade externa: crianças e familiares. A atividade teve o apoio das escolas da comunidade lavrense: Núcleo de Educação Infantil da UFLA (Nedi); Jardim Colibri e Instituto Presbiteriano Gammon.

As ações brincantes ocorreram em frente ao DED, que ganhou pinturas de brincadeiras tradicionais como Amarelinha, Bets, Jogo da velha na rua, transformando-se num convidativo espaço para brincar.

De acordo com a coordenadora da ação, professora Francine de Paulo Martins Lima (DED/UFLA), a ação revela uma preocupação com uma formação docente comprometida com a criança e seu pleno desenvolvimento: “Ações como essa permitem aos futuros professores, estudantes do curso de Pedagogia, a aproximação e o contato com a criança e com a comunidade, prevalecendo a ideia de uma necessária formação científica, mas essencialmente humana, requerida à formação docente”.

A coordenação do evento avalia que os resultados foram os mais positivos; “Adentramos pais, mães, professores, alunos/futuros professores e comunidade ao reino das crianças! Deixamos prevalecer o tempo humano, dos sorrisos, da partilha, da alegria do brincar. Resultado: brincantes surgiram de todas as partes sem se preocuparem com o tempo e com idade que comumente nos distanciam”.

Confira mais imagens do evento no link: https://www.facebook.com/pg/forpedi2017/photos/?tab=album&album_id=234989330430078

Projeto de pesquisa contribui para promoção da saúde e prática pedagógica na educação infantil de Lavras

Troca de experiência e de conhecimento a favor da “Promoção da Saúde e da Prática Pedagógica na Educação Infantil”. Esse é o título de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Lavras (DSA/UFLA), em parceria com a Diretoria de Avaliação e Desenvolvimento do Ensino (Dade), Diretoria de Educação a Distância (Dired) e a Prefeitura de Lavras, por meio das secretarias de Educação e Saúde.

Como parte do projeto, profissionais de escolas públicas municipais de Lavras participam de curso semipresencial que trata justamente da saúde e desenvolvimento de crianças. No último sábado (23) foram aplicados dois módulos do curso:“Educação alimentar e nutricional no contexto pré-escola” e “Desenvolvimento infantil”.O encontro reuniu 134 educadores, cantineiras, auxiliares de serviços gerais e outros profissionais, dos quinze Centros Municipais de Educação Infantil (Cemeis). As palestras ocorreram no anfiteatro do Departamento de Biologia (DBI), no câmpus da UFLA. O pró-reitor de Extensão e Cultura da UFLA, professor João José Granate de Sá e Melo Marques, acompanhou o início das atividades.

De acordo com a coordenadora geral do projeto e do curso, professora Miriam Monteiro de Castro Graciano (DSA/UFLA), a proposta principal é apresentar para profissionais que trabalham com educação infantil uma alimentação saudável e nutritiva e técnicas que contribuam para uma análise do desenvolvimento mais eficaz das crianças atendidas, com idade de 6 meses a 3 anos e 11 meses. “A ideia do projeto partiu de um trabalho de iniciação científica realizado em 2006. Foi feita uma pesquisa nessa área, pela qual realizamos, com estudantes de medicina, um levantamento (inquérito) do desenvolvimento de crianças de creches municipais. Já a proposta atual é testar a eficácia de ações educativas junto aos profissionais que atuam na educação infantil, avaliando o crescimento e o desenvolvimento de cada uma, conforme a faixa etária”, diz a coordenadora. O resultado das ações será inserido em uma forma comparativa. Será verificado se houve alguma mudança após as intervenções, por meio de exames médicos posteriores e avaliação da conduta alimentar e do perfil antropométrico e bioquímico das crianças.  A previsão é de que as atividades da pesquisa sejam encerradas em outubro deste ano. 

As palestras do primeiro módulo foram ministradas pelo aluno de mestrado em saúde da UFLA Luiz Felipe de Paiva Lourenço. Já o segundo módulo foi apresentado pela professora Miriam Monteiro. Para trabalhar as temáticas, os participantes foram divididos em grupos de estudo que vão avaliar como está a orientação nutricional e aspectos de desenvolvimento.

Após as palestras, os participantes tiveram 24 horas para planejar, a distância, atividades que estimulem cada faixa etária. Para a educadora Michele Aparecida Pimenta, o curso é muito interessante e importante para quem trabalha na educação infantil, principalmente a prática alimentar. “Nós sabemos que muitos alimentos contêm alto teor de gordura; e entender como inserir uma alimentação correta para que haja um desenvolvimento saudável é fundamental. Esse trabalho de boas práticas deve acontecer em conjunto com certeza”, enfatiza Michele. Erica Matias, também participante do curso, concorda que é preciso repensar a nutrição infantil, principalmente no ambiente escolar. “Até o carinho das cantineiras no preparo do alimento pode fazer a diferença. Esse hábito de comer bem, a criança acaba levando para a família. Até nós aprendemos a nos alimentar melhor”.O curso é dividido em 4 módulos. Os outros dois: “Saúde na Escola” e “Pedagogia de projetos e o desenvolvimento infantil” ocorrerão  em agosto 2018.

Texto: Lisa Fávaro – Jornalista, bolsista DCOM/UFLA.