Artigo produzido na UFLA discute “Masculinidades, feminilidades e educação matemática”



11 de abril de 2017, 3:34 pm , com 781 visualizações

imagem ilustrativa

Há relação entre o ensino da matemática e as concepções sociais de gênero? O mestrando da Universidade Federal de Lavras (UFLA) Lucas Alves Lima Barbosa, do Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE), buscou a resposta a essa questão e desenvolveu o artigo “Masculinidades, feminilidades e educação matemática: análise de gêneros sob a ótica discursiva de docentes matemáticos”.

Lucas entrevistou professores de matemática da rede pública de ensino do município de Inconfidentes, no sul de Minas Gerais, para verificar quais eram suas percepções sobre o aprendizado dos conteúdos por meninos e meninas. De acordo com o pesquisador, há instrumentos de medição da educação que passaram a incluir a identificação de gênero na análise dos resultados. “O que se observa é que, seguindo o senso comum, os números mostram um melhor desempenho dos meninos na matemática. O artigo, entretanto, busca refletir sobre o caráter socialmente construído dessa realidade.”

O trabalho adota a concepção de gênero, deixando bem definida sua diferenciação em relação à terminologia sexo. “Gênero é tudo aquilo que, socialmente e culturalmente, nos define como sendo homens ou mulheres. Pertencer a um determinado gênero acrescenta aos nossos feitios uma série de modos de agir, de se vestir, de se comunicar, de trabalhar, de se divertir e de se praticar a sexualidade”.

A partir das falas dos entrevistados, o autor argumenta que a dicotomia masculino/feminino no aprendizado da matemática não é algo natural, mas construído e reproduzido nos processos de ensino. As expectativas que os professores projetam sobre cada um dos dois grupos são diferentes, e acabam por fazer com que ofereçam maiores estímulos aos meninos.

Em geral, quando convidados a explicar os motivos pelos quais acreditam que meninas e meninos têm aproveitamentos diferentes em matemática, os professores apoiam-se em três grupos de argumentos: o de que o comportamento feminino é diferente do masculino; o de que as atividades desenvolvidas no cotidiano pelos meninos favorecem esse resultado e o aquele apoiado na naturalização (baseado na ideia de que é assim simplesmente por ser assim).

No estudo, são também observados os relatos dos professores sobre suas próprias experiências ao cursarem a graduação em matemática, as dificuldades e os estranhamentos com os quais se depararam.

O artigo “Masculinidades, feminilidades e educação matemática: análise de gêneros sob a ótica discursiva de docentes matemáticos” foi publicado na Revista Educação e Pesquisa, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Lucas é integrante do grupo de Pesquisa ‘Relações entre a filosofia e educação para a sexualidade na contemporaneidade: a problemática da formação docente (Fesex). Acesse aqui o texto completo.

Notícias por data

abril 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivo