24 de Abril – Dia Nacional da Libras

24 de abril é o Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Apesar dos avanços em acessibilidade no Brasil, os surdos ainda enfrentam muitas barreiras para realizar suas atividades cotidianas em decorrência do pouco conhecimento da linguagem pela população em geral.   

Na UFLA, uma série de atividades são desenvolvidas para promover o ensino da Libras. A Instituição também conta com uma estrutura acessível para garantir condições para que pessoas com deficiência auditiva ingressem no ensino superior e tenham os recursos necessários para desenvolver todo o seu potencial no ambiente acadêmico, por meio do Programa de Apoio a Discentes com Necessidades Educacionais Especiais Coordenadoria de Acessibilidade, ligado à Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (Praec). Confira aqui as ações de acessibilidade da UFLA.

Ensino e difusão da linguagem

A Universidade oferece a Libras como disciplina da graduação – obrigatória para os cursos de licenciatura e Pedagogia, e eletiva para os demais. Além disso, tornou-se, em 2017, um dos 12 pólos no País a oferecer o Curso de Pedagogia Bilíngue Português -Libras, coordenado pelo Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines/MEC). A primeira turma ingressou no 1º semestre de 2018, com 50% das vagas destinadas a pessoas surdas e 50% a ouvintes que desejam ter a formação especializada acrescida dos conhecimentos em Libras.

Projetos de extensão também têm sido desenvolvidos pela Coordenadoria de Acessibilidade da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (Praec). O Projeto Asas, por exemplo, busca capacitar profissionais de saúde para atenderem a população surda com qualidade. Os membros do projeto são Tradutores e Intérpretes de Libras da Universidade e graduandos das áreas de Saúde (Educação Física, Nutrição e Medicina), além de outros participantes e colaboradores (incluindo surdos).  Há, ainda, o projeto de extensão Catils (Capacitação de Tradutores e Intérpretes de Libras), que promove a formação e a capacitação de tradutores e intérpretes de Libras de Lavras e região.

Além de ações que promovam o ensino da linguagem, desde 2015 a UFLA conta com dois servidores técnico-administrativos que são Tradutores e Intérpretes de Libras. Os profissionais têm atuado em diferentes frentes na Universidade, como a organização de eventos ligados à Educação de Surdos, a realização pesquisas na área dos Estudos da Tradução, produção de vídeos institucionais acessíveis em Libras, tradução de aulas Ead, entre outras atividades. Eles também atuam em parceria com as professoras de Libras do Departamento de Educação (DED), em um programa educativo chamado “UFLA acessível em Língua de Sinais”.

O servidor – tradutor e intérprete de Libras – e mestrando em Educação  Welbert Vinicius de Souza Sansão, e os mestrandos em Linguística Aplicada na UFLA, Rafael Carlos Lima da Silva e Thiago Lemes de Oliveira, produziram o texto abaixo como reflexão que a data de hoje exige:

 

 

24 de abril, dia da Libras

 

Rafael Carlos Lima da Silva¹
Welbert Vinicius de Souza Sansão²
Thiago Lemes de Oliveira³

 

            A comunidade surda brasileira (surdos, professores de Libras, tradutores e intérpretes, familiares e demais militantes da causa surda) comemora hoje o Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais -Libras, oficializado no ano de 2002:

É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais – Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
Entende-se como Língua Brasileira de Sinais – Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. (Lei nº 10.436)

            Embora o espaço escolar ainda seja o de maior demanda para o uso de Libras, é muito importante considerar também o uso de Libras nos demais espaços públicos: igrejas, autoescolas, delegacias, fóruns, comércio em geral, eventos, bancos, hospitais, rodoviárias, aeroportos, etc. A oficialização da Libras, enquanto fenômeno social, cultural e político da comunidade surda, veio para chancelar que surdos são sujeitos de direitos, com diferenças culturais, e que o primeiro artefato de manifestação desta diferença é a Língua Brasileira de Sinais.

            De acordo com o Censo 2010 do IBGE, existem 9,7 milhões de deficientes auditivos (surdos), e boa parte desta população utiliza Libras como sua língua principal de comunicação, pois, muitas vezes, possuem apenas um conhecimento básico da língua portuguesa. Por isso a importância de se estabelecer um canal de comunicação visual com as pessoas surdas. A Língua Brasileira de Sinais não é (apenas) do surdo. Estudos comprovam ser esta a Língua natural da pessoa surda. Logo, a Libras é de todos os brasileiros que integram esta comunidade e se interessam pelo aprendizado da língua, sejam eles surdos ou ouvintes. 

            Nesse sentido, sob o prisma da linguagem humana como fator de interação social e não apenas como instrumento de representação do mundo e do pensamento, a Libras, por ser uma língua legítima, é capaz de levar os surdos a maior mobilidade e fluidez nas formações discursivas surdo-ouvinte. Hoje, após 16 anos de oficialização, a Libras é muito pouco conhecida no Brasil. Isso se deve à pouca divulgação pelas instituições públicas e pelos próprios veículos de comunicação, como canais televisivos, jornais, revistas, internet, dentre outros. Além do carecimento de profissionais habilitados na área para promoverem o uso e difusão da Língua, gerando ambientes acessíveis linguisticamente.

Recuso-me a ser considerada excepcional ou deficiente. Não sou. Sou surda. Para mim, a língua de sinais corresponde à minha voz, meus olhos são meus ouvidos. Sinceramente nada me falta. É a sociedade que me torna excepcional…” O vôo da gaivota (Emmanuelle Laborrit)

 

Conheça alguns aplicativos tradutores para Libras:

ProDeaf: http://www.prodeaf.net/  (Android/iOS/Windows)

Hand Talk:  https://www.handtalk.me/app (Android/iOS)

TV INES, primeira WebTV bilíngue (Libras-Língua Portuguesa) do Brasil, com conteúdo 100% acessível para surdos e ouvintes: http://tvines.ines.gov.br/

¹Mestrando em Educação – Linguística Aplicada – UFLA. Licenciado em Pedagogia – FAETERJ. Pós-graduado em Língua Brasileira de Sinais – UNIASSELVI. Professor de Libras – Universidade Federal de Alfenas.
² Mestrando em Educação – Educação Mediada por Tecnologias. Licenciado em Matemática – Universidade Estácio de Sá –  Tradutor-Intérprete de Libras-Português – Universidade Federal de Lavras
³ Mestrando em Educação – Lingüística Aplicada – UFLA. Licenciado em Pedagogia – UNIMES. Pós-graduação em Arteterapia, Psicopedagogia – FPA. Pós-graduação em Docência do ensino superior de Libras- UCAM. Professor Intérprete Formador – CAS/MG e Tradutor Intérprete de Libras-Português Centro Universitário do Sul de Minas –UNIS/MG.

Aluno da UFLA vence a primeira edição do Concurso Nacional de Fotografia para Estudantes de Direito – tema abordou direitos das pessoas com deficiência

O estudante Luiz Henrique Soares (UFLA), premiado com o 1º lugar no concurso, e os professores Gustavo Ribeiro e Thaís Sêco

O discente do 5º período de Direito da UFLA, Luiz Henrique Soares de Jesus, conquistou o primeiro lugar no I Concurso Nacional de Fotografia para Estudantes de Direito, que teve como tema a “Convenção Internacional sobre Direitos da Pessoa com Deficiência: O Olhar Fotográfico como Parâmetro”. Luiz foi vencedor com o autorretrato “O cerne da superação é a ânsia por se libertar”. Os estudantes Joicy Baraibar, da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), e Felipe Sakai, da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), também foram premiados com as fotografias “Queda da Discriminação” e “Sombra de Marinéia”, respectivamente.

O concurso foi promovido pelo Laboratório de Bioética e Direito (LABB) da UFLA. As fotografias inscritas foram julgadas e classificadas por docentes de diversas instituições e profissionais especializados, que consideraram a aderência ao tema, o impacto visual (expressividade), a composição e a qualidade da imagem. As obras vencedoras fizeram parte de uma exposição de fotos durante o I Simpósio de Direito, Vulnerabilidade e Pessoas com Deficiência, organizado pelo Núcleo de Direitos das Pessoas com Deficiência da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), nos dias 9/4 e 10/4. Todos os vencedores receberão livros jurídicos e inscrições no IV Congresso Mineiro de Direito Civil da UFLA, de 26/9 a 28/9, que abordará o tema “Direito Privado e Vulnerabilidade”. O primeiro lugar também receberá um prêmio em dinheiro no valor de quatrocentos reais.

As obras vencedoras foram expostas durante o Simpósio de Direito, Vulnerabilidade e Pessoas com Deficiência, em Juiz de Fora

De acordo com o coordenador do LABB/UFLA, professor Gustavo Pereira Leite Ribeiro, a iniciativa visou contribuir para a divulgação do conteúdo da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. “Também buscamos sensibilizar os estudantes sobre os desafios relativos à efetiva implementação dos direitos das pessoas com deficiência e incentivá-los a se relacionarem com o seu entorno de forma diferenciada, utilizando, para tanto, da linguagem fotográfica”, explica.

A fotografia vencedora, “O cerne da superação é a ânsia por se libertar”, do estudante Luiz

Luiz, o estudante vencedor, conta que a ideia de participar surgiu de um sentimento de dever e responsabilidade. “Além de tirar a fotografia, fui o indivíduo fotografado, na tentativa de mostrar diretamente que limites podem ser superados por qualquer pessoa”. Em suas palavras, “a deficiência se encontra no meio estrutural, social e na falta de fé em nossas próprias capacidades. Ter a fotografia eleita vencedora foi apenas um bônus perto do que tal evento e concurso representam.”

Professores da UFLA contribuíram com o Simpósio

Também durante a programação do I Simpósio de Direito, Vulnerabilidade e Pessoas com Deficiência, realizado na UFJF, dois professores do Departamento de Direito da UFLA ministraram palestras.  No dia 9/4, o professor Gustavo Pereira Leite Ribeiro proferiu a palestra “Pessoa com deficiência e direito à saúde” e, no dia 10/4, a professora Thaís Fernanda Tenório Seco abordou o tema “A autonomia da pessoa com deficiência na autocuratela, nas diretivas antecipadas de vontade e nas intervenções médicas”.

 

Com a colaboração de Pedro Viana

 

Bagaço de cana e sacolas plásticas são reaproveitados na produção de MDP em projeto inédito da UFLA

O aproveitamento de resíduos é uma das soluções sustentáveis que diminuem o impacto ambiental de materiais que, muitas vezes, levariam centenas de anos para se decomporem no meio ambiente. Um projeto inédito feito pela estudante Nayra Diniz Nogueira em seu mestrado em Engenharia de Biomateriais na Universidade Federal de Lavras (UFLA) utiliza como matérias-primas: resíduos de sacolas plásticas e de bagaço de cana para produzir placas MDP (Medium Density Particleboard).

A cana-de-açúcar é uma das principais culturas do mundo, conforme dados da Organização das Nações Unidas, para a alimentação e agricultura (FAO). Brasil e Índia, juntos, são responsáveis por pouco mais da metade da cana produzida mundialmente, fato que gera uma grande preocupação com a destinação dos resíduos.

O bagaço de cana, por exemplo, ainda é um resíduo mal aproveitado no País. Na indústria sucroalcooleira, apenas parte do bagaço é queimado nas caldeiras, gerando energia elétrica que é utilizada pela própria usina.  Trabalhando com este material há 12 anos, o professor do Departamento de Engenharia (DEG) Rafael Farinassi Mendes garante que os painéis podem ser comercializados. “O grande desafio é inserir esse produto no mercado em razão do preconceito, quando se pensa na biodegradação do produto, mas todos os testes que foram feitos provam que esse processo não ocorre neste painel.”

Além da questão ambiental, neste projeto, o objetivo foi suprir a necessidade de matéria-prima na indústria de móveis, com a produção das placas de MDP de bagaço de cana proveniente de uma cachaçaria de Lavras e um polietileno de  alta densidade proveniente de uma indústria de Divinópolis. O resultado foi um produto novo, com propriedades diferenciadas em um processo simples e de baixo custo.

De acordo com Nayra, a execução do projeto em si ocorreu em três meses. “Esse foi o tempo para fazer todos os ensaios físicos, mecânicos e térmicos. Mas, a produção é rápida: são produzidos seis a sete painéis por manhã, aqui na Unidade Experimental em Painéis de Madeira (UEPAM).”

No experimento, as partículas de bagaço de cana foram avaliadas quanto às suas características anatômicas, químicas e físicas e as partículas de sacola plástica foram avaliadas quanto às suas características físicas. Os painéis foram produzidos com densidade nominal de 0,70 g/cm³, relação face/miolo de 40:60, 12% de adesivo para as faces e 8% de adesivo ureia-formaldeído para o miolo, tempo de prensagem de oito minutos e pressão de 4 MPa. Os painéis que foram produzidos com 15% de resíduo plástico apresentaram os melhores resultados para as propriedades físico-mecânicas avaliadas.

De acordo com o professor Rafael, no painel, o plástico funciona como um adesivo e diminui o inchamento causado pelo bagaço de cana, fazendo com que o produto final, inclusive, seja indicado até para banheiros “Com 15% de aplicação das sacolas plásticas, conseguimos permitir que o painel inche menos que 8% e atinja normas de comercialização internacionais da Europa e dos Estados Unidos, sendo possível exportar esse produto de bagaço de cana com um custo mais acessível e com melhor propriedade para o consumidor final.”

 

 

Reportagem:  Karina Mascarenhas, jornalista – bolsista Fapemig/Dcom
Edição do vídeo: Lídia Bueno, jornalista – bolsista Dcom

 

Trabalhos científicos de estudantes do DCA tiveram destaque em evento internacional

A apresentação dos trabalhos ocorreu em Montevidéu.

Entre os dias 9/4 e 12/4 uma professora e duas estudantes do Departamento de Ciência dos Alimentos da Universidade Federal de Lavras (DCA/UFLA) estiveram em Montevidéu, no Uruguai, para apresentação oral de trabalhos científicos. Elas participaram do Sensometrics, uma conferência que reúne os principais estatísticos, psicólogos, cientistas sensoriais e pesquisadores de mercado do mundo em torno da solução de problemas de medição e análise de dados nas áreas de ciência sensorial e de consumo.

Os trabalhos das estudantes Michele Ribeiro, doutoranda do Programa de Pós Graduação em Ciência dos Alimentos , e Fernanda Barbosa, graduanda em Engenharia de Alimentos, receberam premiação no evento. A professora do DCA Ana Carla Marques Pinheiro, que também apresentou trabalho durante a conferência, enfatiza a dimensão do reconhecimento. “Foram apenas quatro estudantes beneficiados na categoria Travel Awards (com concessão de inscrição no evento e passagem aérea), sendo dois da UFLA, um da França e outro da Noruega”. Entre os critérios para seleção dos trabalhos estava o mérito das produções, baseado na qualidade do resumo.

Da esq. p/ dir.: Michele, Ana Carla e Fernanda.

Michele é autora do trabalho “Combinatory tools for the development of a diet with natural sweeteners”, que tem como co-autores Daniela Rodrigues, Renata Reis, Letícia Silveira, Vanessa Souza, Cleiton Nunes e Ana Carla Marques Pinheiro (professora orientadora). Por meio da combinação de técnicas sensoriais e delineamento estatístico, os pesquisadores trataram do desenvolvimento de um iogurte diet com adoçantes naturais. Verificaram que uma mistura de estévias (com diferenças na composição química e custo) é uma boa alternativa para substituir a sacarose ou a sucralose, mantendo adequadamente o sabor do produto.

Já Fernanda apresentou o resumo “Evaluation of time intensity curves by bootstrap confidence intervals”, que teve também como coautores Isabel Amorim, Vladimir Vietoris e Renato Lima (professor orientador). O trabalho propõe o uso de um modelo estatístico para a análise de dados de uma metodologia sensorial específica, que contempla a dinâmica da percepção sensorial ao longo da ingestão de um alimento, o que contribui de forma significativa para a exploração das respostas sensoriais. Outro trabalho apresentado de forma oral durante o evento, pela professora Ana Carla, foi “Evaluation of different approaches of ‘Preferences sorting’: a new tool for assessing drivers of liking”. A pesquisa buscou propor uma abordagem diferente para um teste sensorial contemplando a obtenção de informações sobre características e aceitabilidade de produtos em um único teste sensorial, contribuindo com alternativas de técnicas sensoriais utilizadas para o desenvolvimento de novos produtos.

As estudantes da UFLA acompanhadas de Thomas Carr, autor de um dos livros base da área de análise sensorial.

