Proec divulga edital para seleção de estudante de Administração Pública para estágio não obrigatório na UFLA

A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal de Lavras (Proec/UFLA) abre, nesta terça-feira (10/4), o período de inscrições para seleção de candidatos a estágio não obrigatório na UFLA, para o período de um ano, podendo ou não ser prorrogado por igual período.

Edital 006/2018 já está disponível e as inscrições podem ser realizadas até 27/4. A Proec oferecerá uma vaga de estágio na área de gestão de processos administrativos, para graduandos que estejam cursando entre o 2° e o 6° período do curso de Administração Pública na data de publicação do edital.

Os documentos solicitados para inscrição deverão ser entregues pessoalmente e em envelope lacrado na Proec, nos horários: 8h às 12h e de 14h às 16h, de segunda a sexta-feira, ou enviados pelo correio (com AR – Aviso de Recebimento), com data de postagem até o dia 26/4, para o endereço abaixo:

Universidade Federal de Lavras
Pró-Reitoria de Extensão e Cultura
Coordenadoria de Estágios
Caixa Postal 3037
37200-000 – Lavras/MG 

Os documentos necessários para a candidatura dos interessados, bem como todos os demais detalhes do processo, encontram-se no Edital.

Alberto Moura, estagiário DCOM/UFLA
Colaboração: Rhuane Jackeline – bolsista Proat/Dcom

UFLA é parceira em projeto que propõe inovações para o diagnóstico da Leishmaniose – ações no município já começaram

Treinamento realizado na UPA Lavras para inclusão de novo teste de diagnóstico da leishmaniose visceral.

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) avança nas ações que vêm sendo realizadas desde 2013 para combate à Leishmaniose Visceral no município. A instituição, em parceria com a Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFMT), teve um projeto aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapemig) em edital Universal. Os dois principais objetivos da proposta são a implantação de um novo método para diagnóstico rápido da doença, aliado ao desenvolvimento e teste de um aplicativo desenvolvido pela UFTM que tem a função de ajudar as equipes de saúde na agilidade desse diagnóstico.

Por já ter registrado cinco casos de leishmaniose visceral em humanos, com uma morte, o município de Lavras é um dos que estão incluídos nas ações do projeto, por meio da inserção da UFLA. Em março, a professora Luciana Teixeira, coordenadora do projeto na UFTM, visitou Lavras para o início das atividades. Com o apoio da Fiocruz, foi realizada uma capacitação para médicos e enfermeiros, com o propósito de discutir o tema leishmaniose visceral, apresentado os números da doença e um novo aplicativo desenvolvido – o LeishCare – que tem a funcionalidade de compartilhar informações sobre diagnóstico, casos em tratamento, discussões clínicas, notificações e outras informações relacionadas à leishmaniose visceral.

Médicos e enfermeiros passaram por capacitação e assistiram à apresentação do aplicativo Leish-care.

Houve também um treinamento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para inclusão, na rotina, do teste diagnóstico desenvolvido por meio do projeto. Esse novo recurso está sendo testado em parceria com a UFLA, para que se consiga rastrear mais rapidamente os casos suspeitos. Além de Lavras, estão incluídos no projeto os municípios de Porteirinha, Paracatu e Montes Claros (com participação da Unimontes). Em todos eles houve capacitação das equipes de saúde e ocorre também o acompanhamento dos casos por meio do novo teste e do aplicativo proposto pelo projeto.

A leishmaniose visceral, também conhecida como calazar, é a forma mais grave da doença e, se não for diagnosticada e tratada precocemente, pode evoluir para o óbito. A UFLA desenvolve, por meio do Laboratório de Biologia Parasitária (Biopar), pesquisas e ações de extensão relacionadas à Leishmaniose há mais de cinco anos, com o intuito de diagnosticar, controlar e combater esta que é considerada uma das mais importantes doenças parasitárias do mundo.

Sob coordenação da professora do Departamento de Ciências da Saúde (DSA) Joziana Muniz de Paiva Barçante, a atuação da UFLA no combate às leishmanioses tem o envolvimento de estudantes de graduação e pós-graduação, bem como a parceria contínua com a Vigilância Ambiental e Epidemiológica do município. No histórico das ações estão: a identificação de cães infectados; orientações aos proprietários e comunidade; instalação de armadilhas em residências para detectar a presença do inseto transmissor; diagnóstico e acompanhamento dos casos humanos, além de ações de educação em saúde e palestras nas escolas. As ações são reforçadas pelas divulgações do projeto Minuto da Saúde, que leva à sociedade o conhecimento da área da saúde gerado na academia, também com o apoio da Fapemig.

Equipe do Projeto (da esq. p/ dir.): Richardson (chefe da Vigilância Epidemiológica); profª. Joziana (coordenadora dos projetos da UFLA com Leishmaniose); profª. Luciana (coordenadora geral do Projeto na UFTM); Reginaldo (chefe da Vigilância Ambiental de Larvas); Edward (pesquisador da Fiocruz); profª. Monique (DSA) e Priscila (UFTM).

O LeishCare e o teste rápido DAT, desenvolvidos pelo projeto liderado pela UFTM, somam forças às inúmeras ações já desenvolvidas pela UFLA e que hoje já se estendem para outras cidades, como Ribeirão Vermelho, onde uma estudante de pós-graduação investiga atualmente o estado epidemiológico da doença, considerando-se já ter havido no local o registro de cães com resultado positivo para a doença e existência do inseto transmissor.

A parceria da UFLA com as outras entidades ligadas ao projeto reforça ainda mais o controle da leishmaniose não somente no Estado, mas serve também como parâmetro de controle da doença em todo o território nacional.

Apuração e texto com a colaboração de Grazielle Moreira, jornalista (Projeto DCOM/TVU/Fapemig)