Mais de 350 pessoas participaram na UFLA do Simpósio Brasileiro de Doenças Negligenciadas

De 24/5 a 26/5 foi realizada na Universidade Federal de Lavras (UFLA) a quarta edição do Simpósio Brasileiro de Doenças Negligenciadas (IV SBDN). No total, mais de 350 pessoas participaram das atividades, que envolveram oficinas, minicursos, mesas-redondas, palestras e conferências. Além do público acadêmico, profissionais que atuam em redes de saúde de Lavras e região tiveram a oportunidade, por meio da programação, de ampliar seus conhecimentos sobre  doenças como leishmanioses, hanseníase, arboviroses (que incluem, por exemplo, dengue, zika, febre chikungunya e febre amarela), doença de chagas, helmintoses (ascaridíase, teníase e esquistossomose são exemplos), sífilis e HIV.

O diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Renato Vieira Alves, esteve na cerimônia de abertura e realçou a importância do intercâmbio entre academia e sociedade para controle e prevenção dessas doenças. “Designamos doenças negligenciadas, mas é o público afetado por tais doenças que, na verdade, é negligenciado; isso porque são as populações socialmente mais vulneráveis que estão mais expostas aos riscos. Por isso, não basta investir em cura e tratamento. É necessária uma atuação mais sistêmica e completa. Nesse ponto, a parceria com as universidades é uma saída fundamental”. Esta edição do SBDN teve justamente um tema focado nessa perspectiva: Reconstruindo a ponte entre a academia e a sociedade.

Para a vice-reitoria da UFLA, professora Édila Vilela de Resende Von Pinho, a extensão e a importância que o Simpósio alcançou são indicativos do avanço da UFLA em uma nova área do conhecimento e da qualidade com a qual esse avanço vem se dando. O chefe do Departamento de Saúde (DSA/UFLA), Thales Augusto Barçante, lembra também a importante missão do evento, ao colaborar com a formação dos estudantes e colocá-los em interação com os profissionais que estão nas redes de saúde.

De acordo com a presidente da comissão executiva Simpósio, professora Joziana Muniz de Paiva Barçante, 51 palestrantes e moderadores, de diferentes regiões do País, juntaram-se à UFLA e aos participantes na tarefa de debater um tema relevante para a saúde pública.  “Apesar de todos os problemas relacionados ao transporte, em meio à paralisação nacional, o evento superou positivamente todas as nossas expectativas: membros da equipe organizadora, participantes e palestrantes ultrapassaram os obstáculos e a programação científica foi cumprida integralmente, com pequenas adaptações nos horários. Ao final, o saldo foi extremamente positivo. Os palestrantes convidados elogiaram muito quesitos como receptividade, acolhimento, programação científica, organização e espaço físico da Universidade. Foram especialmente importantes para nós os comentários dos participantes acerca das ações de extensão que temos desenvolvido na área, pelas quais criamos um intercâmbio de conhecimentos muito grande com os profissionais dos programas de saúde da família, da unidade de pronto atendimento da cidade e dos hospitais. O projeto Minuto da Saúde e a comunicação com a sociedade demonstraram que, na UFLA, estamos conseguindo realmente fazer essa ponte tão necessária entre Universidade e sociedade”, resume Joziana.

Por eleição, ficou definido que o prêmio ofertado aos melhores trabalhos do Simpósio será denominado “Prêmio Carlos Chagas”. Nesta edição, três trabalhos de apresentação oral e três da modalidade de apresentação em pôster foram agraciados. O evento registrou 140 trabalhos inscritos.

Um pouco da programação

Entre as 27 atividades do IV SBDN estava a mesa que tratou do tema “Populações negligenciadas – abordagens inovadoras”, tendo como palestrantes professores da UFLA. Conheça pouco do conteúdo discutido nesse momento do evento:

População rural

A professora do Departamento de Ciências da Saúde (DSA) Miriam Graciano explicou que as doenças negligenciadas acabam replicando, em populações atingidas, ciclos de pobreza e desenvolvimento infantil deficitário. “A maioria das doenças negligenciadas são transmissíveis por parasitas ou infecções, colocando em risco a saúde, sobretudo, da população rural que não tem acesso à água tratada, esgoto sanitário e coleta de resíduos”, salientou.

Para ilustrar a gravidade do problema, a médica informou que exames feitos em mais de 1.200 moradores da zona rural de Alfenas, no sul de Minas Gerais, apontaram que 60% deles sofriam de intoxicação crônica e insuficiência hepática . “Os estudos evidenciaram  alto índice de mutagenicidade de células cancerosas, o que nos faz pensar que o principal motivo é o uso incorreto de agrotóxicos”, disse.

Indígenas

 A professora do Departamento de Ciências Humanas (DCH) Débora Cristina de Carvalho trouxe a tona o impacto da barreira cultural entre a medicina tradicional e a crença dos indígenas. “O maior problema é a reprodução de protocolos médicos universais dos quais os agentes de saúde têm extrema dificuldade de traduzir para o indígena”, frisou.

A socióloga colocou em pauta a necessidade de restabelecer a ponte entre a academia e a sociedade. “Para a população indígena ter acesso à saúde, professores e estudantes da área precisam ampliar a responsabilidade social e adotar o lugar do senso comum, dos saberes tradicionais”, argumentou.

Patentes

Segundo o professor do Departamento de Direito e coordenador-geral do Núcleo de Inovação Tecnológica (Nintec), Fellipe Guerra, a indústria farmacêutica despreza a busca por remédios para tratar as doenças negligenciadas devido ao alto custo das pesquisas e desenvolvimento dos fármacos  para atender as áreas pobres do planeta. “A patente é o estímulo fundamental para o interesse da empresa. Mas, infelizmente, a legislação brasileira acatou os interesses da política de patentes dos Estados Unidos. Para nós, é extremamente difícil inovar e, quando conseguimos, a logística de produção e distribuição. Como resultado, exportamos conhecimentos em forma de artigo científico e importamos medicamentos”, explicou.

Para Renato Vieira Alves, do Ministério da Saúde, é fundamental ampliar o acesso das populações de regiões com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) aos remédios eficientes que já estão no mercado para tratamento das doenças negligenciadas.

Assista à matéria da TVU sobre a abertura do IV SBDN

Clique e assista também a íntegra da cerimônia de abertura e da palestra de encerramento (O trabalho dos Médicos sem Fronteiras em vigilância epidemiológica de Doenças Negligenciadas) 

Doenças Negligenciadas

As doenças tropicais negligenciadas (DTNs) afetam, todos os anos, milhões de pessoas no mundo, principalmente de baixa renda. Causadas por vírus, bactérias, vetores e protozoários, esses males, muitas vezes, são consequências da falta de moradia e de saneamento básico. 

Tais enfermidades estão mais presentes do que se imagina: dengue, zika, chikungunya e leishmaniose são apenas algumas das doenças listadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como negligenciadas. Acesse o texto com informações mais detalhadas sobre as doenças negligenciadas.

No canal da UFLA no YouTube é possível saber um pouco mais sobre algumas das doenças negligenciadas, sobre doenças que agravam as doenças negligenciadas e vacinas (clique na miniatura e acesse os vídeos do Núcleo de Divulgação Científica):

Textos: Ana Eliza Alvim, Pollyanna Dias

Fotos: Laís Diniz, Melissa Vilas Boas e Pollyanna Dias

Matéria TVU: Laís Diniz e Melissa Vilas Boas