De acordo com Ana Carla, a participação dos estudantes da UFLA no evento tem um histórico que pode ser comemorado. “Esta é a quarta edição do Sensometrics em que estudantes da UFLA são contemplados pelo Travel Awards. É um indicativo importante de que os trabalhos desenvolvidos no campo da sensometria e análise sensorial estão no caminho certo”, avalia.

Projeto de popularização da ciência busca deixar a Engenharia de Materiais mais próxima de estudantes do ensino médio

Palestra sobre nanotecnologia realizada na UFLA para estudantes integrantes do BIC Júnior e estudantes de escolas públicas em geral.

Um projeto de popularização da ciência desenvolvido na Universidade Federal de Lavras (UFLA) tem levado informações sobre a área das engenharias a estudantes do ensino médio. Com a denominação de “Engenheiros do Amanhã”, o projeto foi contemplado pela chamada 07/2015 da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig). Estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia de Materiais, coordenados pelo professor Juliano Elvis de Oliveira, ganham o desafio de ir às escolas proferir palestras para divulgar conceitos de ciência dos materiais, engenharia de materiais e nanotecnologia. Os alunos do ensino básico podem, assim, compreender como essas áreas do conhecimento estão presentes em seu cotidiano.

Para garantir que os temas se tornem mais compreensíveis, os pesquisadores desenvolveram kits didáticos para dar suporte às palestras. Com o objetivo de despertar o interesse por meio da tecnologia, os kits são construídos a partir de conceitos das ciências básicas que os alunos estudam nas salas de aula, nas disciplinas de química,  física e matemática. O primeiro kit elaborado aborda as propriedades elétricas dos materiais e sua importância para instalações elétricas prediais (veja foto).

Primeiro kit didático desenvolvido pelo projeto. aborda as propriedades elétricas dos materiais e sua importância para instalações elétricas prediais.

Até o momento, seis palestras já foram realizadas em diferentes escolas da cidade. No fim de março, os professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Eliton Meideiros e Amélia Santos, da área de Engenharia de Materiais, estiveram na UFLA, pelo projeto, com a finalidade de conversar com estudantes de ensino médio sobre temas como nanotecnologia e reciclagem com polímeros. Escolas públicas da cidade foram convidadas, bem como os estudantes que integram o Programa Bic Júnior. Foram mais de 60 participantes na atividade, que ocorreu no auditório do Departamento de Agricultura (DAG).

Eliton falou sobre a nanotecnologia e suas aplicações no dia a dia, enfatizando os resultados que ela pode trazer à sociedade. Ele disse já ter o hábito de abordar o tema com públicos da educação básica, mas ressaltou que o desafio é maior quando o público é misto – “estudantes de ensino médio e estudantes de graduação e pós-graduação juntos, como encontramos aqui, é algo que exige ainda esforço na busca por uma linguagem que atenda a todos”. Amélia também disse que já é hábito para ela falar sobre educação ambiental, até mesmo no ensino fundamental. “Às vezes é difícil despertar a atenção dos estudantes, mas nem considero essa dificuldade como sendo tão grande, porque eles se mostram sempre tão interessados”.

Atuam nesse projeto de popularização da ciência da UFLA cinco estudantes de graduação, quatro professores e um servidor técnico administrativo.

Apostando na comunicação pela web

Aliado ao projeto de divulgar a ciência por meio de palestras e materiais pedagógicos específicos, há um projeto de extensão, também coordenado pelo professor Juliano, pelo qual um canal na Internet foi lançado. Um grupo de estudantes de graduação produz vídeos que buscam explicar de forma descontraída e simplificada conceitos de engenharia. O material audiovisual tem o potencial não apenas de chamar a atenção dos estudantes do ensino básico para os temas das engenharias, como também de auxiliar os estudantes de graduação em sua adaptação inicial ao curso de Engenharia de Materiais e seus conteúdos. Conheça o canal: Engenheiros do Amanhã.

A projeção é de que seja lançado 1 vídeo a cada 15 dias. Porém, na atual fase do projeto, a equipe está em período de testes para identificar o formato e a duração de vídeo que irão garantir melhores resultados junto ao público. A previsão é que dois novos vídeos sejam disponibilizados ainda nesta semana.