Trabalho publicado na Scientific Reports/Nature discute a sustentabilidade do fósforo no Brasil – pesquisadores da UFLA participaram do estudo



1 de Março de 2018, 8:43 am , com 1.150 visualizações

Pesquisadores de renomadas instituições brasileiras publicaram recentemente um trabalho na Scientific Reports/Nature, que apresenta possibilidades de melhorar a eficiência da agricultura brasileira com tecnologias alternativas que visem à sustentabilidade na gestão do fósforo. Participaram do estudo o professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA) Luiz Roberto Guimarães Guilherme e o pós-doutorando Teotônio de Carvalho.

A enorme base terrestre do Brasil e ainda o clima geralmente favorável oferecem um grande potencial para expandir ainda mais a produção agrícola do país, tanto por intensificação agrícola quanto por expansão controlada das terras cultivadas. “Uma grande consideração econômica e ambiental na expansão da agricultura brasileira é o aumento da demanda de fertilizantes, exigência para uma maior produção agrícola, e em particular o fósforo. E 60% desse fósforo é importado. A alta demanda por esse fertilizante e a forte dependência das importações tornam a agricultura brasileira particularmente vulnerável à futura escassez de fósforo. Assim, as estratégias para reduzir essa dependência e usá-lo de forma mais eficiente tornar-se-ão cada vez mais importantes”, afirmam os pesquisadores.

Hoje, cerca de 70% das reservas mundiais de fósforo estão no Marrocos. E desse valor, 80% são destinados para fertilizantes, utilizados em solos como os do Brasil, pobres em fósforo. “Um desafio fundamental para a sociedade é alcançar a intensificação agrícola de forma sustentável, sem degradação do meio ambiente ou ameaças ao bem-estar humano”, destacam.

Algumas alternativas já são aplicadas com o intuito de diminuir o uso do fósforo, como cultivar em solos que possuem mais matéria orgânica ou fazer calagem (ação ou efeito de adubar a terra com cal). “Há um cenário de utilização alta no Brasil, mas, existe uma série de estratégias. Está sendo construída uma poupança de fósforo no País, eventualmente, em certo momento, ficaremos como nos Estados Unidos, com produção em alta e taxa de fósforo constante”, comenta o professor Luiz Roberto.

Nesse estudo, após fazer uma nova análise estratégica da demanda/oferta atual, os pesquisadores constataram que os recursos secundários de fósforo que são produzidos anualmente (por exemplo, estrumes de gado, resíduos de processamento de cana-de-açúcar) poderiam potencialmente fornecer até 20% da demanda de fósforo da safra em 2050. “Os cenários para intensificação agrícola no Brasil até 2050 foram construídos com base em tendências e dados do censo nacional da área de cultivo total brasileira, produção de cultura, número de animais e consumo de fertilizantes”, explicam.

Mas, de acordo com os pesquisadores, ainda é necessário buscar outras fontes alternativas de fósforo, até mesmo em razão de novas áreas que ainda serão adaptadas para a agricultura. “Temos áreas novas, como na região de Matopiba (estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), com cerca de 70 milhões de hectares de fronteira agrícola e um solo igual ao que o professor Alfredo Scheid Lopes estudou há 40 anos no cerrado. Mas, hoje, já são aplicadas estratégias ainda mais modernas para construir a fertilidade desse solo”.

Sendo assim, uma das atuais propostas é a reciclagem do fósforo por meio de um sistema de tratamento de lodo. “Esta é uma importante solução. Quando você pega uma planta, crescida em um solo fertilizado com fósforo, e a utiliza como alimentação tanto em humanos como em animais, por exemplo, suínos, após o consumo, 80% do fósforo sairão nas fezes. Uma cidade como Lavras, por exemplo, são 50 toneladas de lodo sendo produzidas diariamente. Em alguns países do mundo, como nos Estados Unidos, esse material, ao ser reciclado, vira adubo. Mas, primeiramente, você tem que ter saneamento básico”, relatam os pesquisadores da UFLA.

O Paraná é o principal estado que deseja trabalhar com lodo no Brasil, sendo o que mais incentiva essa alternativa de reciclagem. Pela primeira vez, no País, uma usina produzirá energia a partir da combinação entre resíduos orgânicos e o lodo de esgoto. “A Dinamarca foi o primeiro país a desenvolver esse processo: após incinerar o lodo para gerar energia, você ainda pode utilizar as cinzas como fertilizante”, explica o professor Luiz Roberto.

Acesse aqui o trabalho completo.

Página Eventos UFLA no Facebook

Diretrizes de Comunicação da UFLA

Notícias por data

Março 2018
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo