Pesquisadores da UFLA estudam formas de recuperação de ambientes degradados em Mariana

Entre as consequências do rompimento da Barragem de Fundão em Mariana (MG), em 2015, está a degradação de áreas de florestas nativas às margens do Rio Gualaxo do Norte e do Rio Doce. Dos 37 milhões de metros cúbicos de lama que desceram pelos rios, uma parte se acumulou nas margens do curso d’água, em um volume que pode chegar a dois metros de profundidade e se estende por cerca de 100 quilômetros de extensão. Um desafio que surgiu a partir desse cenário é o de encontrar formas eficientes de garantira restauração de tais áreas, já que agora as árvores terão que germinar e se desenvolver em um novo material – a lama – que não possui as mesmas características do solo.

Para ajudar a resolver esse problema, uma pesquisa da Universidade Federal de Lavras (UFLA) está avaliando se espécies nativas daquela região da Bacia do Rio Doce são capazes de germinar, crescer e sobreviver adequadamente sobre o material constituído pela lama. Os estudos começaram em janeiro de 2017 e até o momento os pesquisadores já colheram, na região, sementes de 37 espécies de árvores nativas e prepararam mudas a partir delas.

Nesta primeira etapa do projeto, as sementes e mudas estão sendo cultivadas em viveiro da UFLA, sob condições controladas, para observação da capacidade de germinação das sementes e posterior crescimento das mudas. Para isso, a equipe utiliza nos testes a lama colhida na região e também o solo característico do local. No viveiro, as sementes das espécies foram plantadas na lama, no solo e em uma mistura de solo com lama. Os pesquisadores vão comparar os resultados de germinação em cada um desses materiais. Farão o mesmo com as mudas, para avaliar o crescimento e a sobrevivência.

A coordenadora da pesquisa, professora Soraya Alvarenga Botelho, do Departamento de Ciências Florestais (DCF), explica que até momento os experimentos indicam, embora ainda muito iniciais, que algumas espécies conseguem germinar mais facilmente; outras têm dificuldades para romper a crosta que se forma na superfície da lama. “Ainda há muito trabalho pela frente, porque depois que já tivermos os resultados dos experimentos feitos no viveiro da UFLA, precisaremos repeti-los em campo, no local afetado pelo rompimento da barragem. É um estudo de anos, mas ao final poderemos indicar as melhores metodologias para se garantir a recuperação adequada das matas daquele local degradado. Poderemos ou constatar que as espécies não sobreviverão e que será necessária alguma forma de intervenção naquele material, ou identificar que há espécies capazes de prosperar e indicar a melhor forma de fazer esse manejo”, explica a pesquisadora.

O estudo, dentro da UFLA, passa ainda por várias outras etapas: foi necessário confirmar a qualidade das sementes por meio de testes de germinação; a lama recolhida na região de Bento Rodrigues foi analisada para se identificar sua composição; mensalmente uma pequena amostra das mudas em análise precisa ser desmanchada para medição, pesagem e verificação do sistema radicular para acompanhamento das condições de crescimento; e em uma etapa posterior será necessário analisar a composição das plantas para verificar que se há alterações químicas em decorrência do tipo de material que lhes servem como substrato.

A pesquisa é uma das cinco em andamento na UFLA aprovadas em edital da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) – Chamada 04/2016 – que têm como objetivo colaborar no processo de recuperação, no Estado, das áreas afetadas pelo rompimento da barragem.

Fases da pesquisa

Solo x lama: entenda por que as diferenças trazem desafios para a recuperação da mata nativa

A olho nu é possível perceber a diferença entre o solo da região da Bacia do Rio Doce e a lama que se espalhou com o rompimento da barragem. A cor e a textura são bem diferentes. A professora Soraya explica que, no solo da região, está presente o minério de ferro, e quando ele é extraído, o que sobra do processo – o rejeito – é formado por componentes do solo, mas trata-se de um material que já não tem todas as características de um solo. Falta matéria orgânica e outros componentes. Esse material tem uma consistência diferente e seu comportamento diante da chuva ou da estiagem também é diferente. “No período seco, a superfície fica mais endurecida, como um tampão, e o interior permanece pastoso”, comenta.

Quando amostras do rejeito chegaram à UFLA, passaram por análises químicas. “Não identificamos metais pesados, como era o grande receio. Há um desequilíbrio de componentes em relação ao que se encontra normalmente no solo; o PH é mais alto e o teor de ferro também é mais elevado. Por ser um material diferente, que não podemos chamar de solo, são importantes os estudos que mostrem o melhor caminho para a recuperação da mata da nativa dos locais onde ele se acumulou”, explica.

De acordo com Soraya, a barragem do Fundão possuía 54 milhões de metros cúbicos desse rejeito, e o rompimento ocasionou deslizamento de 37 milhões, parte dos quais chegou ao mar, outra parte ficou retida em barragem existente no percurso (da usina hidrelétrica Risoleta Neves – Candonga) e uma parte acabou se acumulando às margens do rio. É sobre esse último caso que a pesquisa atua. Como ação emergencial, a fundação responsável pela recuperação já fez o plantio de espécies herbáceas, para evitar que o rejeito volte a se deslocar em período de chuvas, mas o desafio será o crescimento das árvores nativas que têm exigências e ciclo de vida diferente.